Cancro do pâncreas: nova terapia aumenta três vezes o tempo de sobrevivência

Investigação mostrou que o tratamento de cancro do pâncreas com o fármaco PTC596 em combinação com o fármaco gemcitabina levou a um tempo de sobrevivência três vezes superior ao do tratamento padrão.

0
Trabalho em laboratório
Trabalho em laboratório (imagem de arquivo). Foto: DR

Ao contrário de muitos outros tipos de cancro, a maioria dos tumores pancreáticos é muito dura. “Essa é uma das razões que torna o cancro do pâncreas um dos mais letais”, referiu Kenneth Olive, da Columbia University Vagelos College of Physicians and Surgeons e investigador em cancro pancreático no Herbert Irving Comprehensive Cancer Center.

“Os tumores pancreáticos recrutam uma camada espessa de tecido conjuntivo chamado estroma que endurece o tumor e age como um escudo”, referiu Kenneth Olive. A anterior investigação descobriu pela primeira vez como o estroma dificulta que os fármacos quimioterápicos a atingir as células malignas. “Como resultado, a maioria dos fármacos quimioterápicos não pode elevar-se aos níveis necessários para serem eficazes”.

Para o investigador, isso sugere, paradoxalmente, que um fármaco de vida mais longa – mas menos tóxico – pode funcionar melhor.

“Para que um medicamento contra o cancro do pâncreas seja eficaz, necessita de permanecer durante o tempo suficiente para passar pelo estroma e acumular-se no tumor. Mas se o fármaco permanece durante muito tempo no sangue, não pode ser demasiado tóxico para o resto do corpo”, explicou o investigador.

Nova combinação de fármacos

Kenneth Olive, na mais recente investigação, pode ter identificado um bom candidato. O fármaco PTC596, um composto experimental que mostrou atividade antitumoral em células de cancro do pâncreas humano e de rato, parece ter as qualidades certas.

O PTC596 tem uma meia-vida durável, sendo que a maioria dos medicamentos contra cancro tem uma meia-vida de alguns minutos a horas, e pode escapar de uma bomba que muitas células cancerosas usam para expelir fármacos. “Isso significa que qualquer quantidade de fármaco que ultrapasse a barreira pode atingir as células malignas”, referiu Kenneth Olive.

Com base nos estudos, Kenneth Olive, Eberle-Singh e os seus colaboradores testaram o PTC596 em combinação com gemcitabina, um medicamento de primeira linha para cancro do pâncreas em ratos geneticamente modificados, com uma forma agressiva de cancro do pâncreas, que geralmente é resistente à quimioterapia.

Os ratos que foram tratados com a combinação dos dois fármacos viveram três vezes mais do que os ratos tratados com apenas um único agente padrão. “Este resultado foi emocionante porque é extremamente raro que qualquer tratamento estenda a sobrevivência neste modelo de rato”, referiu o investigador.

Os investigadores também testaram o fármaco PTC596 em combinação com a gemcitabina e outro fármaco frequentemente usado no tratamento do cancro do pâncreas, o nab-paclitaxel, usando tumores pancreáticos humanos cultivados em ratos. Esta combinação aumentou ainda mais a eficácia, fazendo com que os tumores encolhessem completamente.

“Com base no perfil de segurança do medicamento e nas nossas próprias descobertas, há uma boa razão para testar o PTC596 em combinação com a terapia padrão em pacientes com cancro do pâncreas”, referiu Kenneth Olive.

Quebra de Microtúbulos

A equipa de Kenneth Olive também descobriu que o PTC596 bloqueia a formação de microtúbulos – uma rede de proteínas envolvidas na divisão celular e transporte de nutrientes dentro da célula. Ele demonstrou que o PTC596 pode atuar sinergicamente com nab-paclitaxel, outro agente de ligação a microtúbulos.

“A combinação de diferentes inibidores de microtúbulos tem o potencial de desempenhar um papel importante no futuro da oncologia, pois há muitos agentes que causam impacto nos microtúbulos de diferentes maneiras que podem produzir sinergia”, concluiu Kenneth Olive.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!