Cancro colorretal: foi identificado novo alvo terapêutico

Investigadores identificaram uma proteína que leva ao crescimento do cancro colorretal. Uma terapia que iniba a proteína pode ser a cura dos pacientes com cancro causado por mutações no gene APC, que é responsável por 80% dos cancros.

0
Cancro colorretal: foi identificado novo alvo terapêutico
Cancro colorretal: foi identificado novo alvo terapêutico. Foto: DR

Investigadores da Universidade de Toronto identificaram uma proteína que suporta o crescimento de muitos cancros colorretais. O estudo publicado ontem, 27 de dezembro, no Journal of Cell Biology, revela que a proteína Importin-11 transporta a proteína βcatenina causadora do cancro para o núcleo das células cancerígenas do cólon, onde pode conduzir a proliferação celular. A inibição dessa etapa de transporte pode bloquear o crescimento da maioria dos cancros colorretais causados ​​por níveis elevados de βcatenina.

Cerca de 80% dos cancros colorretais estão associados a mutações no gene APC que resultam em níveis elevados da proteína βcatenina. O aumento da βcatenina leva a um acumular da proteína no núcleo celular, onde pode ativar numerosos genes que estimulam a proliferação celular e promovem o crescimento e a manutenção dos tumores colorretais.

Os cientistas sabem pouco sobre o processo que leva a que a βcatenina entre no núcleo celular depois que seus níveis aumentarem. Stephane Angers, professora do Departamento de Ciências Farmacêuticas da Universidade de Toronto, referiu: “Como os mecanismos moleculares subjacentes ao transporte nuclear de βcatenina permanecem incertos, decidimos identificar os genes necessários para a atividade contínua da βcatenina em células cancerígenas colorretais portadoras de mutações APC “.

Os investigadores usaram tecnologia de edição de ADN e desenvolveram uma nova técnica que lhes permitiu rastrear o genoma humano em busca de genes que apoiem a atividade da βcatenina em células cancerígenas colorretais, depois que seus níveis serem elevados por mutações na APC. Um dos principais genes identificado foi o IPO11, que codifica a proteína Importin-11, conhecida por estar envolvida na importação nuclear.

Uma terapia que iniba a proteína reduz o cancro colorretal

Os investigadores descobriram que a Importin-11 liga-se à βcatenina e leva-a para o núcleo das células cancerígenas colorretais com mutações do APC. A remoção da Importin-11 dessas células impediu a βcatenina de entrar no núcleo e ativar os genes-alvo. O estudo permitiu descobrir que os níveis de Importina-11 são frequentemente elevados nos cancros colorretais humanos. Os investigadores verificaram que a remoção de Importin-11 inibiu o crescimento de tumores formados por células cancerígenas mutantes da APC, isoladas de pacientes.

“Concluímos que a Importin-11 é necessária para o crescimento de células cancerígenas colorretais”, referiu Stephane Angers. Agora é importante aprender mais sobre como a Importin-11 transporta a βcatenina para o núcleo de forma ao desenvolvimento de novas terapias que bloqueiem esse processo e reduzam o crescimento de cancro colorretal causado por mutações no APC.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!