Cientistas indicam haver relação entre açúcar e cancro

Estudo científico mostra que existe uma correlação positiva entre açúcar e cancro. O açúcar estimula o crescimento tumoral. A descoberta deve ser tida em conta em dietas para pacientes com cancro.

0
Trabalho de laboratório
Trabalho de laboratório. Foto: Rosa Pinto/arquivo

Investigadores do VIB, instituto de investigação de ciências da vida, na Flandres, Bélgica, em conjunto com a KU Leuven e a Vrije Universiteit Brussel (VUB), desenvolveram durante nove anos um estudo que conduziu a um avanço crucial na investigação em cancro.

Os cientistas clarificaram como o efeito Warburg, um fenômeno em que as células cancerígenas quebram rapidamente os açúcares, estimula o crescimento tumoral. Esta descoberta fornece evidências de uma correlação positiva entre açúcar e cancro. A descoberta pode ter impactos de longo alcance em dietas feitas sob medida para pacientes com cancro.

A investigação agora publicada na revista ‘Nature Communications’ teve início em 2008, liderada por Johan Thevelein (VIB-KU Leuven), Wim Versées (VIB-VUB) e Veerle Janssens (KU Leuven). Os investigadores focaram-se no efeito de Warburg, ou seja na observação de que os tumores convertem significativamente maiores quantidades de açúcar em lactato em comparação com os tecidos saudáveis.

Como esta conversão de açúcar é um dos aspetos mais proeminentes das células cancerígenas, o fenómeno tem sido amplamente estudado e até usado para, entre outras aplicações, detetar tumores cerebrais. Mas até agora, não está esclarecido se o efeito é apenas um sintoma de cancro, ou uma causa de cancro.

O açúcar desperta as células cancerígenas

Enquanto investigações anteriores se focavam sobre o metabolismo das células cancerígenas no mapeamento de peculiaridades metabólicas, este novo estudo esclarece a ligação entre o desvio metabólico e potência oncogénica em células cancerígenas.

Johan Thevelein esclareceu: “Nossa investigação revela como o consumo hiperativo de açúcar pelas células cancerígenas leva a um ciclo vicioso de estimulação contínua do desenvolvimento e crescimento do cancro. Assim, pode ser explicada a correlação entre a força do efeito de Warburg e a agressividade do tumor”, e o investigador acrescentou: “Esta ligação entre o açúcar e o cancro tem consequências radicais.”

Para o investigador os resultados do estudo “fornecem uma base para futuras investigações neste domínio, que agora podem ser realizadas com um foco muito mais preciso e relevante.”

Levedura é um vantajoso organismo modelo

A investigação de células de levedura foi essencial para a descoberta, uma vez que estas células contêm as mesmas proteínas ‘Ras’ frequentemente encontradas em células tumorais, o que podem causar cancro de forma mutada. Usando leveduras como organismo modelo, a equipa de investigação examinou a conexão entre a atividade de ‘Ras’ e o metabolismo de açúcar altamente ativo na levedura.

Johan Thevelein referiu: “Observamos em leveduras que a degradação do açúcar está ligada através do intermediário frutose-1,6-bisfosfato com a ativação das proteínas ‘Ras’, que estimulam a multiplicação de células de levedura e de células do cancro. É impressionante que este mecanismo tenha sido conservado durante a longa evolução das células de levedura para humanos.”

O investigador acrescentou: “A principal vantagem de usar levedura foi que a investigação não foi afetada pelos mecanismos regulatórios adicionais de células de mamíferos, que escondem processos subjacentes cruciais. Consequentemente fomos alvo deste processo em células de levedura e confirmamos a sua presença em células de mamíferos. No entanto, as descobertas não são suficientes para identificar a principal causa do efeito de Warburg, são necessárias mais investigações para descobrir se esta causa primária também se conserva em células de levedura”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!