Disseminação das células tumorais metastáticas

Descoberto mecanismo que permite que as células tumorais do cancro da mama viajem para a corrente sanguínea e formem metástases, num período muito curto. Um conhecimento mais preciso pode levar a terapêuticas para bloquear a viagem das células tumorais.

0
Disseminação das células tumorais metastáticas
Disseminação das células tumorais metastáticas, Foto: DR

Células tumorais malignas de um tumor primário têm que passar para a corrente sanguínea para formar metástases em outros órgãos. É aceito na investigação médica que, no cancro da mama, por exemplo, as células tumorais entram primeiro no sistema vascular e depois colonizam os gânglios linfáticos mais próximos do tumor primário.

Dos gânglios linfáticos as células tumorais viajam ao longo dos canais linfáticos através de outros gânglios linfáticos secundários e acabam por encontrar o caminho para a corrente sanguínea.

Markus Brown do Departamento de Patologia da Universidade de Medicina de Viena, na Austria, utilizou um modelo de rato e descobriu outra rota altamente eficiente e muito mais rápida através da qual as células tumorais que já se encontram nos gânglios linfáticos sentinela passam através dos vasos sanguíneos para “invadir” o sistema vascular, causando metástases.

No estudo já publicado na revista “Science” é descrito que os gânglios linfáticos têm uma importante função de filtragem dentro do sistema imunológico e são organizados “em série” ao longo dos vasos linfáticos. Por via de regra, as células de tumor malignas migram, antes de tudo, em vasos linfáticos e nos gânglios linfáticos associados, onde formam colónias metastáticas. O gânglio linfático sentinela é o mais próximo do tumor primário.

No diagnóstico clínico do cancro da mama o tamanho exato e o número de colónias de tumores nos gânglios linfáticos próximos ao local do tumor são um importante fator de prognóstico para o desenvolvimento de metástases no pulmão, no cérebro ou nos ossos. No entanto, para atingir esses órgãos, as células tumorais devem, antes de tudo, passar do sistema linfático para o sistema vascular.

Os investigadores necessitam de entender os processos moleculares precisos envolvidos na transição para projetar um bloqueio terapêutico direcionado. No entanto, até agora, os princípios subjacentes correspondentes aos processos moleculares não estavam disponíveis.

Markus Brown que trabalhou na equipa de investigação de Dontscho Kerjaschki, antigo responsável do Departamento de Patologia da Universidade de Medicina de Viena, e em estreita colaboração com o laboratório de Michael Sixt no ISTA (Instituto de Ciência e Tecnologia da Áustria) em Klosterneuburg, e atualmente a trabalhar na Genentec, em São Francisco, infundiu células marcadoras fluorescentes de um tumor da mama diretamente nos vasos linfáticos de ratos e monitorou como as mesmas se espalharam para o gânglio linfático adjacente.

O investigador observou que, em um período de 48 horas, as células tumorais infundidas produziram os sinais moleculares de aumentada agressividade, migraram para fora do tumor sólido e encontraram o caminho em vasos sanguíneos especiais no gânglio linfático. Mesmo num período curto, as células tumorais já estavam a circular no sistema vascular e a formar metástases pulmonares.

Os resultados iniciais da investigação da patogénese sugerem que é provável que o ponto de entrada de células tumorais que invadiram o sistema vascular, nos ratos, também esteja presente nos humanos. Estas descobertas fundamentais podem representar um ponto de partida para o desenvolvimento conceitual de novas medidas terapêuticas direcionadas.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!