COVID-19: O que diz a Organização Mundial da Saúde sobre mascaras faciais

Mascaras podem ser um complemento ao distanciamento físico no caso da população em geral. As mascaras podem ser benéficas no combate à propagação da COVID-19 mas se mal usadas podem aumentar o risco de infeção. A OMS faz recomendações.

0
COVID-19: O que diz a Organização Mundial da Saúde sobre mascaras faciais
COVID-19: O que diz a Organização Mundial da Saúde sobre mascaras faciais. Foto: © Rosa Pinto

As máscaras médicas devem ser reservadas aos profissionais de saúde, refere a Organização Mundial da Saúde (OMS). O uso de máscaras médicas na comunidade pode criar uma falsa sensação de segurança, com negligência de outras medidas essenciais, como práticas de higiene das mãos e distanciamento físico.

A OMS refere que as mascaras que não sejam bem utilizadas podem não só ser um custo desnecessário como retirar as máscaras dos profissionais de saúde que mais precisam delas, especialmente quando as máscaras são escassas.

No entanto a OMS refere que as pessoas com sintomas devem:

usar uma máscara médica, isolar-se e procurar orientação médica assim que começarem a sentir-se mal. Os sintomas podem incluir febre, fadiga, tosse, dor de garganta e dificuldade em respirar. É importante observar que os sintomas iniciais de algumas pessoas infetadas com COVID-19 podem ser muito leves;

seguir as instruções sobre como colocar, tirar e descartar as máscaras médicas;

seguir todas as medidas preventivas adicionais, em particular a higiene das mãos e a distância física de outras pessoas.

Todas as pessoas devem:

evitar grupos de pessoas e espaços fechados e cheios;

manter distância física de pelo menos 1 metro de outras pessoas, em particular daquelas com sintomas respiratórios (por exemplo, tosse, espirros);

realizar a higiene das mãos com frequência, usando um desinfetante à base de álcool se as mãos não estiverem visivelmente sujas ou com água e sabão quando as mãos estiverem visivelmente sujas;

cobrir o nariz e a boca com o interior do cotovelo dobrado ou com um lenço de papel ao tossir ou espirrar, libertar-se do lenço imediatamente após o uso e realizar a higiene das mãos;

abster-se de tocar na boca, nariz e olhos.

Em alguns países, as máscaras são usadas de acordo com os costumes locais ou de acordo com as orientações das autoridades nacionais no contexto do COVID-19. Nessas situações, as melhores práticas devem ser seguidas sobre como usá-las, removê-las e liberta-las, e para a higiene das mãos após a remoção.

Uso de máscaras por pessoas saudáveis ​​em ambientes comunitários

O amplo uso de máscaras por pessoas saudáveis ​​na comunidade não é suportado pelas evidências atuais, e traz incertezas e riscos críticos. A OMS dá os seguintes conselhos aos responsáveis por tomarem decisões para que apliquem uma abordagem baseada no risco.

Os responsáveis pelas decisões devem considerar o seguinte:

1. Objetivo do uso da máscara: a justificativa e o motivo do uso da máscara devem ser claros – se é para ser usado no controlo de fontes (por pessoas infetadas) ou na prevenção de COVID-19 (por pessoas saudáveis);

2. Risco de exposição ao vírus da COVID-19 no contexto local:

A população: epidemiologia atual sobre a extensão em que o vírus está circular (por exemplo, grupos de casos versus transmissão na comunidade), bem como a capacidade local de vigilância e testes (por exemplo, rastreio e acompanhamento de contactos, capacidade de realizar testes).

O indivíduo: trabalhando em contacto próximo com o público (por exemplo, agente de saúde, caixa de loja);

3. Vulnerabilidade da pessoa / população em desenvolver doença grave ou estar em maior risco de morte, por exemplo pessoas com comorbidades, como doenças cardiovasculares ou diabetes mellitus e pessoas idosas;

4. Cenário em que a população vive em termos de densidade populacional, capacidade de realizar distanciamento físico (por exemplo, num transporte público) e risco de propagação rápida (por exemplo, ambientes fechados, bairros pobres, acampamentos e parques de campismo);

5. Viabilidade: disponibilidade e custos da máscara e tolerabilidade pelos indivíduos;

6. Tipo de máscara: máscara médica versus máscara não médica.

Além destes fatores, a OMS indica que as vantagens potenciais do uso da máscara por pessoas saudáveis ​​na comunidade incluem a redução do risco potencial de exposição da pessoa infetada durante o período “pré-sintomático” e a estigmatização de indivíduos que usam máscara para controlo da fonte de propagação.

