Doentes de COVID-19 sofrem danos pulmonares e cardíacos de longa duração

Estudo mostra que doentes de COVID-19 sofrem durante longo prazo de danos pulmonares e cardíacos. A recuperação pode ser mais rápida se forem submetidos a reabilitação logo após serem desligados dos ventiladores ou deixarem os cuidados intensivos.

0
Doentes de COVID-19 sofrem danos pulmonares e cardíacos de longa duração
Doentes de COVID-19 sofrem danos pulmonares e cardíacos de longa duração. Foto: Pulmonary rehabilita@on centre Dieulefit Santé

Os pacientes de COVID-19 podem vir a sofrer danos pulmonares e cardíacos ao longo prazo, mas muitos tendem a melhorar com o tempo, indica estudo de acompanhamento prospetivo de pacientes infetados pelo coronavírus, apresentado no Congresso Internacional da European Respiratory Society.

Investigadores, no momento quente da pandemia COVID-19, na Áustria, recrutaram pacientes de coronavírus para estudo. Os doentes foram hospitalizados na Clínica Universitária de Medicina Interna em Innsbruck, no Hospital St Vinzenz em Zams ou no centro de reabilitação cardiopulmonar em Münster, Áustria. Na apresentação do estudo no congresso virtual de 7 de setembro, descreveram dados dos primeiros 86 pacientes inscritos entre 29 de abril e 9 de junho, embora agora tenham mais de 150 participantes.

Metodologia do estudo

Os pacientes foram avaliados após 6, 12 e 24 semanas após a hospitalar. Nestas avaliações, foram realizados exames clínicos, laboratoriais, análises das quantidades de oxigénio e dióxido de carbono no sangue arterial, testes de função pulmonar, tomografia computadorizada (TC) e ecocardiogramas.

Dados do estudo

No momento da primeira visita, mais da metade dos pacientes apresentava pelo menos um sintoma persistente, predominantemente falta de ar e tosse, e a tomografia computadorizada ainda mostrava lesão pulmonar em 88% dos pacientes. No entanto, na consulta seguinte, 12 semanas após a alta, os sintomas haviam melhorado e o dano pulmonar era reduzido em 56%. Os investigadores indicaram que ainda não dispunham de resultados das avaliações às 24 semanas.

“A má notícia é que as pessoas apresentam comprometimento pulmonar devido à COVID-19 semanas após a alta; a boa notícia é que o comprometimento tende a melhorar com o tempo, o que sugere que os pulmões têm um mecanismo para se autorreparar” disse Sabina Sahanic, da University Clinic em Innsbruck, investigadora envolvida no estudo, que e parte da equipe que realizou o estudo, e que incluiu também Ivan Tancevski, Judith Löffler-Ragg e Thomas Sonnweber.

A idade média dos 86 pacientes envolvidos no estudo era de 61 anos e 65% deles eram do sexo masculino. Quase metade dos doentes eram fumantes ou ex-fumadores e 65% dos pacientes hospitalizados com COVID-19 apresentavam sobrepeso ou obesidade. Dezoito, ou 21%, estiveram em unidade de cuidados intensivos os (UCI), 16, ou 19%, tiveram ventilação mecânica invasiva e o tempo médio de internamento foi de 13 dias.

Um total de 56 pacientes, ou 65%, apresentaram sintomas persistentes no momento da avaliação após seis semanas; falta de ar (dispneia) foi o sintoma mais comum em 40 pacientes, correspondendo a 47%, seguido de tosse em 13 pacientes, ou 15%. Na avaliação após 12 semanas, a falta de ar melhorou e estava presente em 31 pacientes, ou 39%; no entanto, 13 pacientes ou 15% ainda tinham tosse.

Tomografia computadorizada dos pulmões do paciente mostrando dano da COVID-19 a vermelho
Tomografia computadorizada dos pulmões do paciente mostrando dano da COVID-19 a vermelho. Imagem: Gerlig Widmann e equipa, Departamento de Radiologia, Medical University of Innsbruck

Os testes de função pulmonar incluíram FEV1 (a quantidade de ar que pode ser expelido com força num segundo), o FVC (o volume total de ar expelido com força) e o DLCO (um teste para medir se o oxigénio passa dos pulmões para o sangue. Esstas medições também melhoraram entre as avaliações de seis e 12 semanas. Em seis semanas, 20 pacientes apresentaram VEF1 inferior a 80% do normal, melhorando para 18 pacientes em 12 semanas, 24 pacientes apresentaram CVF inferior a 80% do normal, melhorando para 16 pacientes em 12 semanas e 28 pacientes apresentaram DLCO como menos de 80% do normal, melhorando para 19 pacientes em 12 semanas.

A tomografia computadorizada mostrou que a pontuação que define a gravidade do dano pulmonar geral diminuiu de oito pontos em seis semanas para quatro pontos em doze semanas. Os danos por inflamação e fluido nos pulmões causados ​​pelo coronavírus, que aparecem nas tomografias como manchas brancas conhecidas como “vidro fosco”, também melhoraram; esteve presente em 74 pacientes na avaliação após seis semanas e 48 pacientes após as 12 semanas.

