Como cuidar de idosos durante a pandemia de COVID-19

No atual momento de pandemia de COVID-19 a maior ameaça para as pessoas idosas são os mais jovens, pois podem, sem saber, transportar o novo coronavírus. Os lares devem usar ferramentas como chamadas de videoconferência.

0
Como cuidar de idosos durante a pandemia de COVID-19
Como cuidar de idosos durante a pandemia de COVID-19. Foto: Texas State University

No atual momento em que ocorre a pandemia de COVID-19, consequência da propagação do novo coronavírus, as pessoas mais idosas são uma preocupação para as famílias e para os serviços de saúde devido à sua elevada vulnerabilidade à doença.

Para Christopher Johnson, professor clínico de sociologia da Universidade do Estado do Texas, EUA, “a maior ameaça para as pessoas idosas são agora as pessoas mais jovens. As pessoas mais jovens podem ser portadoras do novo coronavírus para as pessoas mais idosas e com doenças autoimunes”.

O investigador da Universidade do Estado do Texas que estuda sobre demência e envelhecimento mostra preocupação com o risco de propagação dos vírus “porque os jovens que não apresentam nenhum sintoma do vírus são portadores em potencial”, e por isso “o isolamento e a atual ‘histeria’ sobre o vírus também são difíceis para os idosos”.

“Acho que a comunidade de cuidados de longa duração terá que ser criativa”. Quando os lares de idosos fecham as portas para familiares e outros visitantes, estas unidades devem recorrer a ferramentas como chamadas de videoconferência.

Outro problema sério envolve as pessoas que sofrem de demência porque podem não entender com quem estão a falar. O investigador explicou que a doença de Alzheimer pode ser como uma viagem no tempo – porque alguns pacientes podem estar a viver mais no passado do que nos dias atuais.

Como cuidar de idosos durante a pandemia de COVID-19?
Christopher Johnson. Foto: Texas State University

Christopher Johnson que é coautor com a esposa, Roxanna H. Johnson, de um artigo intitulado “Doença de Alzheimer, uma viagem no tempo”, publicado em 2000 no American Journal of Alzheimer’s Disease, e atualizado em 2018 referiu que “compreender a viagem no tempo é uma educação massiva para as famílias. Elas não sabem como se comunicar com familiares que têm deficiências cognitivas”.

O investigador alerta para a questão de “reconhecimento adequado”. É quando surgem elementos da família que assumem posturas como: “Se eles não me reconhecem, por que devo visitá-lo?”

Enquanto Christopher Johnson enfatizou a importância de limitar o contato físico próximo para retardar a propagação do coronavírus, sugeriu um retorno à palavra escrita. As famílias podem escrever cartas, compartilhar fotos antigas ou enviar presentes como as comidas ou músicas favoritas de seus entes queridos.

Embora a saúde e a segurança dessa população vulnerável sejam de suma importância, Christopher Johnson também sugere que as pessoas dediquem esse tempo a conversar com seus familiares mais velhos que têm conhecimento para compartilhar.

“Cabe aos jovens ouvir essas lições de vida”, referiu o investigador. Relembrar, que utiliza a memória de longo prazo, faz com que conversem sobre os velhos tempos. Isso é útil e normal durante esse período. Perguntar como foi durante a epidemia de poliomielite durante as décadas de 1940 e 1950, como era o racionamento durante a Segunda Guerra Mundial, ou falar sobre outras revoltas sociais nos últimos 50 anos” sugeriu o professor da Universidade do Estado do Texas, e conclui: “Eles têm histórias interessantes para contar”, e conselhos práticos para compartilhar. “Há tantas coisas que eles nos podem ensinar.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!