No entanto, a OMS alerta que os seguintes riscos potenciais devem ser cuidadosamente considerados em qualquer processo de tomada de decisão:

auto-contaminação que pode ocorrer ao tocar e reutilizar a máscara contaminada;

dependendo do tipo de máscara usada, possíveis dificuldades respiratórias;

falsa sensação de segurança, levando a potencialmente menos adesão a outras medidas preventivas, como distanciamento físico e higiene das mãos;

desvio de suprimentos de máscaras e consequente escassez de máscaras para os profissionais de saúde;

desvio de recursos de medidas efetivas de saúde pública, como higiene das mãos.

Qualquer que seja a abordagem adotada, é importante desenvolver uma forte estratégia de comunicação para explicar à população as circunstâncias, critérios e razões das decisões. A população deve receber instruções claras sobre quais máscaras usar, quando e como, e sobre a importância de continuar a seguir rigorosamente todas as outras medidas de proteção individual, como higiene das mãos, distanciamento físico e outras.

Tipo de máscara a usar

A OMS destaca que é fundamental que as máscaras e respiradores médicos sejam priorizados para os profissionais de saúde.

O uso de máscaras feitas de outros materiais, por exemplo, tecido de algodão, também conhecidas como máscaras não médicas, ainda não foi devidamente avaliado. A OMS lembra que não há atualmente evidências para fazer uma recomendação a favor ou contra seu uso.

No entanto, a OMS está a colaborar com equipas de investigação e desenvolvimento para entender melhor a eficácia e a eficiência das máscaras não médicas. A OMS também está a incentivar fortemente os países que emitem recomendações para o uso de máscaras em pessoas saudáveis da comunidade a realizar investigação sobre esse tópico crítico.

A OMS indica ainda que atualizará suas orientações quando novas evidências estiverem disponíveis.

Entretanto, refere a OMS que os decisores podem avançar com o aconselhamento do uso de máscaras não médicas, e nesse caso, devem ser levados em consideração os seguintes recursos relacionados a máscaras:

Números de camadas de tecido
Respirabilidade do material usado
Repelência à água / qualidades hidrofóbicas
Forma da máscara
Ajuste da máscara

Gestão de máscaras

Para qualquer tipo de máscara, o uso e descarte apropriados são essenciais para garantir sua eficácia e evitar qualquer aumento na transmissão.

As informações a seguir sobre o uso correto de máscaras são derivadas de práticas em ambientes de cuidados de saúde.

Colocar a máscara com cuidado, garantindo que cubra a boca e o nariz, e segura para minimizar os espaços entre o rosto e a máscara.

Evitar tocar na máscara enquanto a estiver a usar.

Remover a máscara usando a técnica apropriada: não tocar na frente da máscara, mas libertando-a por trás, pelas alças ou pegas.

Após a remoção ou sempre que uma máscara usada for tocada inadvertidamente, desinfetar as mãos com gel à base de álcool ou água e sabão se as mãos estiverem visivelmente sujas.

Substituir a máscara assim que ficar húmida por outra nova máscara limpa e seca.

Não reutilizar as máscaras de uso único.

Deitar fora as máscaras de uso único após cada utilização.

Cuidadores ou pessoas que dividem espaço com pessoas suspeitas de COVID-19 ou com sintomas leves devem:

Realizar a higiene das mãos com frequência, usando gel à base de álcool se as mãos não estiverem visivelmente sujas ou com água e sabão quando as mãos estiverem visivelmente sujas;

Manter uma distância de pelo menos 1 metro da pessoa afetada, quando possível;

Usar uma máscara médica quando estiver na mesma sala que a pessoa afetada;

Deitar fora qualquer material contaminado com secreções respiratórias (tecidos descartáveis) imediatamente após o uso e executar a higiene das mãos.

Melhorar o fluxo de ar e a ventilação na sala, abrindo as janelas o máximo possível.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!