Antiviral Remdesivir apresenta sucesso no combate à COVID-19

Dados de um ensaio clínico com o antiviral Remdesivir no Houston Methodist em Houston, EUA, no tratamento da COVID-19, mostram que os pacientes estão a responder rapidamente de forma positiva à terapia.

0
Antiviral Remdesivir apresenta sucesso no combate à COVID-19
Antiviral Remdesivir apresenta sucesso no combate à COVID-19. Foto: © Rosa Pinto

Os pacientes com COVID-19 envolvidos num ensaio clínico, no Houston Methodist Hospital, EUA, estão a responder rapidamente ao medicamento antiviral Remdesivir. O estudo permite o tratamento de pacientes no início de seu quadro clínico e, em alguns casos, nos momentos em que a situação exigiria que fossem intubados.

“Os primeiros resultados do ensaio clínico são promissores, e isso é importante. Muito do que aprendemos sobre a gestão da COVID-19 está centrado na prevenção antes de uma rápida deterioração. Tempo é tudo. Não posso ter certeza de que os doentes teriam sido intubados sem a terapia, mas é encorajador”, referiu Katherine K. Perez, especialista farmacêutica em doenças infeciosas.

Uma das coisas mais desafiadoras da COVID-19 é a maneira como este vírus faz cópias de si mesmo quando encontra o caminho para no nosso corpo. É assim que a COVID-19 pode finalmente assumir o controlo e colocar a pessoa numa situação grave com problemas respiratórios e com necessidade de intubação, se a COVID-19 não for interrompida suficientemente cedo.

O Remdesivir demonstrou uma potente capacidade de inibir a replicação viral em células humanas e agora está ser testado em ensaios clínicos de pacientes com o vírus SARS-CoV-2, que causa a COVID-19. O Houston Methodist é um dos locais com ensaio clínico com este novo medicamento em investigação.

A trabalhar com a empresa farmacêutica Gilead Sciences, fabricante do Remdesivir e patrocinador dos estudos, o Houston Methodist Hospital é um dos locais nos EUA a ingressar nos ensaios clínicos e vem registando e tratando pacientes desde meados de março. Inicialmente, cinco pacientes receberam acesso antecipado ao Remdesivir numa base de uso compassivo e, até agora já foram inscritos no estudo mais de 35 pacientes.

Os dois ensaios clínicos de Fase 3 no Houston Methodist são estudos randomizados, abertos, multicêntricos e tratam pacientes com sintomas moderados a graves para avaliar a segurança e eficácia do Remdesivir em adultos diagnosticados com COVID-19.

Um estudo é para pacientes com COVID-19 moderado e testa um tratamento com Remdesivir durante 5 ou 10 dias. O segundo estudo está avaliar uma terapia com a duração de 10 dias com Remdesivir em pacientes com COVID-19 grave, incluindo os que se encontram sob ventilação mecânica.

O médico de doenças infeciosas Kevin A. Grimes, e Katherine K. Perez estão a liderar os estudos dos ensaios clínicos no Houston Methodist e afirmam que estão a ser encorajados pelos resultados.

Katherine K. Perez disse que os primeiros resultados no Houston Methodist foram promissores, as terapias foram bem toleradas e vários pacientes com COVID-19 que foram tratados com Remdesivir estão a mostrar sinais de recuperação e já tiveram alta hospital e regressaram a casa.

Embora seja muito cedo para tirar conclusões, no entanto, dizer, Katherine K. Perez referiu que também há indicações de que o tratamento com Remdesivir pode impedir a intubação.

Agir rapidamente é fundamental

“Se a terapia for administrada numa fase precoce da doença, esperamos que o Remdesivir interfira no vírus e bloqueie sua capacidade de replicação nas células dos pacientes”, referiu Kevin A. Grimes. “O objetivo é evitar a cascata inflamatória mortal que leva à insuficiência respiratória e à necessidade do doente ser intubado e ficar sob um ventilador”.

Esse ponto de mudança é crucial pois impede que a COVID-19 se torne mortal. A principal causa de morte por esta doença resulta de uma resposta inflamatória extrema nos pulmões provocada pelo coronavírus. O sistema imunológico torna-se hiperativo, com seus processos inflamatórios de combate a doenças em excesso, tentando derrotar o vírus, mas causando mais mal do que bem, ao destruir células nos pulmões.

O medicamento antiviral de amplo espectro, o Remdesivir foi desenvolvido originalmente para tratar o Ébola há mais de uma década. Sabe-se que geralmente é seguro em seres humanos e é apoiado por um grande corpo de investigações pré-clínicas, além de vários estudos que demonstraram ser bastante bem sucedido na interrupção dos coronavírus SARS e MERS, primos virais da nova estirpe deste atual coronavírus. Os testes foram interrompidos antes dos ensaios clínicos, portanto, sua eficácia no tratamento de pacientes de SARS e MERS é desconhecida.

Os resultados de um estudo realizado na China no início deste ano, e publicado na revista Nature, mostrou que o Remdesivir poderia bloquear com sucesso a COVID-19 de se replicar em células humanas. Um artigo do New England Journal of Medicine narra o caso do homem no estado de Washington que foi o primeiro paciente conhecido nos EUA com a COVID-19. O paciente recebeu Remdesivir por recomendação do CDC e foi relatado que o mesmo começou a melhorar ao fim de 24 horas.

Em 10 de abril, os primeiros resultados disponíveis de uma das coortes de uso compassivo da farmacêutica Gilead foram publicados no New England Journal of Medicine. O estudo mostrou melhoras clínicas numa maioria de dois terços (68%) dos pacientes hospitalizados com COVID-19 grave que receberam Remdesivir de uso compassivo.

Os investigadores consideram que os dados a recolher de vários ensaios clínicos controlados e randomizados que estão em curso, incluindo os do Houston Methodist, vão fornecer conclusões mais definitivas e baseadas em evidências sobre a segurança e eficácia do Remdesivir no tratamento da COVID-19. As observações clínicas neste programa de uso compassivo são os únicos dados atualmente disponíveis. Os autores do estudo esperam que os resultados de outros os locais de ensaios clínicos controlados da Gilead validem potencialmente essas descobertas nas próximas semanas.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!