Descoberto novo tratamento para cancro do pulmão maligno

Uso de luz do infravermelho próximo pode ajudar a melhorar o tratamento de uma forma rara de cancro do pulmão. O tratamento que envolve fotoimunoterapia, anticorpo NZ-1 e um fotoabsorvente IR700 mostrou eficácia.

0
Descoberto novo tratamento para cancro do pulmão
Descoberto novo tratamento para cancro do pulmão. A terapia envolve a injeção de um anticorpo podoplanina conjugado com um fotoabsorvedor e, em seguida, a iluminação por luz do infravermelho próximo, na cavidade torácica. Ilustração: Kazuhide Sato

O tratamento de um tipo raro de cancro do pulmão maligno pode melhorar com irradiação de luz do infravermelho próximo e o recurso a um composto direcionado ao cancro. A descoberta vem de um estudo que envolveu Kazuhide Sato, oncologista da Universidade de Nagoya, e outros seus colegas que testaram o tratamento e que já publicaram as conclusões na revista Cells.

O mesotelioma pleural maligno (MPM) é um tipo raro de cancro que afeta o revestimento do pulmão. O cancro raramente se espalha para outras partes do corpo, mas geralmente é diagnosticado tarde demais, levando a um mau prognóstico e a opções de tratamento muito limitadas.

Kazuhide Sato e outros oncologistas investigaram a eficácia da fotoimunoterapia por infravermelho próximo como estratégia de tratamento para MPM. A fotoimunoterapia por infravermelho próximo foi acelerada pela aprovação pela Food & Drug Administration (FDA) dos EUA para o tratamento de um tipo de tumor maligno de cabeça e pescoço.

Para que a fotoimunoterapia por infravermelho próximo funcione, primeiro é necessário injetar um composto direcionado ao cancro. O composto é feito de um anticorpo, que tem como alvo uma estrutura específica nas células cancerígenas e um fotoabsorvente, chamado IR700. Quando a luz infravermelha próxima ilumina a parte do corpo afetada pelo cancro, o composto agrega-se nas membranas celulares do cancro, levando à rutura celular aguda e à morte do tumor.

“Os pulmões e a cavidade torácica contêm uma grande quantidade de ar e, portanto, são muito bons em transmitir efetivamente a luz infravermelha próximo”, esclareceu Kazuhide Sato. ” A fotoimunoterapia por infravermelho próximo é uma opção de fototerapia segura que pode atingir uma região de interesse. O conjugado anticorpo-IR700 também não é tóxico para o corpo na ausência de irradiação da luz infravermelha próxima. Pensamos que a fotoimunoterapia por infravermelho próximo poderia ser uma estratégia eficaz para controlar o MPM localizado “.

Para a fotoimunoterapia por infravermelho próximo trabalhar no MPM, os cientistas precisavam de um composto que visasse especificamente células cancerígenas do MPM. Eles concentraram sua atenção num anticorpo chamado NZ-1, que tem como alvo uma parte específica de uma glicoproteína transmembranar chamada podoplanina. A podoplanina é encontrada normalmente em muitos tipos de células no corpo humano, mas é particularmente abundante em alguns tipos de células cancerígenas, incluindo o MPM.

A investigação dos cientistas mostrou que a podoplanina foi amplamente expressa numa variedade de linhas celulares MPM, e descobriram que o NZ-1 conjuga-se bem com o fotoabsorvente IR700 e que o NZ-1-IR700 liga-se especificamente à podoplanina nas células do laboratório. Quando células positivas para podoplanina, incluindo células cancerígenas MPM, foram misturadas com NZ-1-IR700 e depois irradiadas com luz infravermelha próxima, as células imediatamente incharam e romperam-se.

Os cientistas injetaram NZ-1-IR700 em ratos de laboratório com tumores MPM. O composto acumulou-se gradualmente nos locais do tumor. A iluminação com luz infravermelha próxima nos locais do tumor levou a uma redução da fluorescência das células marcadas com cancro, indicando que o tratamento funcionou bem como uma estratégia anticancro.

Kazuhide Sato e os colegas cientistas referiram que são necessários mais estudos para encontrar maneiras de garantir que o tratamento não mate células saudáveis ​​positivas para podoplanina. Os pesquisadores também sugerem que uma dose mais focalizada de luz pode ser alcançada colocando-a num dispositivo de drenagem inserido na cavidade torácica, que normalmente é usada de qualquer maneira em pacientes com MPM para drenar o tórax do excesso de líquidos.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!