Crianças não são imunes ao coronavírus e podem exigir cuidados intensivos

Novo estudo confirma que as crianças não são imunes ao novo coronavírus e que podem sofrer de COVID-19 severa exigindo cuidados intensivos. O estudo mostra que as pessoas infetadas assintomáticas transmitem o vírus.

0
Crianças não são imunes ao coronavírus e podem exigir cuidados intensivos
Crianças não são imunes ao coronavírus e podem exigir cuidados intensivos. Foto: DR

A maioria das crianças infetadas com o novo coronavírus tem apresentado sintomas leves, mas um conjunto menor de crianças exige hospitalização e um ainda mais pequeno número requer cuidados intensivos. A conclusão é de um novo estudo de anestesiologistas pediátricos, especialistas em doenças infeciosas e pediatras do Hospital Infantil de Montefiore (CHAM) e da Faculdade de Medicina Albert Einstein, EUA, que descreve as características clínicas e os resultados de crianças hospitalizadas com a COVID-19.

As conclusões do estudo já foram publicadas no Journal of Pediatrics. O estudo envolveu 46 crianças entre um mês e 21 anos de idade, que foram tratadas numa Unidade de Cuidados Geral ou na Unidade de Cuidados Críticos Pediátricos do Hospital Infantil de Montefiore. O estudo analisou em detalhes todo o espectro da doença COVID-19 em crianças hospitalizadas.

Os investigadores descobriram que as crianças que necessitaram de cuidados intensivos tinham níveis mais altos de inflamação e precisavam de suporte respiratório adicional, em comparação com as que foram tratadas numa Unidade de Cuidados Geral.

Das crianças tratadas na Unidade de Cuidados Críticos Pediátricos, quase 80% apresentavam Síndrome do Desconforto Respiratório Agudo (SDRA), que é mais comumente associada a pacientes COVID-19 adultos, e quase 50% das crianças com SDRA foram colocadas em ventiladores. Em média, as crianças que exigem Cuidados Intensivos permanecem no hospital quatro dias a mais do que as crianças tratadas Unidade de Cuidados Geral.

Os investigadores do Hospital Infantil de Montefiore e Faculdade de Medicina Albert Einstein descobriram que, embora a obesidade e ou asma tenham sido altamente prevalentes nas crianças, essas complicações não aumentaram a probabilidade de uma criança precisar de maiores cuidados clínicos.

“Sabemos que, em adultos, a obesidade é um fator de risco para doenças mais graves, no entanto, surpreendentemente, o nosso estudo constatou que as crianças admitidas na unidade de cuidados intensivos não tinham uma prevalência maior de obesidade do que as da unidade de cuidados geral”, referiu Jerry Y. Chao, anestesiologista pediátrico do Hospital Infantil de Montefiore e professor de anestesia na Faculdade de Medicina Albert Einstein.

Os investigadores também descobriram que mais da metade das crianças não tinha contato conhecido com uma pessoa positiva para a COVID-19. O que pode refletir o fato de que o coronavírus poder ser transmitido por pessoas assintomáticas e ser mais prevalente em comunidades com alta densidade populacional.

“Felizmente, a maioria das crianças com COVID-19 evoluiu bem, e algumas já não apresentam nenhum sintoma, mas esta investigação é um alerta preocupante de que as crianças não são imunes a este vírus e que algumas exigem um nível mais elevado de cuidados médicos”, referiu Shivanand S. Medar, do Hospital Infantil de Montefiore, e professor de pediatria na Faculdade de Medicina Albert Einstein. “Estas descobertas preliminares contribuem para a uma melhor compreensão da COVID-19 em pacientes pediátricos, mas são necessárias mais investigações para determinar como o vírus afeta realmente as crianças”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!