Apoio a estudantes Erasmus + e a voluntários durante a pandemia de COVID-19

Eurodeputados pedem à Comissão Europeia mais apoio para os estudantes Erasmus + e para os Voluntários durante a pandemia de COVID-19, indicando que as despesas extras devem ser reembolsadas, e os estudantes não devem perder um ano académico.

0
Apoio a estudantes Erasmus + e a voluntários durante a pandemia de COVID-19
Apoio a estudantes Erasmus + e a voluntários durante a pandemia de COVID-19. Foto: © Rosa Pinto

Os eurodeputados consideram que os 165 mil estudantes em intercâmbio ao abrigo do programa Erasmus + e os 5 mil voluntários da União Europeia precisam da garantia de que serão reembolsados ​​e que manterão seu estatuto durante a pandemia de COVID-19.

Em carta dirigida hoje à Comissária Mariya Gabriel, os eurodeputados do Comité de Cultura e Educação salientam que até agora não estão garantidas que as despesas extras dos estudantes de intercâmbio Erasmus + e dos participantes do programa Solidarity Corps sejam reembolsadas.

Na carta os eurodeputados pedem, também, que seja dado apoio aos estudantes para garantir que estes não percam este ano académico e por isso possam obter os créditos académicos necessários, através de aprendizagem por processo virtual.

Os eurodeputados também pedem à Comissão Europeia que garanta que os participantes do programa Solidarity Corps possam manter seu estatuto de voluntários pelo período planeado da sua colocação, mesmo que tenha sido suspensa. Eles devem poder, portanto, concluir seu serviço voluntário e não correr o risco de perder o subsidio familiar, como pensão de alimentos, ligada ao estatuto de voluntário.

É ainda recomendado o reaproveitamento das atividades voluntárias para os participantes do Corpo Europeu de Solidariedade suspenso, por exemplo, mobilizando voluntários para os esquemas nacionais de apoio que estão a ser implementados para combater a pandemia do COVID-19.

Os eurodeputados pedem ainda “uma política clara, bem como uma comunicada clara e consistente implementada nos Estados membros”, dado que as pessoas e organizações afetadas estão “profundamente preocupadas” e “precisam sentir que a Comissão está do seu lado”.

Sabine Verheyen, Presidente do Comité de Cultura e Educação referiu: “Apelamos à Comissão para apoiar diretamente toderasos os participantes de programas de educação, cultura e juventude. Isso significa trabalhar com agências nacionais, universidades, faculdades, escolas, organizações de jovens e outras organizações para garantir que nossos participantes estejam seguros e recebam ajuda para voltar para casa quando necessário. Isso também significa garantir que as despesas extras serão reembolsados, que as regras do projeto serão aplicadas de maneira flexível e que eles manterão seu estatuto de voluntários do Solidarity Corps ou de alunos do programa Erasmus +”.

“Temos o dever de garantir que aqueles que se inscreveram nos programas obtenham a ajuda e o apoio de que precisam. A turma de 2020 precisa de nós ”, enfatizou Sabine Verheyen.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!