Comissão Europeia conclui negociações com Moderna para vacinas COVID-19

Vacina contra a COVID-19 em desenvolvimento pela Moderna, EUA, pode vir a ser administrada na União Europeia, com um acordo de compra inicial previsto de 80 milhões de doses. Trata-se da quinta vacina que a Comissão Europeia já garantiu.

0
Comissão Europeia conclui negociações com Moderna para vacinas COVID-19
Comissão Europeia conclui negociações com Moderna para vacinas COVID-19

A Comissão Europeia concluiu as negociações exploratórias com a farmacêutica Moderna com o objetivo de poder vir a adquirir uma potencial vacina contra a COVID-19. A Moderna é a quinta farmacêutica com a qual a Comissão concluiu negociações, depois de o fazer com a Sanofi-GSK em 31 de julho, com a Johnson & Johnson em 13 de agosto, com a AstraZeneca em 14 de agosto e com a CureVac em 18 de agosto.

O contrato previsto com a Moderna, uma empresa sediada nos EUA, define a possibilidade de todos os Estados-Membros da UE adquirirem a vacina a esta farmacêutica, bem como fazer doações aos países de baixo e médio rendimento ou de a redirecionar para países europeus.

Prevê-se que a Comissão disponha de um quadro contratual para a compra inicial de 80 milhões de doses em nome de todos os Estados-Membros da UE, bem como de uma opção de compra de mais 80 milhões de doses, a serem entregues uma vez comprovada a segurança e a eficácia da vacina contra a COVID-19.

Após a conclusão das conversações com a quinta empresa que tem em desenvolvimento uma vacina candidata contra a COVID, Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, afirmou: “Investimos em empresas que utilizam diferentes tecnologias, a fim de aumentar as nossas hipóteses de dispor de vacinas seguras e eficazes”.

A presidente da Comissão acrescentou: “Prosseguimos as negociações com outras empresas, uma vez que pretendemos garantir que as vacinas estejam rapidamente disponíveis no mercado. Os investimentos europeus em vacinas contra o coronavírus beneficiarão o mundo inteiro e ajudar-nos-ão a vencer este vírus.”

Para Stella Kyriakides, Comissária responsável pela Saúde e Segurança dos Alimentos, o resultado alcançado “com a Moderna demonstra que estamos a cumprir o nosso compromisso de obter o acesso a uma vacina segura e eficaz. Constato com grande satisfação que continuamos a cumprir o nosso objetivo de dispor de uma carteira diversificada de vacinas — uma necessidade para assegurar o êxito e proteger os nossos cidadãos contra o coronavírus”.

A Moderna é uma empresa sediada nos Estados Unidos pioneira no desenvolvimento de uma nova classe de vacinas com base no ARN mensageiro (mRNA). O mRNA desempenha um papel fundamental na biologia humana, transmitindo as instruções para as células do organismo produzirem proteínas, nomeadamente as proteínas que poderão prevenir ou combater as doenças.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!