Iceberg A-68A no Oceano Atlântico Sul está a ficar mais fino 2,5 cm por dia

Cientistas estão a seguir e a monitorar com medições o colossal iceberg A-68A que se desloca no Oceano Atlântico Sul e verificara que está a diminuir de espessura em média 2,5 cm por dia. Os cientistas mostram-se preocupados com um possível impacto nos ecossistemas.

0

Imagens mais recentes do iceberg A-68A que se desloca no Oceano Atlântico Sul revelam que se partiu em vários, e que dois grandes fragmentos que se desprenderam do iceberg principal flutuam agora em oceano aberto, indicou a Agência Espacial Europeia (ESA).

Os cientistas estão a usar dados de satélite para monitorar o percurso e atividade do iceberg pelo Oceano Atlântico Sul, estudando a constante mudança do iceberg.

O colossal iceberg A-68A – um dos maiores icebergs de todos os tempos – deslizou lentamente para o norte desde que se libertou da plataforma de gelo Larsen-C em julho de 2017, e esteve a flutuar perigosamente perto da Geórgia do Sul no último mês.

Cientistas marinhos temem que a presença do iceberg prejudique o frágil ecossistema que prospera ao redor da ilha, seja pela raspagem da quilha do iceberg no fundo do mar ou pela libertação maciça de água doce fria no oceano circundante. A aproximação do iceberg da costa depende da profundidade da quilha. As medições da mudança da forma do iceberg têm sido impossíveis de realizar com segurança.

Os cientistas do Centro de Observação e Modelagem Polar da Universidade de Leeds, usando dados de quatro satélites diferentes, produziram a primeira avaliação da mudança de forma do iceberg.

A equipa de cientistas construiu primeiro um mapa da espessura inicial dos icebergs a partir de medições registadas pelo radar altímetro do satélite CryoSat da ESA nos 12 meses anteriores ao desprendimento. O mapa detalhado revela que o A-68 tinha originalmente, em média, 232 m de espessura e 285 m no ponto mais espesso. O iceberg tem canais de 30 m de profundidade orientados paralelamente ao seu lado estreito, seguindo a direção que a plataforma de gelo de Larsen estava a fluir para o mar antes do rompimento – uma característica comum relacionada ao derretimento no oceano.

Desde que está à deriva no oceano, a posição e a forma do iceberg foram capturadas numa sequência de 11 imagens por dois satélites diferentes – a missão Copernicus Sentinel-1 , que tem um radar de imagem para todas as condições climáticas e durante todo o ano, e o MODIS da NASA, que regista imagens visíveis a olho nu.

Iceberg A-68A no Oceano Atlântico Sul está a ficar mais fino 2,5 cm por dia
Iceberg A-68A no Oceano Atlântico Sul está a ficar mais fino 2,5 cm por dia. Foto: Universidade de Leeds

As imagens mostram que o tamanho do iceberg diminui para metade, de uma área inicial de 5.664 km2 para sua extensão atual de apenas 2.606 km2. Uma grande parte desta perda foi devida ao desprendimento de icebergs menores, alguns dos quais ainda continuam à superfície das águas.

Os perfis da altura do iceberg também foram registados em oito ocasiões distintas, uma vez que derivou e girou no oceano pelo CryoSat e pelo altímetro a laser ICESat-2 da NASA, que está em órbita desde setembro de 2018. As imagens de satélite coincidentes tornaram possíveis os perfis de altura do altímetro em relação à posição inicial do iceberg e calcular as mudanças de espessura ao longo do tempo.

Em média, o iceberg diminuiu em 32 m, e em mais de 50 m em algumas partes – cerca de um quarto da espessura inicial. Quando combinadas, a mudança na espessura e na área equivalem a uma redução de 64% no volume do iceberg de 1467 para 526 quilómetros cúbicos.

A futura trajetória do iceberg depende da profundidade da quilha em relação ao oceano circundante. Embora a Geórgia do Sul esteja num local remoto do Oceano Atlântico Sul, é cercada por águas relativamente pouco profundas que se estendem por dezenas de quilómetros pelo oceano.

Na seção mais espessa, o iceberg A-68A tem atualmente uma quilha de 206 m de profundidade e, portanto, é improvável que a seção principal se aproxime muito mais da ilha até que se dilua ou se separe. No entanto, dois fragmentos relativamente grandes que se soltaram em 21 de dezembro são consideravelmente mais finos, com quilhas que vão até aos 50 m e, portanto, representam a maior ameaça imediata.

Desde que se libertou, a taxa média de derretimento do A-68 tem sido de 2,5 centímetros por dia e agora o iceberg está despejando 767 metros cúbicos de água doce por segundo no oceano circundante, o equivalente a 12 vezes a água que o rio Tamisa despeja no mar.

A equipa de cientistas vai continuar a monitorar o A-68A e as suas partes remanescentes como parte da avaliação contínua das regiões polares da Terra.

Anne Brackmann-Folgmann, a fazer o doutoramento na Universidade de Leeds, referiu: “Os icebergs podem ter grandes impactos ambientais, incluindo perturbar a circulação oceânica, ecossistemas marinhos e podem bloquear a rota entre as colónias de pinguins e as suas áreas de alimentação durante a temporada de reprodução. Com o CryoSat, podemos rastrear mudanças de espessura, fornecendo um aviso prévio de quando e onde os icebergues podem encalhar.”

Jamie Izzard, investigador da Universidade de Leeds, disse: “Altímetros de satélite permitem medir o terreno do iceberg com uma incrível precisão, permitindo-nos detetar características sutis como a depressão superficial acima do canal basal que era a linha de fraqueza ao longo da qual os últimos icebergs pariram.”

Tommaso Parrinello, CryoSat Mission Manager da ESA, disse: “É fantástico saber que mesmo nas partes mais remotas do nosso planeta, satélites como o CryoSat são capazes de lançar luz sobre eventos como este e ajudar-nos a monitorizar o nosso ambiente e graças às mudanças recentes da órbita CryoSat para sincronizar com o ICESat-2, veremos mais resultados no futuro, provenientes da combinação das duas medições do satélite.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!