Exoplanetas com maior variedade de vida que a Terra

Estudo desenvolvido por equipa de cientistas da Universidade de Chicago concluiu que alguns exoplanetas podem ter melhores condições de vida do que a própria Terra. Os cientistas analisaram a circulação oceânica nos exoplanetas.

0
Exoplanetas com maior variedade de vida que a Terra
Exoplanetas com maior variedade de vida que a Terra. Imagem: NASA/JPL-Caltech

Um novo estudo concluiu que alguns exoplanetas podem ter melhores condições de vida do que a própria Terra. Para a investigadora Stephanie Olson, da Universidade de Chicago, “esta é uma conclusão surpreendente”, pois “mostra-nos que as condições em alguns exoplanetas com padrões de circulação oceânica favoráveis podem ser mais adequadas para suportar vida mais abundante ou mais ativa que a vida na Terra”.

A descoberta de exoplanetas acelerou a procura por vida fora do nosso sistema solar. As enormes distâncias a que se encontram estes exoplanetas significam que são efetivamente impossíveis de alcançar com as sondas espaciais, por isso os cientistas estão a trabalhar com ferramentas de deteção remota, como telescópios, para entender quais as condições que prevalecem em diferentes exoplanetas. A compreensão das observações remotas exige o desenvolvimento de modelos sofisticados de clima e evolução planetária que permitam aos cientistas reconhecer quais desses planetas distantes podem abrigar vida.

Stephanie Olson apresentou uma nova síntese do trabalho no Goldschmidt Geo Chemistry Congress, em Barcelona, onde descreveu a procura para identificar os melhores ambientes para a vida em exoplanetas.

“A procura da NASA pela vida no Universo está focada nos chamados planetas da Zona Habitável, que são mundos que têm potencial para possuíres oceanos de água líquida. Mas nem todos os oceanos são igualmente hospitaleiros – e alguns oceanos serão melhores lugares para se viver do que outros devido aos seus padrões de circulação global” esclareceu a investigadora.

A equipa liderada por Stephanie Olson modelou as prováveis condições em diferentes tipos de exoplanetas usando o software específico desenvolvido pelo Instituto Goddard de Estudos Espaciais, da NASA, para simular os climas e habitats oceânicos de diferentes tipos de exoplanetas.

“Nosso trabalho tem como objetivo identificar os oceanos exoplanetas que têm maior capacidade de albergar globalmente vida abundante e ativa. A vida nos oceanos da Terra depende de afloramento (fluxo ascendente) que devolve nutrientes das profundezas escuras do oceano às camadas iluminadas pelo sol, ao oceano onde é vivida a vida fotossintética. Mais ressurgência significa mais reabastecimento de nutrientes, o que significa mais atividade biológica. Estas são as condições que precisamos procurar nos exoplanetas” esclareceu a investigadora.

Os cientistas modelaram uma variedade de exoplanetas possíveis e puderam definir quais tipos de exoplanetas que têm melhores probabilidades de desenvolver e sustentar biosferas prósperas.

Para esta classificação foi utilizado “um modelo de circulação oceânica para identificar quais planetas que podem ter a ressurgência mais eficiente e, assim, oferecer oceanos particularmente hospitaleiros”, o que permitiu “descobrir que uma densidade atmosférica mais alta, taxas de rotação mais lentas e a presença de continentes geram taxas de ressurgimento mais altas e é por isso que a Terra pode não ser idealmente habitável – e a vida em outros lugares pode desfrutar de um planeta que é ainda mais hospitaleiro do que o nosso”.

A investigadora considera que “haverá sempre limitações para nossa tecnologia, pelo que a vida é quase certamente mais comum que a vida ‘detetável’. Isto significa que, na procura pela vida no Universo, devemos direcionar o subconjunto de planetas habitáveis que será mais favorável a grandes biosferas globalmente ativas, porque esses são os planetas onde a vida será mais fácil de detetar”.

Stephanie Olson observou que ainda não existem telescópios capazes de identificar os exoplanetas mais apropriados e testar a hipótese de vida. Para Chris Reinhard, do Instituto de Tecnologia da Geórgia, espera-se “que os oceanos sejam importantes na regulação de alguns dos mais convincentes sinais de vida detetáveis remotamente em mundos habitáveis, mas a nossa compreensão dos oceanos além do nosso sistema solar é atualmente muito rudimentar”, e assim, “o trabalho de Stephanie Olson representa um passo significativo e estimulante na nossa vida, a compreensão da oceanografia exoplaneta”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!