Aborto espontâneo é motivado pela ausência de um gene

Equipa de investigação descobriu que a ausência do gene para o fator de transcrição Math6 leva a abortos espontâneos. O estudo da Ruhr-University Bochum envolveu ratos knockout, mas o estudo vai ser estendido a humanos.

0
Aborto espontâneo é motivado pela ausência de um gene
Aborto espontâneo é motivado pela ausência de um gene. Marion Böing, Beate Brand-Saberi e Markus Napirei (da esquerda para a direita) Foto: DR

Um único gene da mãe desempenha um papel crucial no desenvolvimento da placenta e a disfunção leva a abortos espontâneos. Investigadores da Faculdade de Medicina da Ruhr-University Bochum (RUB) observaram nos ratos knockout, especificamente modificados para esse fim.

Os ratos não possuem o gene para o fator de transcrição Math6. Ao realizar mais estudos, a equipa de investigação espera obter novas visões sobre o papel que o gene desempenha no aborto espontâneo recorrente em humanos. Os investigadores liderados pela professora Beate Brand-Saberi publicaram o estudo na revista Scientific Reports, em 9 de outubro de 2018.

Os embriões morrem devido a problemas na placenta

Fatores de transcrição regulam a expressão de genes a jusante. Math6 desempenha um papel significativo em vários órgãos durante o desenvolvimento pré-natal, assim como no organismo adulto. Os ratos knockout gerados na RUB não possuem o gene para o fator de transcrição Math6. “Considerando as consequências causadas pelo gene deficiente, podem ser tiradas conclusões sobre sua função”, explicou Beate Brand-Saberi, chefe do Departamento de Anatomia e Embriologia.

Os investigadores demonstraram com sucesso que ao contrário das suposições anteriores, o desenvolvimento embrionário não é interrompido quando o Math6 é desligado, “no entanto, embriões e fetos morrem devido a problemas da placenta”, disse a investigadora. O desenvolvimento da placenta, que é composta de tecido materno e fetal, é vital para o desenvolvimento dos embriões e fetos durante a gravidez.

Composição genética da mãe é decisiva

Ao cruzar os ratos, os investigadores notaram que o distúrbio ocorre apenas se a fêmea grávida não tiver cópias parentais do gene Math6. Quando os investigadores acasalaram as fêmeas, faltando apenas uma cópia do gene com os machos sem as duas cópias, a placenta se formou-se de maneira normal.

“Consequentemente, o transtorno depende da composição genética da mãe, não da dos embriões”, conclui Beate Brand-Saberi. “A expressão Math6 na fêmea parece ser essencial para sustentar a gravidez e fornecer aos fetos os nutrientes. O facto de que um único gene da mãe desempenha um papel tão crucial para o desenvolvimento placentário é uma observação muito rara, mas muito importante ”, referiu a investigadora.

Melhor compreensão dos abortos em humanos

O estudo lançou as bases para novos estudos sobre a placenta. No futuro, os investigadores pretendem analisar o mecanismo subjacente em profundidade, a fim de obter uma melhor compreensão das complicações e da perda recorrente de gravidez em seres humanos.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!