Deixar de fumar com ajuda médica permite maior controlo no aumento de peso

Deixar de fumar é muitas vezes contrariado por aumento de peso. Paula Alves, neste seu artigo, esclarece as causas do aumento de peso e indica que o ex-fumador deve ser acompanhado por equipa multidisciplinar. Dia Mundial da Alimentação assinala-se a 16 de outubro.

0
Deixar de fumar com ajuda médica permite maior controlo no aumento de peso
Deixar de fumar com ajuda médica permite maior controlo no aumento de peso. Paula Alves, nutricionista e Diretora do Serviço de Nutrição e Alimentação do IPO do Porto.

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a pandemia do tabagismo foi responsável pela morte de 100 milhões de pessoas no século XX. Se esta não for controlada, estima-se que poderá matar mil milhões, ao longo do presente século. Fumar é a primeira causa evitável de doença, incapacidade e morte prematura nos países desenvolvidos, estando associada a seis das oito primeiras causas de morte a nível mundial.

A promoção da cessação tabágica é a abordagem que pode permitir a redução do número de mortes por doenças associadas ao tabaco nos próximos anos.

Nas pessoas que querem deixar de fumar o ganho de peso é o principal motivo para não avançarem. Está demonstrado que os ex-fumadores ganham em média 4 a 5 kg após 1 ano. No entanto, note-se que, em média, os fumadores pesam menos 3 a 5 Kg do que os não fumadores. Isso acontece porque a nicotina presente no tabaco provoca um aumento no metabolismo basal em 5 a 10 por cento, promove uma maior oxidação lipídica e acarreta diminuição da ingestão energética. Após a abstinência, e com a ausência da nicotina, há uma queda no metabolismo para os valores normais.

Por outro lado, verifica-se ainda que os ex-fumadores aumentam a ingestão de alimentos, essencialmente de elevada carga energética e baixo valor nutricional, como procura do prazer, em substituição do tabaco. Tanto os alimentos, principalmente os ricos em gordura e açúcares, como a nicotina, levam à libertação de substâncias idênticas com ação no cérebro, tais como a serotonina e a dopamina, que proporcionam uma sensação de prazer e recompensa. Assim, quando se deixa de fumar, os alimentos podem ser usados também como um substituto do ato de fumar.

Recomenda-se assim que deixar de fumar deve ser acompanhado de apoio de uma equipa multidisciplinar, para que possa ser feito um maior controlo de todas as situações novas que a pessoa terá de experienciar. É aconselhado que durante os primeiros 3 meses de cessação, período normal do aparecimento dos sintomas de abstinência, o fumador se concentre na cessação tabágica e não no controlo do peso. Os benefícios para a saúde decorrentes da cessação tabágica excedem quaisquer outros riscos associados ao aumento médio de 4 a 5 kg ou outros efeitos psicológicos que possam surgir depois da cessação.

Autora: Paula Alves, nutricionista e Diretora do Serviço de Nutrição e Alimentação do IPO do Porto.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!