Identificado o mecanismo que impulsiona a morte pela COVID-19

Uma enzima relacionada às neurotoxinas encontradas no veneno da cobra-cascavel foi identificada, por investigadores, como o principal mecanismo molecular envolvido na morte pela COVID-19. A descoberta pode levar a medicamentos contra a COVID-19.

0
Identificado o mecanismo que impulsiona a morte pela COVID-19
Identificado o mecanismo que impulsiona a morte pela COVID-19. Foto: 169 Rosa Pinto

Uma enzima que tem um papel decisivo na inflamação grave pode ser um mecanismo-chave que impulsiona a gravidade da COVID-19. A enzima pode fornecer um novo alvo terapêutico para reduzir a mortalidade pela COVID-19, conclui estudo investigação.

O estudo já publicado no Journal of Clinical Investigation envolveu investigadores da University of Arizona, em colaboração com a Stony Brook University e a Wake Forest University School of Medicine. Os investigadores analisaram amostras de sangue de duas coortes de pacientes de COVID-19 e descobriram que a circulação da enzima – fosfolipase A2 secretada pelo grupo IIA, ou sPLA2-IIA – pode ser o fator mais importante na previsão de quais os pacientes com COVID-19 grave que eventualmente sucumbem ao vírus.

O sPLA2-IIA, que tem semelhanças com uma enzima ativa no veneno de cobra-cascavel, é encontrado em baixas concentrações em indivíduos saudáveis ​​e há muito tempo é conhecida por desempenhar um papel crítico na defesa contra infeções bacterianas, destruindo as membranas das células microbianas.

Quando a enzima ativada circula em níveis elevados, ela tem a capacidade de “triturar” as membranas de órgãos vitais, disse Floyd (Ski) Chilton, autor sénior do estudo.

“É uma curva em forma de sino de resistência a doenças versus tolerância do hospedeiro”, disse Floyd (Ski) Chilton. “Por outras palavras, essa enzima está a tentar matar o vírus, mas a certa altura é libertada em quantidades tão altas que conduz a situações graves, destruindo as membranas celulares do paciente e, assim, a contribuir para a falência de múltiplos órgãos e para a morte.”

Juntamente com os inibidores de sPLA2-IIA testados clinicamente, “o estudo apoia um novo alvo terapêutico para reduzir ou até mesmo prevenir a mortalidade pela COVID-19”, disse o coautor do estudo Maurizio Del Poeta, da Stony Brook University.

Charles McCall, investigador principal da Wake Forest University envolvido no estudo refere que que a enzima é como um “triturador” pela sua conhecida prevalência em eventos inflamatórios graves, como sepse bacteriana, choque hemorrágico e cardíaco.

Investigações anteriores mostraram como a enzima destrói as membranas das células microbianas em infeções bacterianas, bem como sua ancestralidade genética semelhante com uma enzima chave encontrada no veneno de cobra.

Floyd Chilton referiu que a proteína “compartilha uma alta homologia de sequência com a enzima ativa no veneno da cascavel e, como o veneno que percorre o corpo, tem a capacidade de se ligar a recetores nas junções neuromusculares e potencialmente desativar a função desses músculos”.

“Aproximadamente um terço das pessoas desenvolve COVID longo, e muitos deles eram indivíduos ativos que agora não podem andar 100 metros. A questão que estamos a investigar agora é: se esta enzima ainda é relativamente alta e ativa, e se pode ser responsável por parte dos resultados da COVID longa que estamos a ver? ”, questiona o investigador.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!