Estónia adere aos Supercomputadores europeus

Estónia junta-se ao grupo de países europeus para construir e utilizar supercomputadores. A empresa europeia EuroHPC, uma iniciativa da Comissão Europeia, e de que Portugal faz parte, deve construir até 2023 supercomputadores de nível Top 3 mundial.

0
Estónia adere aos Supercomputadores europeus
Estónia adere aos Supercomputadores europeus. Foto: Rosa Pinto

A Estónia passou a ser o 21.º país europeu a assinar a Declaração Europeia de adesão ao grande projeto de computação de alto desempenho. O objetivo é reunir os recursos europeus e nacionais para até 2022-2023 construir e utilizar supercomputadores de nível Top 3 mundial.

O projeto de construção de supercomputadores apresentado pela Comissão Europeia em janeiro de 2018 teve a primeira adesão em março para a constituição da Empresa Comum EuroHPC que levará a cabo a missão. Do primeiro grupo de países a aderir consta Portugal.

A EuroHPC, Empresa Comum vai adquirir, desenvolver e implantar em toda a Europa uma infraestrutura de computação de alto desempenho e de alto nível mundial. Além disso, vai apoiar um programa de investigação e inovação para o desenvolvimento de tecnologias e equipamento informático, bem como de aplicações que possam funcionar nos supercomputadores.

A EuroHPC terá um investimento inicial de cerca de 486 milhões de euros do âmbito do atual Quadro Financeiro Plurianual, a que acrescem as contribuições dos Estados-Membros e de países associados, num montante total equivalente. Globalmente, até 2020, o investimento público deverá ascender a cerca de mil milhões de euros, a que se juntam contribuições em espécie das entidades privadas participantes na iniciativa.

Benefícios da supercomputação

A computação de alto desempenho é uma ferramenta essencial para entender e dar responda aos principais desafios científicos e sociais, como a deteção precoce e tratamento de doenças e o desenvolvimento de novas terapias baseadas em medicina personalizada e de precisão.

Um recurso para prevenir e gerir desastres naturais em grande escala, especialmente para prever os percursos de furacões ou para simulações de terremotos, entre muitos outros problemas.

A infraestrutura EuroHPC vai proporcionar à indústria europeia e, em especial, às pequenas e médias empresas (PME) um melhor acesso aos supercomputadores para o desenvolvimento de produtos inovadores.

O uso da computação de alto desempenho está ter um impacto crescente nos negócios, reduzindo significativamente o design do produto e os ciclos de produção, acelerando o design de novos materiais, minimizando custos, aumentando a eficiência de recursos e a encurtar e otimizar processos de decisão. Por exemplo, os ciclos de produção de automóveis podem ser reduzidos de 60 meses para 24 meses.

A computação de alto desempenho também é essencial para a segurança e defesa nacional, por exemplo, ao desenvolver tecnologias complexas de criptografia, rastreamento e resposta a ataques cibernéticos, implantação de análise forense eficiente e em simulações nucleares.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!