Europol cria Centro Europeu de Crimes Financeiros e Económicos

Centro Europeu de Crimes Financeiros e Económicos é criado pela Europol. O centro, dotado de 65 especialistas e analistas internacionais, vai combater o crime grave e organizado que afeta milhões de cidadãos da União Europeia.

0
Europol cria Centro Europeu de Crimes Financeiros e Económicos
Europol cria Centro Europeu de Crimes Financeiros e Económicos. Foto: DR

A Europol criou um Centro Europeu de Crimes Financeiros e Económicos (CECFE). O Centro vai permitir aumentar o apoio operacional prestado aos Estados-Membros e autoridades da União Europeia (UE) nos domínios da criminalidade financeira e económica e vai promover a utilização sistemática de investigações financeiras.

O novo Centro é criado dentro da atual estrutura organizacional da Europol, que já desempenha um papel importante na resposta europeia ao crime financeiro e económico e vai contar com 65 especialistas e analistas internacionais.

A Europol referiu que os crimes económicos e financeiros são uma ameaça altamente complexa e significativa que afeta todos os anos milhões de cidadãos e milhares de empresas, na UE.

O branqueamento de capitais e as finanças criminais são os motores do crime organizado, sem eles os criminosos não seriam capazes de utilizar os lucros ilícitos que geram com as várias atividades de crime grave e organizadas realizadas na UE. Dados de relatórios anteriores da Europol indicam que 98,9% dos lucros identificados nos crimes não são confiscados e permanecem à disposição dos criminosos.

A pandemia de COVID-19 na Europa forneceu amplas evidências de que os criminosos são rápidos em adaptar os seus esquemas criminosos às mudanças para explorar medos e vulnerabilidades.

Estímulos económicos, como os propostos para o pós pandemia de COVID-19, serão direcionados por criminosos e vão fraudar as finanças públicas. Para interromper e dissuadir efetivamente os criminosos envolvidos em crimes graves e organizados, as autoridades policiais precisam seguir a trilha do dinheiro como parte regular das suas investigações. A Presidência croata do Conselho da União Europeia referiu por ocasião do lançamento do Centro Europeu de Crimes Financeiros e Económicos:

“Melhorar as investigações financeiras para combater o crime grave e organizado tem sido uma das prioridades da Presidência croata do Conselho da União Europeia. A este respeito, a Presidência croata coordenou os esforços para a adoção das conclusões do Conselho sobre o reforço da investigação financeira para combater o crime grave e organizado, exortando a Europol a criar uma estrutura específica para apoiar a cooperação entre as autoridades policiais no combate à fraude, branqueamento de capitais, corrupção e contrafação, promovendo sistematicamente a recuperação de bens criminosos na UE e fora dela. Reiterando a importância de nosso esforço comum para criar mecanismos eficientes para fortalecer investigações financeiras e recuperação de ativos, supressão da lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo”.

Ylva Johansson, Comissária da UE para Migração, Assuntos Internos e Cidadania, referiu:

“O centro agora lançado ajudará a intensificar as investigações financeiras em toda a UE. O crime financeiro e económico prejudica-nos a todos e não para nas fronteiras nacionais. Muitas vezes é uma atividade importante dos grupos do crime organizado que podemos descobrir se seguirmos o dinheiro. Com o nosso novo centro, estaremos melhor equipados para combater juntos o crime económico.”

A vice-presidente para a promoção do nosso modo de vida europeu, Margaritis Schinas, que lidera o trabalho da Comissão Europeia no desenvolvimento de uma estratégia da União Europeia de Segurança, referiu:

“Após o lançamento do Centro de Cibercrime em 2013 e do Centro de Contraterrorismo em 2016, agora estamos a dar um passo decisivo na luta contra os crimes financeiros e económicos. A UE não deixará pedra sobre pedra para atingir criminosos onde mais dói. Com o novo Centro Europeu de Crimes Financeiros e Económicos da Europol, garantiremos que os crimes económicos e financeiros não sejam compensadores. ”

Catherine De Bolle, diretora executiva da Europol, referiu:

“As consequências da pandemia de COVID-19 enfraqueceram a nossa economia e criaram novas vulnerabilidades das quais o crime pode emergir. O crime económico e financeiro, como vários tipos de fraude, lavagem de dinheiro, crime de propriedade intelectual e falsificação de moeda, é particularmente ameaçador em tempos de crise económica. Infelizmente, é também quando eles se tornam mais prevalentes. O Centro Europeu de Crimes Económicos e Financeiros da Europol reforçará a capacidade da Europol no apoio às autoridades policiais dos Estados-Membros e dos países parceiros na luta contra os criminosos que procuram tirar proveito das dificuldades económicas. O Centro servirá como plataforma e caixa de recursos para investigadores financeiros em toda a Europa. Vamos fazer parcerias duradouras e combater juntos o crime económico e financeiro.”

Wim Mijs, CEO da Federação Bancária Europeia, referiu estar extremamente feliz com o facto de que agora os crimes económicos e financeiros serão resolvidos por um centro totalmente dedicado da Europol.

“O crime financeiro mina a estabilidade do setor bancário e é uma ameaça séria para toda a sociedade. A luta contra o dinheiro sujo tem como objetivo cortar recursos para gangues do crime organizado e terroristas e, portanto, é da maior importância. Na vanguarda desta luta, a Federação Bancária Europeia é um parceiro de confiança da Europol e, portanto, congratula-se com o fato de que essa cooperação agora beneficiará do apoio de uma estrutura e recursos ainda mais adequados”.

Tim Adams, Presidente e CEO do Instituto de Finanças Internacionais, referiu:

“A criação do Centro Europeu de Crimes Económicos e Financeiros na Europol é um passo crítico para combater as ameaças impostas por fluxos ilícitos através do sistema financeiro internacional. O Instituto de Finanças Internacionais, e a indústria em geral, pediram uma abordagem orientada por inteligência ao crime financeiro, e iniciativas significativas como a EFECC são essenciais para melhorar os resultados. Peço aos formuladores de políticas que continuem seu foco na melhoria da eficácia na luta contra a atividade financeira criminosa em parceria com o setor privado, pois os impactos do crime financeiro constituem uma grave ameaça à sociedade como um todo.”

O aumento exponencial do crime financeiro e económico e o envolvimento do crime organizado em larga escala, juntamente com o número de pedidos de apoio operacional dos Estados-Membros da UE, exigiram uma resposta europeia adequada e coordenada.

Um relatório estratégico já publicado fornece uma visão geral dos fenómenos mais ameaçadores na área de crimes económicos e financeiros, incluindo vários tipos de fraude, produção e distribuição de produtos falsificados, lavagem de dinheiro e outros.

 

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!