Doença de Alzheimer está ligada à flora intestinal

Equipa de cientistas confirma haver uma correlação entre desequilíbrio da microbiota intestinal e a doença de Alzheimer. Certos produtos bacterianos da flora intestinal estão relacionados com a quantidade de placas amiloides no cérebro.

0
Doença de Alzheimer está ligada à flora intestinal
Doença de Alzheimer está ligada à flora intestinal. Foto: © Rosa Pinto

A doença de Alzheimer é a causa mais comum de demência. Uma doença que é ainda incurável, e que afeta diretamente quase um milhão de pessoas na Europa e, indiretamente, milhões de familiares, bem como a sociedade como um todo.

Nos últimos anos, a comunidade científica suspeitou que a microbiota ou flora intestinal desempenha um papel no desenvolvimento da doença. Agora uma equipa de cientistas da Universidade de Genebra (UNIGE) e dos Hospitais Universitários de Genebra (HUG) na Suíça, juntamente com cientistas italianos do Centro Nacional de Pesquisa e Atendimento para Doenças de Alzheimer e Psiquiátricas Fatebenefratelli em Brescia, Universidade de Nápoles e IRCCS SDN Research Center em Naples, confirma a correlação, em humanos, entre um desequilíbrio na microbiota intestinal e o desenvolvimento de placas amiloides no cérebro, que estão na origem das doenças neurodegenerativas características da doença de Alzheimer.

Proteínas produzidas por certas bactérias intestinais, identificadas no sangue de pacientes, podem de facto modificar a interação entre o sistema imunológico e o sistema nervoso e desencadear a doença. Os resultados do estudo já foram publicados no Journal of Alzheimer’s Disease, e permitem vislumbrar novas estratégias preventivas baseadas na modulação da fora intestinal em pessoas em risco.

O laboratório de investigação do neurologista Giovanni Frisoni, diretor do Centro de Memória HUG e professor do Departamento de Reabilitação e Geriatria da Faculdade de Medicina da UNIGE, tem vindo a trabalhar há vários anos na potencial influência da flora intestinal no cérebro, e mais particularmente em doenças neurodegenerativas.

“Já mostramos que a composição da microbiota intestinal em pacientes com doença de Alzheimer foi alterada, em comparação com pessoas que não sofrem dessas doenças”, explicou Giovanni Frisoni.

“A sua microbiota tem, de facto, uma diversidade microbiana reduzida, com uma sobre representação de certas bactérias e uma forte diminuição de outros micróbios. Além disso, também descobrimos uma associação entre um fenómeno inflamatório detetado no sangue, certas bactérias intestinais e a doença de Alzheimer; daí a hipótese que queríamos testar aqui: poderia a inflamação no sangue ser um mediador entre a microbiota e o cérebro? “ explicou ainda Giovanni Frisoni.

O cérebro debaixo da influência do intestino

As bactérias intestinais podem influenciar o funcionamento do cérebro e promover a neurodegeneração por várias vias: podem influenciar a regulação do sistema imunológico e, consequentemente podem modificar a interação entre o sistema imunológico e o sistema nervoso.

Lipopolissacarídeos, uma proteína localizada na membrana de bactérias com propriedades pró-inflamatórias, foram encontrados em placas amiloides e ao redor de vasos no cérebro de pessoas com doença de Alzheimer. Além disso, a flora intestinal produz metabólitos – em particular alguns ácidos gordos de cadeia curta – que, tendo propriedades neuroprotetoras e anti-inflamatórias, afetam direta ou indiretamente a função cerebral.

“Para determinar se os mediadores da inflamação e os metabólitos bacterianos constituem uma ligação entre a microbiota intestinal e a patologia amiloide na doença de Alzheimer, estudamos uma coorte de 89 pessoas entre 65 e 85 anos de idade. Alguns sofriam de doença de Alzheimer ou outras doenças neurodegenerativas que causavam problemas de memória semelhantes, enquanto outros não tinham problemas de memória” referiu Moira Marizzoni, investigadora do Centro Fatebenefratelli em Brescia e primeira autora do trabalho.

A investigadora acrescentou: “Usando imagens PET, medimos a deposição de amiloide e quantificamos a presença em seu sangue de vários marcadores de inflamação e proteínas produzidas por bactérias intestinais, como lipopolissacarídeos e ácidos gordo de cadeia curta.”

Uma correlação muito clara

“Os nossos resultados são indiscutíveis: certos produtos bacterianos da microbiota intestinal estão relacionados com a quantidade de placas amiloides no cérebro”, explicou Moira Marizzoni, e acrescentou: “De fato, níveis elevados de lipopolissacarídeos no sangue e certos ácidos gordos de cadeia curta foram associados a grandes depósitos de amiloide no cérebro. Por outro lado, níveis elevados de outro ácido gordo de cadeia curta, o butirato, foram associados a menos patologia de amiloide.”

O trabalho dos cientistas fornece a prova de uma associação entre certas proteínas da microbiota intestinal e amiloidose cerebral por meio de um fenómeno inflamatório do sangue. Os cientistas agora vão trabalhar para identificar bactérias específicas, ou um grupo de bactérias, envolvidas neste fenômeno.

Uma estratégia baseada na prevenção

Esta descoberta abre caminho para estratégias de proteção potencialmente inovadoras – por meio da administração de um coquetel de bactérias, por exemplo, ou de pré-bióticos para alimentar as bactérias “boas” no intestino. “No entanto, não devemos alegrar-nos muito rapidamente”, referiu Giovanni Frisoni.

“Na verdade, devemos primeiro identificar as variedades do coquetel. Assim, um efeito neuroprotetor só poderia ser eficaz num estágio muito inicial da doença, com vistas à prevenção e não à terapia. No entanto, o diagnóstico precoce ainda é um dos principais desafios na gestão de doenças neurodegenerativas, devendo ser desenvolvidos protocolos para identificar indivíduos de alto risco e tratá-los antes do aparecimento de sintomas detetáveis.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!