Aspirina reduz risco de morte em pacientes hospitalizados com COVID-19

Pacientes hospitalizados com COVID-19 que tomam aspirina diariamente têm menor risco de necessidade de cuidados intensivos, de recorrer a ventiladores e de morrer. Os doentes devem falar com um médico antes de decidirem tomar aspirina.

0
Aspirina reduz risco de morte em pacientes hospitalizados com COVID-19
Aspirina reduz risco de morte em pacientes hospitalizados com COVID-19. Foto: © Rosa Pinto

Pacientes com COVID-19 hospitalizados que estavam tomar aspirina em baixa dose diária para proteção contra doenças cardiovasculares têm um risco significativamente menor de complicações e morte em comparação com os que não tomavam aspirina, concluiu um novo estudo conduzido por investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Maryland.

Os pacientes que tomavam aspirina eram menos propensos a serem colocados numa unidade de cuidados intensiva (UCI) ou ligados a um ventilador mecânico, e eram mais propensos a sobreviver à infeção em comparação com pacientes hospitalizados que não tomavam aspirina.

Os investigadores em artigo no “journal Anesthesia and Analgesia” são de “otimismo cauteloso”, para um medicamento barato e acessível com um perfil de segurança conhecido que pode ajudar a prevenir complicações graves.

Jonathan Chow, investigador da Universidade de Maryland, referiu: “Esta é uma descoberta crítica que precisa ser confirmada por meio de um ensaio clínico randomizado”, e “se a descoberta for confirmada, tornará a aspirina no primeiro medicamento de venda livre e amplamente disponível para reduzir a mortalidade em pacientes com COVID-19”.

O estudo conduzido pelo investigador Jonathan Chow utilizou registros médicos de 412 pacientes de COVID-19, com idade média de 55 anos, que foram hospitalizados nos últimos meses devido a complicações da infeção. Os pacientes foram tratados no Centro Médico da Universidade de Maryland, em Baltimore, e em três outros hospitais ao longo da Costa Leste dos EUA. Cerca de um quarto dos pacientes estava a tomar uma aspirina em baixa dose diária (geralmente 81 miligramas) antes de serem internados ou logo após o internamento para tratar da doença cardiovascular.

Os investigadores descobriram que o uso de aspirina foi associado a uma redução de 44% no risco de ser colocado num ventilador mecânico, uma redução de 43% no risco de admissão na UCI e – o mais importante – uma redução de 47% no risco de morrer no hospital em comparação com os que não estavam a tomar aspirina. Os pacientes que tomavam aspirina não experimentaram um aumento significativo nos eventos adversos, como derramamentos significativos durante a hospitalização.

Os investigadores controlaram vários fatores que pudessem ter desempenhado um papel no prognóstico do paciente, incluindo idade, sexo, índice de massa corporal, raça, hipertensão e diabetes. Também foram responsáveis ​​por doenças cardíacas, doenças renais, doenças hepáticas e o uso de betabloqueadores para controlar a pressão arterial.

As infeções por COVID-19 aumentam o risco de coágulos sanguíneos perigosos que podem formar-se no coração, pulmões, vasos sanguíneos e outros órgãos. Complicações de coágulos sanguíneos podem, em casos raros, causar ataques cardíacos, derrames e falência de múltiplos órgãos, bem como a morte.

Os médicos geralmente recomendam uma aspirina em dose baixa diária para pacientes que já tiveram um ataque cardíaco ou derrame causado por um coágulo sanguíneo para prevenir futuros coágulos sanguíneos. O uso diário, entretanto, pode aumentar o risco de hemorragia grave ou úlcera péptica.

“Acreditamos que os efeitos de afinamento do sangue através da aspirina trazem benefícios para os pacientes com COVID-19, evitando a formação de microclote”, referiu o investigador Michael A. Mazzeffi, da Universidade de Maryland. “Pacientes com diagnóstico de COVID-19 podem querer considerar tomar uma aspirina diária, mas necessitam de primeiro consultar um médico”. Determinados pacientes como os de maior risco de derramamentos de sangue ou com doença renal crónica, ou porque usam regularmente certos medicamentos, como esteróides ou anticoagulantes, podem não conseguir tomar aspirina com segurança.

Também participaram no estudo investigadores da Wake Forest School of Medicine, da George Washington University School of Medicine, do Northeast Georgia Health System e do Walter Reed National Military Medical Center.

Akiko K. Bowers, reitor da Escola de Medicina da Universidade de Maryland, referiu: “Embora estudos confirmatórios sejam necessários para provar que o uso de aspirina leva a melhores resultados na COVID-19, as evidências, até agora, sugerem que os pacientes podem querer discutir com o seu médico se é seguro tomar aspirina para controlar e potencialmente prevenir complicações graves.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!