Cientistas descobriram como matar cancro do fígado

Investigadores de duas universidades descobriram um processo, em duas etapas, para matar as células cancerígenas. O estudo mostra que retirando hexoquinase-2 das células e usando o medicamento metformina as células cancerígenas morrem.

0
Maciek R. Antoniewicz (à esquerda) e Christopher P. Long autores do estudo sobre o cancro do fígado
Maciek R. Antoniewicz (à esquerda) e Christopher P. Long autores do estudo sobre o cancro do fígado. Foto: Universidade de Delaware/ Julie Stewart

Cientistas da Universidade de Delaware e da Universidade de Illinois, em Chicago encontraram uma nova maneira de matar as células de cancro do fígado e inibir o crescimento tumoral. Primeiro silenciam uma enzima celular chave, e então adicionam um fármaco potente.

No estudo, já publicado na revista científica Nature Communications, os investigadores indicam que a investigação realizada pode vir a acelerar o desenvolvimento de novos tratamentos contra o cancro do fígado, que atualmente é difícil de curar.

Os investigadores esclareceram que muitas vezes a cirurgia não é opção para o cancro do fígado, e os medicamentos disponíveis são apenas modestamente eficazes. Mais de 82% dos pacientes com cancro do fígado morrem dentro de cinco anos após o diagnóstico, de acordo com os Institutos Nacionais de Saúde dos EUA.

Manipulando células para matar o cancro

A investigação teve início nos laboratórios na Universidade de Illinois, em Chicago, onde investigadores desenvolveram células de cancro do fígado e manipularam a expressão de uma enzima chamada hexoquinase-2. Então, as células foram tratadas com metformina, um medicamento para diabetes que diminui a produção de glicose no fígado.

Uma equipa de investigadores, liderada por Maciek R. Antoniewicz, da Universidade de Delaware, criou um conjunto de experiências para medir como as células cancerígenas respondem à perda de hexoquinase-2, uma enzima que ajuda as células a metabolizar a glicose, que é fonte de alimento das células cancerígenas.

Maciek R. Antoniewicz é um especialista em análise de fluxo metabólico, uma técnica para estudar o metabolismo em sistemas biológicos. A equipa de investigação é um das poucas equipas no mundo com experiência numa técnica análise de fluxo metabólico 13C de células cancerígenas. A equipa publicou recentemente a descrição do método na Experimental & Molecular Medicine.

Os investigadores da Universidade de Delaware usaram espectrometria de massa para analisar as células cancerígenas para depois determinar os fluxos metabólicos intracelulares para as células com e sem hexoquinase-2.

A equipa da Universidade de Delaware suspeitavam que as células privadas de hexoquinase-2 morreriam de fome, mas surpreendentemente, descobriram que a exclusão de hexocinase-2 por si, só tinha apenas um impacto marginal no crescimento de células cancerígenas. E era necessário o fármaco metformina, para levar as células cancerígenas à morte.

Maciek R. Antoniewicz referiu: “Mostramos que a segmentação da hexoquinase-2 pode, de fato, ser uma estratégia bem-sucedida para a terapia do cancro, quando é colocado o segundo mecanismo compensatório com o fármaco metformina.”

A equipa de investigadores da Universidade de Illinois em Chicago testou uma combinação de depleção de hexoquinase-2 com sorafenib, um medicamento para o cancro do fígado, em tumores de cancro do fígado em ratos domésticos. Esta combinação funcionou melhor do que qualquer tratamento sozinho.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!