Como um fungo pode parar o sistema imunológico

Uma equipa de investigadores da Universidade de Jena, na Alemanha, esclareceu o mecanismo da gliotoxina, uma micotoxina do fungo Aspergillus fumigatus. O fungo derruba as defesas imunológicas e leva uma infeção fúngica potencialmente fatal.

0
Como um fungo pode parar o sistema imunológico
Como um fungo pode parar o sistema imunológico. Foto: Jan-Peter Kasper/Universidade de Jena

O fungo Aspergillus fumigatus está presente no ar e habita a mucosa das vias respiratórias de animais, ou seja, está em toda a parte – e é extremamente perigoso para as pessoas com um sistema imunológico enfraquecido.

As pessoas saudáveis, em geral, não têm problemas se os esporos, os fungos, entrarem no corpo, pois o sistema de defesa imunológica colocará os esporos fora de ação. No entanto, o fungo pode ameaçar a vida de pessoas com um sistema imunológico comprometido, como pacientes com VIH-SIDA ou pessoas com um sistema imunológico fraco após um transplante de órgão.

Uma equipa internacional de investigadores, liderada por Oliver Werz, da Universidade Friedrich Schiller, em Jena, descobriu agora como o fungo derruba as defesas imunológicas, permitindo que uma infeção fúngica potencialmente fatal se desenvolva. Os investigadores publicaram as descobertas na revista científica Cell Chemical Biology.

Entre outros fatores, é a gliotoxina, uma potente micotoxina que é responsável pela patogenicidade do Aspergillus fumigatus. “Era conhecido”, referiu Oliver Werz, “que esta substância tem um efeito imunossupressor, o que significa que enfraquece a atividade das células do sistema de defesa imunológica”, mas não era claro como isso acontecia. Oliver Werz e seus colegas de equipa estudaram isso em detalhes e esclareceram os mecanismos moleculares subjacentes.

As células imunes comunicam umas com as outras

Para conseguir esclarecer a atuação dos fungos, os investigadores colocaram células imunes em contato com a gliotoxina produzida sinteticamente. As células, chamadas granulócitos neutrofílicos, representam a primeira linha do sistema de defesa imunológica. “A tarefa é detetar patógenos e eliminá-los”, explicou Oliver Werz.

Quando a célula entra em contato com um patógeno, como o fungo, liberta substâncias mensageiras específicas, os leucotrienos, no sangue, que atraem outras células do sistema imunológico. Uma vez que um número suficientemente grande de células imunológicas se acumula, elas podem tornar o intruso fungo inofensivo.

Micotoxina desativa a enzima

Os cientistas de Jena mostraram que a gliotoxina assegura que a produção da substância mensageira leucotrieno B4 nos granulócitos neutrofílicos é inibida, pelo que ficam incapazes de enviar um sinal para outras células do sistema imunológico. Isso acontece devido a uma enzima específica, a hidrolase LTA4, que é desativada pela micotoxina.

“Isso interrompe a comunicação entre as células do sistema imunológico e destrói o mecanismo de defesa. Como resultado, é fácil para os esporos – neste caso, o fungo – que entram no organismo para se infiltrar nos tecidos ou órgãos ”, referiu Oliver Werz.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!