Florestas antigas da Europa estão em risco

Investigação de avaliação das florestas primárias do continente europeu mostra muitas florestas antigas desprotegidas e em destruição, e florestas que podem ser restauradas. As florestas antigas são um legado, e um “tesouro vivo” a preservar.

0
Florestas antigas da Europa estão em risco
Florestas antigas da Europa estão em risco. Foto: Hanns Kirchmeir

As florestas antigas como as catedrais antigas são um legado notável na Europa, mas ainda mal compreendido. Paisagens de florestas primitivas, espalhadas em encostas e vales em muitos países, são um “tesouro vivo”, referiu o cientista Bill Keeton, da Universidade de Vermont (UVM), EUA.

Um novo estudo, realizado por cientistas de 28 instituições, incluindo a UVM, apresenta a primeira avaliação abrangente do estado de conservação das florestas primárias na Europa, e mostra que muitas delas não estão protegidas e correm o risco de serem destruídas.

Recolhidos dados e feito o mapeamento durante cinco anos, a investigação da equipa de cientistas deixa claro que as florestas antigas da Europa estão num estado perigoso, e que muitas delas continuam a ser destruídas. Os investigadores concluíram que a conservação dessas florestas deve ser uma prioridade para os países cumprirem as metas de mudança climática e de biodiversidade.

“Embora muitas florestas primárias estejam a ser bem protegidas, também encontramos muitas regiões onde não estão – particularmente onde as florestas primárias ainda são comuns”, referiu Francesco Sabatini, o principal autor do estudo do Centro Alemão para Investigação Integrativa de Biodiversidade e da Universidade Martin Luther, Halle-Wittenberg, Alemanha. “E onde estão protegidas, em alguns casos, o nível de proteção é inadequado para garantir que essas florestas continuem protegidas a longo prazo.”

O estudo também destaca que as florestas primárias remanescentes estão distribuídas de forma muito desigual pela Europa. “Algumas regiões, especialmente na Escandinávia e Finlândia, bem como na Europa Oriental, ainda têm muitas florestas primárias. Mas muitas vezes esses países não percebem como suas florestas são únicas na escala europeia e como é importante protegê-las”, referiu o autor sénior Tobias Kuemmerle, da Universidade Humboldt de Berlim, Alemanha.

O cientista acrescentou: “Ao mesmo tempo, ficamos chocados ao ver que existem muitos tipos de florestas naturais na Europa sem nenhuma floresta primária remanescente, especialmente na Europa Ocidental.”

A União Europeia apresentou recentemente uma nova Estratégia de Biodiversidade para 2030 que destaca o valor das florestas primárias, e os resultados deste novo estudo fornecem informações valiosas para a implementação dessa estratégia.

Os resultados da nova investigação já foram publicados na revista Diversity and Distributions.

O que resta?

Investigação anterior elaborada pela mesma equipa mostrou que muitas florestas primárias ainda permanecem na Europa e foram modeladas onde outras modelações provavelmente ocorrerão. “Mas o que não sabíamos: Essas florestas primárias remanescentes representam os 54 tipos de floresta encontrados na Europa? Quanto de cada tipo de floresta é protegido? E onde estão as oportunidades para restaurar florestas antigas?” referiu Bill Keeton da UVM , segundo autor do novo estudo, professor de ecologia florestal e silvicultura na Escola Rubenstein de Meio Ambiente e Recursos Naturais e membro do Instituto Gund para o Meio Ambiente. “Esta investigação responde a estas questões críticas.”

As florestas primárias são florestas sem sinais de uso humano no passado e onde os processos ecológicos não são interrompidos pela influência humana. “As florestas primárias e antigas têm um grande valor para a biodiversidade, para a mitigação do carbono e do clima, para a resiliência às inundações e outros valores ecológicos – e são importantes como parte do legado histórico da Europa, assim como as antigas cidades e catedrais”, referiu Bill Keeton. Na Europa, onde milénios de uso da terra transformaram paisagens florestais, muito poucas dessas florestas permanecem, e essas são encontradas principalmente em áreas remotas e relativamente improdutivas.

Cortesia de Francesco Sabatini, al.

O mapa mostra as lacunas na conservação das florestas primárias europeias. “Lacunas de proteção” são florestas primárias desprotegidas; “lacunas de melhoria” são florestas primárias protegidas fora de parques ou reservas estritamente protegidos; e “lacunas de restauração” são florestas em áreas favoráveis ​​à restauração de tipos de floresta que exigiriam restauração para atingir uma meta de floresta primária de 17%.

O novo estudo encontrou um “viés substancial”, escrevem os cientistas, em como essas florestas primárias remanescentes são distribuídas entre os tipos de floresta. Dos 54 tipos de floresta que avaliaram, eles descobriram que seis não tinham nenhuma floresta remanescente. E em dois terços dos tipos de floresta, eles descobriram que menos de um por cento era vegetação antiga. E apenas dez tipos de floresta tinham mais da metade de seu antigo crescimento estritamente protegido.

Em outras palavras, mesmo que escassas e insubstituíveis, muitas dessas florestas primárias não são legalmente protegidas e continuam a ser exploradas na Europa. No entanto, com uma ação rápida, proteções de conservação estritas sobre aquelas que permanecem podem ser implementadas, os cientistas indicam que mais florestas antigas e os seus muitos valores podem ser restaurados.

Restauração de florestas

“A Notre Dame ardeu, mas está a ser restaurada”, referiu Bill Keeton da UVM. “Não será exatamente igual à construção original – e há um debate sobre os detalhes arquitetónicos e que estilo usar para a torre – mas ela voltará como um lugar inspirador e antigo para reflexão e adoração. A restauração ativa de florestas antigas é semelhante. Não vamos criar exatamente o que estava lá antes, mas muitas funções, como habitat e armazenamento de carbono, podem retornar.” O novo estudo identifica muitas das áreas mais promissoras para esse tipo de trabalho.

“A restauração florestal para estabelecer florestas primárias levará muito tempo, mas é atraente porque essas florestas não só beneficiarão a biodiversidade, mas também armazenarão muito carbono e, portanto, ajudarão a mitigar as mudanças climáticas”, disse Tobias Kuemmerle. “A boa notícia é que existem enormes oportunidades para restaurar florestas primárias mesmo dentro das áreas protegidas existentes, o que significa que os esforços de restauração não exigiriam necessariamente a redução da área de florestas usadas para a produção de madeira.”

“Agora é a hora de ser ambicioso. Há, no momento, um grande impulso para a conservação e restauração de florestas na Europa”, disse Francesco Sabatini, em parte por causa da Estratégia de Biodiversidade da União Europeia para 2030, que reconhece explicitamente o valor insubstituível das florestas primárias. “Nosso estudo fornece uma base para colocar essa estratégia em prática”, referiu o cientista.

“O nosso trabalho mostra que todas as florestas primárias remanescentes na Europa poderiam ser protegidas com uma expansão modesta de áreas protegidas”, referiu Bill Keeton da UVM, e acrescentou: “Acho que este estudo mudará todo o diálogo em torno da restauração de florestas antigas na Europa, destacando onde seria muito valiosa.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!