Esclerose múltipla com novos medicamentos mais eficazes

Esclerose múltipla é a doença neurológica mais comum em adultos jovens. A União Europeia aprovou a cladribina e o ocrelizumab, dois novos medicamentos mais eficazes no tratamento da doença, em conjunto com as recomendações da EAN e ECTRIMS.

0
Esclerose múltipla com novos medicamentos mais eficazes
Esclerose múltipla com novos medicamentos mais eficazes. Foto: Rosa Pinto

Existem cerca de 2,3 milhões de pessoas em todo o mundo que sofrem de Esclerose Múltipla (EM), a doença neurológica mais comum em adultos jovens. A doença inflamatória crónica do sistema nervoso central e em que o risco de incapacidade progressiva afeta três a quatro vezes mais mulheres que homens.

“Os novos medicamentos e as instruções de tratamento publicadas, este ano, pelo Comitê Europeu para Tratamento e investigação em Esclerose Múltipla (ECTRIMS, sigla do inglês) e pela Academia Europeia de Neurologia (EAN, sigla do inglês) vão melhorar de forma substancial o tratamento de EM”, referiu o presidente da EAN, Günther Deuschl, durante o 4º Congresso da EAN, que decorre em Lisboa, até dia 19 de junho.

Para 85 a 90% dos doentes, a EM começou como uma doença remitente-recorrente, mas há pacientes onde a doença tem um curso progressivo primário. Para estes doentes a doença está a piorar continuamente desde o início. Sem tratamento eficaz uma grande parte dos pacientes com esclerose múltipla recidivante entra numa fase secundária progressiva, onde os sintomas pioram constantemente.

Tratamento maximiza a prevenção de recaídas e progressão da incapacidade

Até meados da década de 1990, a terapia à base de medicamentos só era possível para recidivas agudas da EM. Com as primeiras terapias modificadoras da doença, como os interferões beta ou o acetato de glatirâmero, tornou-se possível reduzir a taxa anual de recaída em cerca de um terço. Desde aí, muitos novos medicamentos, incluindo anticorpos monoclonais, estão disponíveis em que o alvo são os mecanismos imunológicos específicos, o que tornou os medicamentos mais eficazes.

“O tratamento da EM de hoje está focado em evitar recaídas na maior extensão possível e interromper a progressão da incapacidade. No entanto, alguns medicamentos também podem causar efeitos colaterais graves, e sobre isso devem ser aconselhados os pacientes ”, referiu Franz Fazekas, presidente eleito da EAN, que também esteve envolvido no desenvolvimento das instruções europeias para o tratamento da EM.

Com o tratamento adequado, o controle da doença é alcançado em 80 a 85% dos doentes, com a supressão da doença inflamatória crónica do sistema nervoso central da forma mais eficaz possível.

Cladribina e ocrelizumab são as novas opções de tratamento da EM, já disponíveis

A União Europeia aprovou recentemente dois novos medicamentos e formas de tratamento EM ,que devem ajudar a promover um melhor tratamento. Um dos medicamentos, o cladribine foi originalmente usado no tratamento anti-cancro.

Os pacientes submetidos ao tratamento tomam comprimidos de cladribina durante 14 dias, seguidos havendo um intervalo de um ano no tratamento. No segundo ano, o tratamento é de 14 dias, e a seguir dá lugar a um período pós-observação de dois anos. Embora este seja um conceito conveniente e estimulante, ainda não é garantido, em quantos pacientes, e por quanto tempo, este tratamento terá sucesso para ‘silenciar’ a EM, e o que fazer exatamente se ocorrerem novas recaídas. Assim, é necessário avaliar plenamente o perfil de segurança do medicamento.

Outra nova terapia de EM é com o anticorpo monoclonal ocrelizumab, que foi aprovado, desde o início do ano, pela UE para o tratamento de EM recidivante-remitente ativa, mas também para pacientes com esclerose múltipla primária crónica progressiva precoce. Franz Fazekas referiu: “Não havia nenhuma terapia para estes pacientes” e neste caso o ocrelizumab tem um efeito direcionado sobre as células B do sistema imunológico, que desempenham um papel na EM.

Após uma aplicação inicial, o tratamento adicional com ocrelizumab implica infusões a cada seis meses. Franz Fazekas referiu: “A possibilidade de escolher entre muitos medicamentos permite aos neurologistas adaptar o tratamento da EM às necessidades individuais de seus pacientes e ao longo da doença. O diagnóstico de EM significa que os pacientes têm que viver com a doença durante 60 ou 70 anos, por isso temos que ajudá-los a controlar a EM da forma mais eficiente possível, considerando os benefícios e os riscos. ”

Nova instrução de tratamento ajuda os médicos a escolher a terapia

Por iniciativa da EAN e do ECTRIMS, neurologistas de 13 países elaboraram 21 recomendações para o tratamento da EM. A nova instrução europeia de tratamento é baseada na análise de estudos clínicos e apoia os médicos na avaliação das oportunidades e riscos das opções de tratamento disponíveis ao tomar decisões terapêuticas.

Para Günther Deuschl “esta nova instrução faz parte do programa de instruções da EAN sob o qual todas as doenças neurológicas importantes devem ser reavaliadas. Cerca de 20 das recomendações estão a ser atualmente definidas.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!