Análise ao sangue pode prever tuberculose até seis meses

Cientistas da University College London mostraram que uma análise ao sangue pode prever o início da tuberculose, até seis meses antes da pessoa ficar doente. A descoberta pode ajudar a usar melhor os antibióticos e a salvar inúmeras vidas.

0
Trabalho em laboratório
Trabalho em laboratório (imagem de arquivo). Foto: DR

Um estudo de investigadores da University College London (UCL) identificou quais as assinaturas de expressão génica no sangue que podem ser usadas para prever a tuberculose (TB), num estágio muito inicial e antes de surgirem os sintomas. O estudo já foi publicado na revista The Lancet Respiratory Medicine.

As assinaturas de expressão génica são medições únicas ou combinadas dos níveis de produtos genéticos específicos e estão a ser testadas numa variedade de doenças para ajudar no diagnóstico, prognóstico ou previsão da resposta ao tratamento. Algumas já estão a ser usadas ​​para apoiar no tratamento do cancro.

No estudo os investigadores realizaram inicialmente uma revisão sistemática das assinaturas de genes já encontradas em amostras de sangue de pessoas com TB, em comparação com indivíduos saudáveis.

Os investigadores identificaram 17 assinaturas de expressão génica candidatas à TB e foram testadas em mais de 1.100 amostras de sangue em conjuntos de dados publicados da África do Sul, Etiópia, Gâmbia e Reino Unido. Os cientistas analisaram amostras de pessoas que não apresentavam sintomas de TB no momento em que doaram sangue. Essas pessoas foram acompanhadas para identificar quais participantes que desenvolveram TB nos meses seguintes.

Com as análises os investigadores descobriram que oito das assinaturas, incluindo a medição da expressão de um único gene, poderiam prever o diagnóstico de TB dentro de três a seis meses, o que está dentro da precisão exigida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para novos testes de diagnóstico. Essa precisão foi alcançada, revelando as respostas imunes dos pacientes às bactérias antes que os sintomas da doença se desenvolvessem.

Rishi Gupta do Instituto de Saúde Global da UCL, e autor principal do estudo, referiu: “O teste de assinatura de expressão génica, que pode auxiliar o diagnóstico e o tratamento precoce, fornece uma esperança real para a gestão de doenças infeciosas. Neste estudo, identificamos várias assinaturas para o início da tuberculose, o que é extremamente encorajador, fornecendo vários alvos para a deteção precoce”.

O investigador acrescentou: “O desenvolvimento desses testes pode ajudar a identificar as pessoas que mais podem beneficiar do tratamento preventivo com antibióticos, a fim de reduzir a ocorrência de tuberculose – uma doença que causa o maior número de mortes no mundo devido a uma única infeção. A disponibilidade de várias assinaturas ajudar a ampliar o acesso a esses testes”.

A tuberculose é uma doença causada por uma bactéria, a Mycobacterium tuberculosis, que afeta mais frequentemente os pulmões. A tuberculose é transmitida de pessoa para pessoa através do ar. Quando as pessoas com tuberculose pulmonar tossem, espirram ou cospem, elas lançam os germes da tuberculose no ar. Outra pessoa precisa inalar apenas alguns desses germes para se infetar. Em todo o mundo, a tuberculose é uma das 10 principais causas de morte e, em 2018, cerca de 1,5 milhão de pessoas morreram com a doença.

Mahdad Noursadeghi, da UCL, referiu: “Acredita-se que cerca de um quarto da população mundial tenha sido infetada com as bactérias causadoras da tuberculose. A maioria desses indivíduos permanece bem e não pode transmitir a doença”.

O investigador acrescentou: “No entanto, atualmente não sabemos quais são as pessoas com maior probabilidade de desenvolver a doença após serem infetadas. Se conseguirmos identificar esses indivíduos, podemos tratar a infeção mais facilmente e impedir que ela se espalhe para outras pessoas”.

“As descobertas estabelecem as assinaturas génicas no sangue que são mais promissoras para identificar pessoas em risco de doença. O desenvolvimento futuro de um exame de sangue com base nessas descobertas pode dar uma importante contribuição para reduzir o impacto e a disseminação dessa infeção mortal”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!