Exercícios físicos e o impacto na gravidade da COVID-19

Está comprovado que o exercício físico pode prevenir ou diminuir o impacto da diabetes, hipertensão, doença arterial coronária, depressão, osteoporose e a demência. Assim, como o risco de cancro da mama e do cólon, bem como a gravidade da COVID-19.

0
Exercícios físicos e o impacto na gravidade da COVID-19
Exercícios físicos e o impacto na gravidade da COVID-19. Foto: TVEuropa

Durante anos, os investigadores estudaram os benefícios dos exercícios físicos na prevenção de dezenas de problemas de saúde. Mas será que a atividade física regular também pode ajudar as pessoas a diminuir a gravidade da COVID-19?

É uma pergunta que os investigadores da Kaiser Permanente fizeram durante o auge da pandemia. De janeiro a outubro de 2020, os investigadores estudaram mais de 48.000 pacientes adultos com COVID-19 e relacionaram seu nível de atividade física pré-COVID-19 ao risco de hospitalização, admissão em unidade de cuidados intensivos (UCI) ou morte após receberem um diagnóstico de COVID-19.

Os resultados, publicados no British Journal of Sports Medicine, em abril, mostraram que as pessoas que eram consistentemente ativas antes de serem infetadas com a COVID-19 corriam menos risco de hospitalização ou de morte. As pessoas que no estudo tinham sido menos ativas foram hospitalizadas com cerca de 20% mais frequência e tiveram 30% mais probabilidade de morrer da COVID-19 em comparação com as pessoas que eram mais ativas.

“O que é empolgante sobre este estudo é como mostra o impacto favorável que os exercícios podem ter sobre as doenças transmissíveis”, disse Jessica Butts, que se especializou em medicina familiar e medicina desportiva e atende pacientes no Penn State Health Medical Group – Nyes Road Family Practice II e Penn State Bone and Joint Institute. “Está claro que permanecer ativo – e ser vacinado – são duas etapas sob o controlo da pessoa que reduzirão o risco de doenças graves relacionadas à COVID-19.”

O impacto do exercício nos resultados do COVID-19 soma-se à sua capacidade comprovada de prevenir ou diminuir o impacto na diabetes, hipertensão, doença arterial coronária, depressão, osteoporose e até mesmo demência. Os exercícios também ajudam a reduzir o risco de cancro da mama e cólon e aumenta a expectativa de vida das pessoas diagnosticadas.

“Se pudéssemos agarrar todos os benefícios do exercício para a saúde, seria literalmente a ‘pílula mágica’ que usaríamos para tratar quase tudo”, disse Jessica Butts. “Nada mais que possamos fazer na medicina pode afetar tantos estados de doença”.

Os profissionais da Penn State Health acreditam tanto no poder do exercício que estão a testar um sinal vital de atividade física. Envolve a equipa de saúde que pergunta aos pacientes sobre exercícios (“Quantos dias por semana faz exercido? E durante quanto tempo?”) Durante a avaliação pré-consulta. As respostas serão mantidas na ficha digital de cada paciente.

“Ninguém vai julgar a pessoa por admitir que não fazer exercido regularmente, na verdade, a maioria das pessoas não faz exercícios suficientes”, disse Jessica Butts, e acrescentou: “Mas se pudermos aumentar apenas um pouco o nível de exercício, começaremos a sentir benefícios para a saúde.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!