Infeção por COVID-19 pode levar a doença de Parkinson

Há evidências que os danos à saúde pela COVID-19 podem estabelecer a base para o desenvolvimento da doença de Parkinson. COVID-19 é uma grande e contínua ameaça à saúde pública, com consequências a durarem por muitos anos.

0
Infeção por COVID-19 pode levar a doença de Parkinson. Patrik Brundin. Foto: Van Andel Institute

Três estudos indicam casos de pessoas que desenvolveram sintomas semelhantes aos da doença de Parkinson, nas semanas após a infeção pelo SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19. Estes casos, ainda que raros, fornecem informações importantes sobre as possíveis implicações das infeções a longo prazo, indicaram Patrik Brundin, do Instituto Van Andel, Avindra Nath, do Instituto Nacional de Doenças Neurológicas e Derrame dos Institutos Nacionais de Saúde, e J. David Beckham, da Universidade do Colorado, nos EUA.

“Enquanto continuamos a lutar contra a pandemia COVID-19, também devemos considerar as implicações da mesma para o futuro”, referiu Patrik Brundin. “Há evidências de que os efeitos colaterais da infeção por COVID-19, como inflamação e danos ao sistema vascular, podem estabelecer a base para o desenvolvimento da doença de Parkinson. A COVID-19 é claramente uma grande e contínua ameaça à saúde pública, mas as consequências da infeção podem afetar a nossa saúde durante muitos anos. ”

A doença de Parkinson é um distúrbio multissistémico que começa anos ou mesmo décadas antes do aparecimento dos sintomas característicos relacionados ao movimento. Evidências crescentes sugerem que a doença de Parkinson surge de uma combinação complexa de fatores que variam de pessoa para pessoa, incluindo idade, predisposição genética, histórico de infeções e exposição a certos fatores ambientais, como poluição ou pesticidas.

As infeções virais, em particular, podem desempenhar um papel no desencadeamento dos estágios iniciais da Parkinson, desencadeando uma cascata que resulta na morte das células cerebrais que produzem dopamina, um mensageiro químico vital cuja ausência leva a problemas de movimento, como congelamento e tremor.

Os três casos objeto de estudos ocorreram em pessoas sem histórico familiar de Parkinson e sem quaisquer sintomas iniciais de Parkinson conhecidos. Dois doentes observaram melhoras nos sintomas semelhantes aos do Parkinson após o tratamento com medicamentos tradicionais para Parkinson que repor a dopamina, e o terceiro recuperou espontaneamente. Embora os medicamentos tratem os sintomas, eles geralmente têm efeitos colaterais desafiadores e não diminuem ou interrompem a progressão do Parkinson.

“O SARS-CoV-2 é considerado um vírus respiratório, no entanto, a sua virulência e potencial patogénico, particularmente para complicações neurológicas, continua a surpreender-nos”, referiu Avindra Nath. “Alguns pacientes podem desenvolver manifestações neurológicas graves, apesar dos sintomas respiratórios leves.”

Com base nas evidências dos estudos de caso e no que se sabe sobre os mecanismos subjacentes à Parkinson, os investigadores sugerem três maneiras possíveis da infeção por COVID-19 contribuir para o aparecimento da doença de Parkinson:

1.COVID-19 está relacionado a coágulos sanguíneos e a outros problemas com o sistema vascular, incluindo o cérebro. Esses insultos vasculares podem causar danos à área do cérebro que produz dopamina, o que subsequentemente pode resultar numa perda de dopamina que reflete a doença de Parkinson.

2.Existe uma ligação já demonstrada entre a inflamação crónica e a doença de Parkinson. É possível que a inflamação grave resultante da COVID-19 possa desencadear inflamação do cérebro e morte celular associada à doença de Parkinson.

3.O SARS-CoV-2 pode ser um vírus neurotrópico, o que significa que ataca o sistema nervoso. Por causa disso, a COVID-19 e a doença de Parkinson compartilham alguns sintomas iniciais, como a perda do olfato e problemas intestinais. Além disso, a infeção com SARS-CoV-2 pode levar a um aumento da alfa-sinucleína, uma proteína associada à doença de Parkinson (isto foi observado em outras infeções virais).

Embora os casos objeto de estudo não provem que a infeção pela COVID-19 causa a doença de Parkinson, os estudos sugerem uma possível relação problemática entre o vírus e as doenças neurodegenerativas subsequentes.

Infeção por COVID-19 pode levar a doença de Parkinson
Infeção por COVID-19 pode levar a doença de Parkinson. infografia: Van Andel Institute

“O grande número de casos respiratórios devido ao SARS-CoV2 permitiu-nos entender e analisar complicações neurológicas importantes de infeções respiratórias graves por vírus,” referiu David Beckham. “É importante que continuemos as nossas investigações científicas sobre este novo vírus para que possamos entender todas as complicações a curto e longo prazo da pandemia de COVID-19.”

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!