Mães que bebem leite durante amamentação diminuem risco das crianças vir a ter alergia alimentar

Estudo de investigação mostra que as mães que consomem leite de vaca enquanto amamentam os filhos estão a contribuir para que as crianças tenham risco diminuído de virem a sofrer de alergias alimentares.

0
Mães que bebem leite durante amamentação diminuem risco das crianças vir a ter alergia alimentar
Mães que bebem leite durante amamentação diminuem risco das crianças vir a ter alergia alimentar. Foto: John Browne / Chalmers University of Technology

As mães que bebem leite de vaca durante a amamentação estão a contribuir para que as crianças filhos tenha um risco reduzido de desenvolver alergias alimentares. A conclusão é de um estudo de investigadores da Chalmers University of Technology, Suécia, já publicado na revista científica Nutrients.

O estudo foi desenvolvido abrangendo mais de 500 hábitos alimentares de mulheres suecas e a prevalência de alergias nos filhos com um ano de idade.

“Descobrimos que mães de crianças saudáveis ​​de um ano consumiam mais leite de vaca durante a amamentação do que mães de crianças alérgicas de um ano. Embora a associação seja clara, não podemos afirmar que beber leite de vaca será uma cura geral para as alergias alimentares,” referiu Mia Stråvik, autora do estudo, Divisão de Ciência dos Alimentos da Chalmers University of Technology.

Existem muitos fatores por trás do risco de alergia alimentar, incluindo a predisposição genética. No entanto, Mia Stråvik explicou: “A dieta é um fator em que os próprios pais podem ter influência direta. Atualmente é bastante comum as mulheres jovens evitarem beber leite, em parte devido às tendências e preocupações prevalecentes, algumas das quais estão ligadas a mitos sobre dieta.”

A investigadora referiu que a alergia à proteína do leite é incomum em adultos, então a maioria das mulheres pode consumir leite e produtos lácteos sem problemas. A intolerância à lactose é algo completamente diferente, quando o corpo não consegue quebrar os açúcares do leite. E, neste caso, os laticínios sem lactose são tolerados pelo organismo.

Para a investigadora Ann-Sofie Sandberg, que supervisionou o trabalho ​​de Mia Stråvik, uma possível explicação pode ser que o leite da dieta da mãe contém substâncias que estimulam a maturidade do sistema imunológico. “No desenvolvimento inicial da criança, há uma janela de tempo em que a estimulação do sistema imunológico é necessária para que a criança desenvolva tolerância a diferentes alimentos”.

De acordo com algo conhecido como hipótese da higiene, o contato precoce com vários microrganismos pode funcionar como uma espécie de impulso para o sistema imunológico de uma criança, explicou a investigadora.

“Mas, com a menor prevalência de microrganismos em que a nossa sociedade é mais higiénica, as substâncias ingeridas pela dieta da mãe podem ser outra forma de estimular a maturidade do sistema imunológico.”

O estudo de Mia Stråvik não é o primeiro a relacionar o leite de vaca na dieta da mãe a um risco reduzido de alergias em crianças. Estudos anteriores, no entanto, muitas vezes basearam-se apenas em respostas a questionários – tanto em termos de hábitos alimentares como da presença de alergias. Neste estudo, tanto os dados quanto as conclusões são significativamente mais robustos.

“Neste estudo, pudemos realmente verificar a ingestão relatada de leite e produtos lácteos pelas mulheres por meio de biomarcadores no sangue e no leite materno. Os biomarcadores são dois ácidos gordos formados no estômago da vaca, que são específicos para produtos lácteos”, disse Mia Stråvik. “Além disso, todos os casos de alergia em crianças foram diagnosticados por um médico especialista em alergia infantil.”

O estudo é parte de um projeto de investigação mais extenso construído em torno de um estudo de coorte familiar de 655 famílias que deram à luz no Hospital Sunderby perto de Luleå, no norte da Suécia, durante os anos de 2015 a 2018. O projeto foi iniciado e a coorte estabelecida por Ann-Sofie Sandberg, Agnes Wold da Universidade de Gotemburgo e a médica-chefe e alergista pediatra Anna Sandin, afiliada à Universidade de Umeå e ao Hospital Sunderby.

As mães envolvidas no estudo, mais de 500, deram relatos detalhados dos hábitos alimentares em três momentos: na 34ª semana de gravidez; um mês após o nascimento e quatro meses após o nascimento. Com um ano de idade, as crianças foram examinadas clinicamente, e todos os casos de alergia alimentar, eczema atópico e asma foram identificados.

Depois que o material foi ajustado para vários outros fatores, como predisposição hereditária ou causa reversa, os investigadores estabeleceram que havia de facto uma conexão clara entre a ingestão de leite e produtos lácteos pela mãe e a menor incidência de alergia alimentar nos seus filhos.

“Não importa como olhamos e interpretamos os dados, chegamos à mesma conclusão”, afirmou a investigadora Ann-Sofie Sandberg e a coautora Malin Barman. “Os mecanismos por trás do leite para este ter o efeito preventivo contra alergias ainda não estão claras.”

Outro resultado do estudo destacado por Mia Stråvik é que os filhos de mães que amamentam, que na medição de quatro meses comiam muitas frutas e bagas, tendiam a sofrer de eczema em muito maior grau, mas enfatizou que são necessários mais estudos antes que se tenha a certeza sobre esta conexão.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!