Duas doses da vacina reduzem para metade o risco de COVID longo

Adultos com duas doses da vacina contra a COVID-19 têm 49% menos probabilidade de ter COVID longo. Investigadores também concluíram que as pessoas mais frágeis devem tomar uma terceira dose de reforço.

0
Duas doses da vacina reduzem para metade o risco de COVID longo
Duas doses da vacina reduzem para metade o risco de COVID longo

Os adultos que recebem as duas doses da vacina contra a COVID-19 têm 49% menos probabilidade de ter COVID longo, caso contraiam uma infeção causada pelo coronavírus SRAS-CoV-2. A conclusão é de um estudo de investigadores do King’s College London, no Reino Unido.

Os investigadores analisaram dados de 1.240.009 adultos vacinados no Reino Unido que receberam a primeira dose e 971.504 que receberam a segunda dose. A equipa de investigadores avaliou uma série de fatores, incluindo idade, fragilidade e áreas de privação e comparou isso com a infeção pós-vacinação.

O estudo, já publicado na revista “Lancet Infectious Diseases“, descobriu que no caso improvável de contrair COVID-19 após ser vacinado com as duas doses, o risco de COVID longo foi reduzido quase a metade. Houve também menos hospitalizações -73% menos probabilidade – e menor carga de sintomas agudos – 31% menos probabilidade- entre as pessoas totalmente vacinados.

A natureza dos sintomas mais comuns foi semelhante à dos adultos não vacinados – por exemplo, anosmia, (perda do olfato) tosse, febre, dores de cabeça e fadiga. Todos esses sintomas foram mais leves e menos frequentemente relatados pelas pessoas que foram vacinadas, e tinham metade da probabilidade de desenvolver sintomas múltiplos na primeira semana da doença. Espirros foi o único sintoma mais comumente relatado em pessoas vacinadas com COVID-19.

No entanto, as pessoas que vivem nas áreas mais carentes correm maior risco de infeção após uma única dose da vacina. Embora a idade por si só não fosse um fator de risco, os indivíduos que apresentavam condições de saúde que limitavam sua independência – como fragilidade – tinham até duas vezes mais probabilidade de contrair a infeção por COVID-19 após a vacinação e de adoecer.

Os resultados demonstram a necessidade de direcionar os grupos de risco. Já foi demonstrado que os adultos frágeis são desproporcionalmente afetados pelo COVID-19. A equipa de investigação sugere estratégias como um programa de reforço oportuno, medidas direcionadas de controlo de infeção e mais pesquisas sobre a resposta imunológica à vacinação neste grupo podem ajudar a resolver o problema.

Claire Steves, investigadora principal no King’s College London, referiu: “Em termos da carga de COVID longo, é uma boa notícia que a nossa investigação tenha descoberto que ter as duas doses de vacina reduz significativamente o risco de ser infetado pelo coronavírus e, se o for, de desenvolver por muito tempo sintomas leves. No entanto, entre os nossos idosos frágeis e aqueles que vivem em áreas carentes, o risco ainda é significativo e eles devem ser priorizados com urgência para uma dose da vacina e para uma dose de reforço.”

Tim Spector, do King’s College London e investigador principal do estudo, comentou: “A vacinação está a reduzir enormemente as probabilidades de as pessoas adquirirem COVID long de duas maneiras. Em primeiro lugar, reduzindo o risco de quaisquer sintomas em 8 a 10 vezes e, em segundo lugar, reduzindo para metade as probabilidades de qualquer infeção se transformar em COVID longo. Qualquer que seja a duração dos sintomas vemos que as infeções após as duas doses da vacina também são muito mais brandas, de modo que as vacinas estão realmente a mudar a doença e para melhor”.

Sajid Javid, secretário de Saúde e Assistência Social do Reino Unido, referiu: “As vacinas contra a COVID-19 salvaram mais de 105.000 vidas e preveniram mais de 24 milhões de infeções apenas em Inglaterra. Esta investigação é encorajadora, sugerindo que as vacinas não apenas evitam mortes, mas também podem ajudar a prevenir alguns dos sintomas mais duradouros.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!