Aumenta mortalidade por paragem cardíaca em pessoas com COVID-19

Estudo mostra que o risco de morte por paragem cardíaca súbita aumenta significativamente em pessoas com COVID-19. Investigadores alertam para as consequências da COVID-19.

0
Aumenta mortalidade por paragem cardíaca em pessoas com COVID-19
Aumenta mortalidade por paragem cardíaca em pessoas com COVID-19

A paragem cardíaca súbita é mais frequentemente fatal em pessoas com COVID-19, mostra um novo estudo, já publicada no European Heart Journal. Os responsáveis ​​pela investigação veem os resultados como um alerta para o público e também para os profissionais de saúde.

O estudo de observação baseado em registo abrangeu todos os 3.026 casos de paragem cardíaca súbita que foram notificados ao Registo Sueco de Ressuscitação Cardiopulmonar no período de 1 de janeiro a 20 de julho de 2020, ou seja, antes e durante a pandemia.

Os dados do Registo mostram que, na Suécia, ocorrem 6.000 casos de paragem cardíaca súbita anualmente, com entrada em hospital. Cerca de 600 das pessoas sobrevivem. E ocorrem anualmente 2.500 casos de paragem cardíaca durante o internamento e neste caso verificam-se 900 sobreviventes.

Os resultados do estudo mostram que a mortalidade por paragem cardíaca súbita é maior se a pessoa tem COVID-19, mas, no entanto, verifica-se que diferentes grupos de pacientes também apresentam diferenças divergentes nas taxas de mortalidade.

Durante o período do estudo, foram registrados 1.946 casos de paragem cardíaca súbita fora dos hospitais. Em que 10% das pessoas tinha COVID-19 confirmada, e o risco de um resultado fatal provou ser 3,4 vezes maior para essas pessoas do que para as que não tinham COVID-19.

Dos 1.080 casos de paragem cardíaca súbita ocorridos em hospitais, a COVID-19 estava presente em 16%. Entre os pacientes com COVID-19, a mortalidade foi 2,3 vezes maior do que para os outros pacientes.

A maior diferença de mortalidade foi observada no grupo de mulheres que já estavam a receber atendimento hospitalar no momento da paragem cardíaca. Nessas mulheres, a infeção contínua por COVID-19 foi associada a nove vezes o risco de um desfecho fatal durante os meses iniciais e a um risco sete vezes maior de abril em diante.

O estudo, realizado por investigadores do Registro Sueco de Ressuscitação Cardiopulmonar e da Universidade de Gotemburgo, recebeu apoio financeiro da Fundação Sueca Heart-Lung. A ação imediata de financiamento desta Fundação foi crucial para a implementação, enfatizou Araz Rawshani, investigador da Faculdade de Medicina da Academia Sahlgrenska, Universidade de Gotemburgo, que também trabalha no Hospital Universitário Sahlgrenska.

“Esperamos que os nossos resultados possam ajudar a aumentar a conscientização sobre as complicações da COVID-19 entre o público, prestadores de cuidados e decisores. Isso poderá melhorar o atendimento e mobilizar recursos para pacientes de alto risco”, disse o investigador.

Kristina Sparreljung é secretária-geral da Fundação Sueca Heart-Lung, referiu: “Esperamos que estes resultados ajudem a permitir que mais vidas sejam salvas. Este estudo é um resultado direto do subsídio de emergência fornecido pela Heart-Lung Foundation para investigação sobre a COVID-19 relacionadas com doenças cardiopulmonares na primavera de 2020”.

A taxa de sobrevivência para paragem cardíaca tem aumentado sucessivamente nos últimos anos, mas a mortalidade continua alta. Sobreviver a uma paragem cardíaca súbita fora do hospital requer, enquanto se aguarda a chegada de uma ambulância, ação imediata na forma de ressuscitação cardiopulmonar e uso de um desfibrilador externo automático.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!