Exames ao sangue podem dar indicação de COVID-19 grave

Conjunto de biomarcadores no sangue de pacientes com COVID-19 pode prever eventual envio do paciente para a Unidade de Cuidados Intensivos. Neutrófilos elevados são indicadores de doença COVID-19 grave.

0
Exames ao sangue podem dar indicação de COVID-19 grave
Exames ao sangue podem dar indicação de COVID-19 grave. Foto: © Rosa Pinto

Quando os doentes com COVID-19 chegam ao hospital, há relativamente poucas maneiras dos médicos preverem quais são os que têm maior probabilidade de ter uma condição de saúde grave e exigir cuidados intensivos e os que têm maior probabilidade de vir a ter uma recuperação rápida.

Uma nova investigação da Universidade de Yale mostra que podem ser identificadas pistas iniciais importantes. Num estudo recente, os investigadores relataram que uma série de biomarcadores, ou sinais biológicos, associados à ativação de glóbulos brancos e obesidade, podem prever resultados graves em pacientes com a COVID-19.

Os resultados do estudo já publicados no Blood Advances mostram que “pacientes com altos níveis desses marcadores eram muito mais propensos a exigir cuidados na unidade de terapia intensiva, ventilação ou morrer devido ao COVID-19”, referiu Hyung Chun, autor principal do estudo, professor associado de medicina em medicina e patologia cardiovascular e diretor de investigação translacional do Programa de Doença Vascular Pulmonar de Yale.

Alguns estudos de laboratório já tinham identificado possíveis indicadores da COVID-19 grave, incluindo níveis de dímero-D, uma medida de coagulação do sangue e níveis de proteínas conhecidas como citocinas, que são libertadas como parte das respostas inflamatórias no corpo. No entanto, até agora, nenhum marcador laboratorial poderia prever quais os pacientes com COVID-19 que acabariam por ficar gravemente doentes antes de apresentarem sinais e sintomas clínicos de doença grave.

No estudo, os investigadores da Universidade de Yale usaram perfis proteómicos – uma triagem de várias proteínas no sangue – para analisar amostras retiradas de 100 pacientes que iriam experimentar diferentes níveis de gravidade COVID-19. Em todos os casos, as amostras de sangue foram colhidas no primeiro dia de internamento dos pacientes. Os investigadores também analisaram dados clínicos de mais de 3.000 pacientes adicionais com COVID-19 dentro do sistema do Hospital Yale New Haven.

Os investigadores descobriram que cinco proteínas (resistina, lipocalina-2, HGF, IL-8 e G-CSF) associadas aos neutrófilos, um tipo de glóbulo branco, estavam elevadas nos pacientes COVID-19 que mais tarde ficaram gravemente doentes. Muitas dessas proteínas foram previamente associadas à obesidade, mas não à COVID-19 ou a outras doenças virais.

Notavelmente, os biomarcadores de neutrófilos elevados para pacientes que iriam apresentar sintomas mais graves eram evidentes antes do aparecimento desses sintomas. Todos os pacientes COVID-19 que foram admitidos ou transferidos para a Unidade de Cuidados Intensivos (UCI) tinham marcadores de ativação de neutrófilos elevados, enquanto esses biomarcadores permaneceram baixos para pacientes que nunca desenvolveram doença grave. Nenhum dos pacientes com níveis mais baixos de biomarcadores de neutrófilos morreu.

“Esta é uma das primeiras demonstrações de que um conjunto de biomarcadores no sangue de pacientes com COVID pode prever eventual admissão na UCI, mesmo antes de tais pacientes ficarem gravemente enfermos”, disse o autor do estudo, Alfred Lee, professor associado de medicina em hematologia, diretor do Yale Medical Oncology-Hematology Fellowship Program e membro do Yale Cancer Center.

O conhecimento precoce desses indicadores pode melhorar significativamente o tratamento do paciente, disseram os investigadores.

“Se um teste de diagnóstico [para esses biomarcadores] pudesse ser solicitado no início, poderia dar-nos uma melhor noção de quem tem mais probabilidade de ficar gravemente doente e se beneficiará de um nível mais alto de cuidado e consideração por terapias que afetam o sistema imunológico precocemente na sua hospitalização”, disse Hyung Chun. “Muitos desses medicamentos têm potenciais efeitos colaterais e esses testes podem ajudar a identificar os pacientes que mais beneficiariam”.

O estudo que envolveu colaboradores de diversos departamentos da Universidade de Yale também destaca a conexão entre COVID-19 e obesidade, disseram os investigadores. Os Centros de Controle e Prevenção de Doenças observam que a obesidade e a obesidade severa aumentam o risco de doenças graves causadas pela COVID-19. A obesidade triplica o risco de hospitalização por COVID-19, e os níveis de índice de massa corporal correlacionam-se com o risco de morte por COVID-19.

Os neutrófilos são células inflamatórias, disse Alfred Lee, então faz sentido que eles estariam elevados no contexto da obesidade – que envolve inflamação crónica de baixo grau – e COVID-19, que causa hiperinflamação nos casos mais graves, levando a danos nos tecidos e a falência de órgãos.

“Também há sinais de que os neutrófilos podem participar da trombose ou da coagulação do sangue”, disse Alfred Lee, outra característica marcante da COVID-19.

Os investigadores vão expandir o estudo sobre a relação entre biomarcadores e a COVID-19, observando pacientes que recuperaram de uma doença aguda.

“Esperamos que essas descobertas motivem outros grupos a examinar as suas próprias populações de pacientes”, disse Hyung Chun, acrescentando que eles precisarão de estudos adicionais de validação que apoiem o desenvolvimento de testes diagnósticos para esses biomarcadores.

“A evolução das descobertas mostra o poder da colaboração, que emergiu como um aspeto promissor desta pandemia devastadora que continuaremos a explorar para o benefício dos pacientes”, disse Alfred Lee.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!