Consumo de carne vermelha aumenta risco de cancro colorretal

Carne vermelha provoca danos ao ADN ou mutações genéticas causadoras do cancro colorretal. Estudo conclui que o consumo de carne vermelha ou de carne processada aumenta a mortalidade por cancro colorretal.

0
Carne vermelha provoca danos ao ADN ou mutações genéticas causadoras do cancro colorretal. Estudo conclui que o consumo de carne vermelha ou de carne processada aumenta a mortalidade por cancro colorretal.
Carne vermelha provoca danos ao ADN ou mutações genéticas causadoras do cancro colorretal. Estudo conclui que o consumo de carne vermelha ou de carne processada aumenta a mortalidade por cancro colorretal.

As mutações genéticas indicativas de danos ao ADN foram associadas ao alto consumo de carne vermelha e ao aumento da mortalidade relacionada ao cancro, em pacientes com cancro colorretal. O estudo foi publicado na revista Cancer Discovery, da American Association for Cancer Research.

“Nós sabemos há algum tempo que o consumo de carne processada e de carne vermelha é um fator de risco para cancro colorretal”, disse Marios Giannakis, da Harvard Medical School e médico no Dana-Farber Cancer Institute. Como indica a Agência Internacional de investigação sobre o Cancro, em 2015, a carne processada é cancerígena e a carne vermelha é provavelmente cancerígena para humanos.

Experiências em modelos pré-clínicos sugeriram que o consumo de carne vermelha pode promover a formação de compostos cancerígenos no cólon, mas uma ligação molecular direta ao desenvolvimento do cancro colorretal em pacientes não foi demonstrada, explicou Marios Giannakis.

“O que está a faltar é uma demonstração de que o cancro colorretal em pacientes tem um padrão específico de mutações que pode ser atribuído à carne vermelha”, referiu Marios Giannakis, e acrescentou: “Identificar essas mudanças moleculares nas células do cólon que podem causar o cancro não só apoiaria o papel da carne vermelha no desenvolvimento do cancro colorretal, como forneceria novos caminhos para a prevenção e tratamento do cancro.”

Como o estudo foi conduzido para identificar alterações genéticas associadas à ingestão de carne vermelha, Marios Giannakis e outros investigadores sequenciaram o ADN de tecidos tumorais normais e colorretais correspondentes de 900 pacientes com cancro colorretal que tinham participado de um dos três estudos de coorte prospetivos nos EUA, ou seja, o Nurses ‘ Health Studies e o Health Professionals Follow-Up Study. Todos os pacientes haviam fornecido informações sobre suas dietas, estilos de vida e outros fatores ao longo de vários anos, antes do diagnóstico de câncer colorretal.

O resultado da análise dos dados de sequenciamento de ADN revelou a presença de várias assinaturas mutacionais no tecido do cólon normal e canceroso, incluindo uma assinatura indicativa de alquilação, uma forma de dano ao ADN. A assinatura alquilante foi significativamente associada com a ingestão pré-diagnóstico de carne vermelha processada ou não processada, mas não com a ingestão pré-diagnóstico de aves ou peixes ou com outros fatores de estilo de vida. O consumo de carne vermelha não foi associado a nenhuma das outras assinaturas mutacionais identificadas neste estudo. Em linha com estudos anteriores ligando o consumo de carne vermelha com a incidência de cancro no cólon distal, Marios Giannakis e colegas descobriram que o tecido normal e canceroso do cólon distal tinha danos alquilantes significativamente maiores do que o tecido do cólon proximal.

Usando um modelo preditivo, os investigadores identificaram os genes KRAS e PIK3CA como alvos potenciais de mutação induzida por alquilação. Consistente com essa previsão, eles descobriram que os tumores colorretais com mutações driver KRAS G12D, KRAS G13D ou PIK3CA E545K, que são comumente observadas no cancro colorretal, tiveram maior enriquecimento da assinatura alquilante em comparação com tumores sem essas mutações. A assinatura alquilante também foi associada à sobrevivência do paciente. Os pacientes com tumores com níveis mais altos de danos alquilantes tinham um risco 47% maior de morte específica por cancro colorretal em comparação com pacientes com níveis mais baixos de danos.

“O nosso estudo identificou pela primeira vez uma assinatura mutacional alquilante nas células do cólon e vinculou-a ao consumo de carne vermelha e às mutações causadoras do cancro”, disse Marios Giannakis. “Essas descobertas sugerem que o consumo de carne vermelha pode causar danos alquilantes que levam a mutações cancerígenas em KRAS e PIK3CA, promovendo assim o desenvolvimento de cancro colorretal. Os nossos dados apoiam ainda mais a ingestão de carne vermelha como um fator de risco para o cancro colorretal e também fornecem oportunidades para prevenir, detetar e tratar esta doença. ”

Marios Giannakis explicou que se os médicos pudessem identificar indivíduos que são geneticamente predispostos a acumular danos alquilantes, esses indivíduos poderiam ser aconselhados a limitar a ingestão de carne vermelha como uma forma de prevenção precisa. Além disso, a assinatura mutacional alquilante pode ser usada como um biomarcador para identificar pacientes com maior risco de desenvolver cancrol colorretal ou para detetar cancro num estágio inicial. Por causa da sua associação com a sobrevida do paciente, a assinatura alquilante também pode ter potencial como um biomarcador prognóstico. No entanto, estudos futuros são necessários para explorar essas possibilidades, observou Marios Giannakis.

Uma limitação do estudo é o viés de seleção potencial dos participantes do estudo, uma vez que as amostras de tecido não puderam ser recuperadas de todos os casos de cancro colorretal incidentes nos estudos de coorte. Os estudos atuais de Marios Giannakis e dos seus colegas investigadores estão a explorar o papel potencial da ingestão de carne vermelha e danos alquilantes em diversos grupos de pacientes.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!