Na consulta após seis semanas de alta hospitalar, os ecocardiogramas mostraram que 48 pacientes apresentavam disfunção do ventrículo esquerdo do coração no momento da diástole. Os indicadores biológicos de danos ao coração, coágulos sanguíneos e inflamação foram todos significativamente elevados.

Sabina Sahanic referiu: “Não acreditamos que a disfunção diastólica do ventrículo esquerdo seja específica do COVID-19, mas sim um sinal da gravidade da doença em geral. Felizmente, na coorte de Innsbruck, não observamos nenhuma disfunção cardíaca grave associada ao coronavírus na fase pós-aguda. A disfunção diastólica que observamos também tendeu a melhorar com o tempo. ”

Conclusões do estudo

A investigadora concluiu referindo que “os resultados deste estudo mostram a importância da implementação de cuidados de acompanhamento estruturados para pacientes com infeção COVID-19 grave. É importante notar que a TC revelou danos pulmonares neste grupo de pacientes que não foram identificados por testes de função pulmonar. Saber como os pacientes foram afetados a longo prazo pelo coronavírus pode permitir que os sintomas e danos pulmonares sejam tratados muito mais cedo e pode ter um impacto significativo em recomendações e conselhos médicos adicionais.”

Em uma segunda apresentação no Congresso Yara Al Chikhanie, da clínica Dieulefit Santé para reabilitação pulmonar e do Laboratório Hp2 da Universidade Grenoble Alps, França, referiu que quanto mais cedo os pacientes de COVID-19 começarem um programa de reabilitação pulmonar após terem sido retirados dos ventiladores, melhor e mais rápida será sua recuperação.

Pacientes com COVID-19 grave podem passar semanas em cuidados intensivos ligados a ventiladores. A falta de movimento físico, além da infeção e inflamação graves, leva à perda muscular severa. Os músculos de respiração também são afetados, o que enfraquece a capacidade respiratória. A reabilitação pulmonar, que envolve exercícios físicos e conselhos sobre como controlar os sintomas, incluindo falta de ar e transtorno de stresse pós-traumático, é crucial para ajudar os pacientes a recuperarem totalmente.

Yara Al Chikhanie usou um teste de caminhada para avaliar o progresso semanal de 19 pacientes que passaram uma média de três semanas em tratamento intensivo e duas semanas em uma enfermaria pulmonar antes de serem transferidos para a clínica Dieulefit Santé para reabilitação pulmonar. A maioria ainda não conseguia andar quando chegou e passou uma média de três semanas em reabilitação. O teste de caminhada mediu o quanto os pacientes podiam caminhar em seis minutos. No início, eles conseguiam caminhar em média 16% da distância que, em teoria, deveriam ser capazes de caminhar normalmente se estivessem saudáveis. Após três semanas de reabilitação pulmonar, isso aumentou para uma média de 43%, o que foi um ganho significativo, mas ainda um prejuízo sério.

“A descoberta mais importante foi que os pacientes que foram admitidos para reabilitação pulmonar logo após deixarem a terapia intensiva, progrediram mais rapidamente do que aqueles que passaram um período mais longo na enfermaria pulmonar, onde permaneceram inativos”, referiu Yara Al Chikhanie.

As vantagens de reabilitação imediata

A especialista acrescentou: “Os pacientes que iniciaram a reabilitação na semana após serem desligados dos ventiladores progrediram mais rápido do que aqueles que começaram após duas semanas. Mas em quanto tempo eles podem começar a reabilitação depende de os pacientes serem julgados clinicamente estáveis ​​pelos seus médicos. Apesar da melhora significativa, o período médio de três semanas na reabilitação não foi suficiente para que eles se recuperassem completamente”.

“Essas descobertas sugerem que os médicos devem iniciar a reabilitação o mais rápido possível, que os pacientes devem tentar passar o menor tempo possível inativos e que devem inscrever-se com motivação no programa de reabilitação pulmonar. Se médicos considerarem seguro, os pacientes deve iniciar os exercícios de fisioterapia ainda na enfermaria pulmonar do hospital.”

Thierry Troosters, presidente da European Respiratory Society referiu que têm surgido indicações que muitos pacientes sofrem sequelas debilitantes ao longo do tempo decido à COVID-19, mas a apresentação de Sabina Sahanic é importante porque é uma das primeiras e abrangentes que mostra o impacto sério e de longo prazo da COVID-19 nos pulmões e no coração. É preocupante saber que mais da metade dos pacientes neste estudo apresentaram danos aos pulmões e ao coração 12 semanas após a alta hospitalar, e que quase 40% ainda sofrem de sintomas como falta de ar”.

Mas a boa notícia, no entanto, é indicada por Yara Al Chikhanie que “mostra como é essencial para os pacientes iniciarem a reabilitação pulmonar assim que estiverem fisicamente aptos a fazê-lo.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!