Cancro infantil agressivo combatido com medicamento anti-inflamatório

Estratégia baseada em medicamento anti-inflamatório mostra que para além de reduzir a enzima produtora de prostaglandina E2 mPGES-1 no estroma do tumor de neuroblastoma, também reduz o crescimento do tumor.

0
Cancro infantil agressivo combatido com medicamento anti-inflamatório
Cancro infantil agressivo combatido com medicamento anti-inflamatório. Per Kogner, investigador do Instituto Karolinska. Foto: Ulf Sirborn

Investigadores do Instituto Karolinska e do Hospital Universitário Karolinska, na Suécia, descobriram que um candidato a medicamento anti-inflamatório inibe, em modelos experimentais de neuroblastoma, a enzima produtora de prostaglandina E2 mPGES-1 no estroma do tumor, e reduz o crescimento do tumor. Os resultados já publicados na revista ‘EBioMedicine’ abrem caminho a novas estratégias de tratamento para este agressivo cancro infantil.

“O neuroblastoma de alto risco é o cancro mais comum e mortal em crianças. São necessárias novas terapias, em especial as que melhorem e aumentem o tempo de vida, sem adicionar efeitos colaterais adversos ”, referiu Per Kogner, do Departamento de Saúde da Mulher e da Criança do Instituto Karolinska, que liderou o estudo em conjunto com Per-Johan Jakobsson do Departamento de Medicina, também do Instituto Karolinska.

O neuroblastoma é um tumor agressivo de células nervosas que é diagnosticado em crianças, frequentemente antes dos dois anos de idade. O tumor é classificado em diferentes níveis de risco: baixo risco, risco intermediário e alto risco.

As crianças com neuroblastoma de alto risco recebem tratamento multimodal intensivo que permite aumentar o tempo de vida ao longo dos anos, mas os sobreviventes têm alto risco de recaída, com risco de vida e graves efeitos colaterais ao longo da vida. A segmentação do compartimento estromal tem sido sugerida como uma nova estratégia para aumentar ainda mais o tempo de vida e aumentar a qualidade de vida das crianças que sobrevivem à doença.

Anna Kock, do Departamento de Saúde da Mulher e da Criança e primeira autora do estudo, referiu: “Descobrimos que o tipo de célula dominante no estroma do tumor, os fibroblastos associados ao cancro benigno, são os principais produtores de prostaglandina E2 no neuroblastoma”, e acrescentou: “Estas células normais suportam o crescimento de células cancerosas e por isso devem ser um alvo, pois são mais geneticamente estáveis ​​do que as células malignas e, portanto, menos propensas a desenvolver resistência”.

Para Karin Larsson, do Departamento de Medicina, Solna, que trabalha no projeto há vários anos, “a prostaglandina E2 não medeia apenas a febre e a dor, mas também impulsiona a inflamação nos tumores, promovendo o crescimento do tumor. A inibição da enzima mPGES-1, que catalisa a produção de prostaglandina E2, resultou na redução do crescimento tumoral em modelos experimentais de neuroblastoma.”

Os investigadores indicam que a descoberta, agora divulgada, pode levar a uma melhoria no tempo de vida e uma vida com menos efeitos colaterais em crianças com neuroblastoma.

”A mPGES-1 é um alvo emergente para o tratamento da inflamação e da dor com propriedades cardioprotetoras. Os anti-inflamatórios não-esteroides (AINEs), que resultam em níveis reduzidos de prostaglandinas, têm sido implicados como profilaxia contra certos tipos de cancro. Neste estudo é apontado o mPGES-1 no neuroblastoma, pelo que começam a ser entendidos os mecanismos que estão por detrás do crescimento do cancro”, referiu Per-Johan Jakobsson.

O estudo de investigação foi financiado pela Swedish Childhood Cancer Foundation, a Swedish Cancer Society, o Swedish Research Council, o Cancer Research Funds da Radiumhemmet, a Swedish Foundation for Strategic Research, a Swedish Rheumatism Association e subvenções do sétimo programa-quadro da União Europeia.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!