Cientistas alertam para novas variantes do coronavírus da COVID-19

Grupo de cientistas pede aos Governos medidas de controlo coordenadas e seguidas para reduzir a evolução e a disseminação de novas variantes do coronavírus. A vacinação pode não ser suficiente para travar a COVID-19.

0
Cientistas alertam para novas variantes do coronavírus da COVID-19
Cientistas alertam para novas variantes do coronavírus da COVID-19

Especialistas em evolução, virologia, doenças infeciosas e genómica da University of East Anglia e do Earlham Institute, na Inglaterra, e da University of Minnesota, nos EUA, alertam que, enquanto os Governos tentam um “equilíbrio precário” entre salvar a economia e prevenir as mortes pela COVID-19, uma ação mais forte, no atual momento, é a melhor maneira de mitigar os resultados mais sérios das novas variantes mais virulentas do coronavírus da COVID-19.

Novas estirpes desafiam vacinas

Enquanto a administração da vacina COVID-19 está em curso, e em algumas regiões de forma muito lenta, há uma ameaça à eficácia da vacina que pode vir de estirpes emergentes, como as variantes do Reino Unido, África do Sul e Brasil, e de outras que ainda não se conhecem ou das que virão no futuro.

Num artigo publicado na revista Virulence, os cientistas Cock van Oosterhout, Neil Hall, Hinh Ly e Kevin Tyler, escrevem: “Continuar os esforços de saúde pública para incentivar a vacinação, bem como o uso contínuo de equipamento de proteção individual adequado, como o uso de mascara adequada e a manutenção de interações sociais seguras, são de extrema importância”.

Medidas duras e agora!

“A humanidade depara-se com uma nova realidade. Quanto mais rápido nos adaptarmos, melhores serão as nossas perspetivas de longo prazo. Precisamos deter agora a evolução e disseminação das estirpes do vírus mais virulentas. Apoiamos, portanto, políticas públicas de saúde com medidas de controlo rigorosas para proteger o nosso sistema de saúde pública, nosso bem-estar individual e o nosso futuro”, referem os autores do artigo.

Os investigadores têm vindo a analisar a evolução do que vem acontecendo, e consideram que o melhor tempo para responder à pandemia é agora, e destacam que o lançamento de pacotes de estímulo económico e atividades relacionadas em muitos países parece ter alimentado a taxa de transmissão de pessoa para pessoa.

Estirpes mais virulentas

Como resultado, referem que no início do inverno o número da população do vírus continuou a partir de uma base muito mais alta do que seria o caso, acrescentando: “Ao não minimizar de forma absoluta o R (índice de transmissibilidade) quando tínhamos a possibilidade, estendemos as cadeias de transmissão de patógenos, proporcionando mais oportunidades para o vírus poder sofrer mutações e uma evolução para variantes mais virulentas.”

Os investigadores destacam que um aumento da virulência também pode resultar da evolução do vírus na capacidade de infetar pessoas durante mais tempo. Assim, alertam que a evolução contínua do vírus em hospedeiros animais, como gatos e martas, seguida pela transmissão para hospedeiros humanos, representa um risco significativo a longo prazo para a saúde pública, sugerindo que a vacinação de certos animais domesticados pode ser importante para interromper ainda mais a evolução de vírus e eventos de “spillback”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!