Baricitinibe com Remdesivir mostra eficácia no tratamento da COVID-19

Tratamento com o anti-inflamatório, baricitinibe, e o antiviral, remdesivir, mostra ser benéfico no tratamento de doentes hospitalizados com COVID-19.

0
Baricitinibe com Remdesivir mostra eficácia no tratamento da COVID-19
Baricitinibe com Remdesivir mostra eficácia no tratamento da COVID-19 - Esta micrografia eletrónica de transmissão colorida mostra uma partícula do vírus SARS-CoV-2, isolada de um paciente. Foto: NIAID

Um tratamento que combina baricitinibe, um anti-inflamatório, e remdesivir, um antiviral, reduziu o tempo de recuperação para pessoas hospitalizadas com COVID-19, indicam os resultados de ensaios clínicos publicados no New England Journal of Medicine.

O estudo apoiado pelo Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infeciosas, do National Institutes of Health, dos EUA, faz parte da avaliação terapêutica para pessoas hospitalizadas com COVID-19.

O Remdesivir é um tratamento antiviral de amplo espectro desenvolvido pela Gilead Sciences, e o baricitinibe foi descoberto pela Incyte e licenciado para a Eli Lilly and Company, e comercializado sob a marca Olumiant. É aprovado em mais de 70 países como tratamento para adultos com artrite reumatoide ativa moderada a grave. Os pesquisadores levantaram a hipótese de que, como muitos sintomas graves de COVID-19 são causados ​​por uma resposta inflamatória mal regulada, um tratamento terapêutico destinado a combater a inflamação pode ser útil para os pacientes. Os resultados primários deste estudo foram anunciados pela primeira vez em setembro.

No estudo, a combinação de baricitinibe e remdesivir reduziu o tempo médio de recuperação em pacientes com COVID-19 hospitalizados de oito dias para sete dias. Os pacientes que necessitaram de oxigénio de alto fluxo ou ventilação não invasiva durante sua hospitalização pareceram ter tido o maior benefício: o tempo médio de recuperação foi reduzido de 18 dias para dez dias. Além disso, as condições dos participantes no dia 15 do estudo (conforme medido por uma escala ordinal de oito categorias que classificou a gravidade da condição) melhoraram significativamente quando eles receberam as duas terapêuticas combinadas. Os destinatários dos dois tratamentos também tiveram um pouco menos de efeitos adversos graves.

Os investigadores alertam que comparar este regime de tratamento COVID-19 com aqueles com outras terapêuticas, como a dexametasona, é difícil sem estudos de comparação adicionais. Esses resultados parecem mostrar que o baricitinibe mais remdesivir pode beneficiar alguns pacientes com COVID-19 e a combinação merece mais estudos clínicos, de acordo com os investigadores.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!