Medicamento para cancro da próstata não é eficaz em doentes com anomalia genética.

Nova investigação de equipa da Cleveland Clinic concluiu que pacientes com cancro da próstata, que possuem uma variante genética, não respondem aos medicamentos mais comuns usados no tratamento. O estudo aponta para terapêutica alternativa.

0
Medicamento para cancro da próstata não é eficaz em doentes com anomalia genética.
Medicamento para cancro da próstata não é eficaz em doentes com anomalia genética. Nima Sharifi, Cleveland Clinic Lerner Research Institute. Foto:© Cleveland Clinic

Uma anomalia genética em alguns homens com cancro da próstata pode afetar a resposta aos medicamentos mais comuns usados ​​para tratar a doença, concluiu um novo estudo de investigação da Cleveland Clinic. Os resultados do estudo podem fornecer informação importante que permita identificar quais os doentes que potencialmente possam ser tratados com uma terapêutica alternativa.

No estudo publicado recentemente no Journal of Clinical Investigation, os investigadores descobriram que a abiraterona, um fármaco comum usado contra o cancro da próstata, produz altos níveis de um subproduto semelhante à testosterona em homens com a doença avançada de cancro da próstata e que têm uma variante genética específica.

Nima Sharifi, investigador principal do estudo, do Departamento de Biologia do Cancro do Cleveland Clinic Lerner Institute, descobriu anteriormente que homens com cancro da próstata agressivo que têm uma variante específica no gene HSD3B1 têm piores resultados do que os pacientes sem essa variante. O gene HSD3B1 codifica uma enzima que permite que as células cancerosas usem andrógenos adrenais como combustível. Esta enzima é hiperativa em pacientes com a variante do HSD3B1.

No novo estudo, a equipa de Nima Sharifi, que inclui Mohammad Alyamani, primeiro autor do estudo, descobriu que os homens com anomalia genética metabolizam a abiraterona de maneira diferente dos homens sem essa variante genética.

“Temos esperanças que estas descobertas nos levem a adequar melhor os tratamentos do cancro da próstata com base na composição genética específica de um paciente”, referiu o investigador Nima Sharifi. O investigador considera que são necessários mais estudos mas há já “fortes evidências de que o status da HSD3B1 afeta o metabolismo da abiraterona e provavelmente sua eficácia” e conclui que se isto se confirmar, espera possa ser “identificado um fármaco alternativo que possa ser mais eficaz em homens com a anomalia genética.”

A terapêutica tradicional para o cancro da próstata avançado, a designada terapia de privação androgênica (ADT), bloqueia o suprimento de andrógenos, ou hormônios masculinos, das células, que usam para crescer e se espalhar. Enquanto a ADT é bem-sucedida no início, as células cancerígenas crescem resistentes, permitindo que a doença progrida para uma fase letal chamada cancro da próstata resistente à castração (CRPC, sigla em inglês). Em CRPC, as células cancerígenas utilizam uma fonte alternativa de andrógenos produzidos nas glândulas suprarrenais, e a abiraterona bloqueia esses andrógenos adrenais.

No estudo, os investigadores examinaram subprodutos de moléculas pequenas de abiraterona em vários grupos de homens com CRPC e descobriram que os doentes com a variante do gene tinham altos níveis de um metabólito chamado 5α-abiraterona. O metabolito engana os recetores androgénicos para ativar vias perigosas pró-cancro. Notavelmente, este subproduto da abiraterona – que é projetado para bloquear andrógenos pode comportar-se como um andrógeno e fazer com que as células do cancro da próstata cresçam, pelo que os investigadores consideram que é necessário, como passo importante, Investigar o impacto da abiraterona nos resultados clínicos em pacientes com CRPC.

Eric Klein, presidente da Cleveland Clinic Glickman Urological and Kidney Institute, referiu: “Este estudo aumenta a nossa compreensão sobre o efeito deletério das variantes do gene HSD3B1 e promete abordagens de medicina de precisão no tratamento de homens com cancro da próstata avançado.”

“Este estudo ajuda a definir uma nova via de resistência para a abiraterona, uma terapêutica comum usada em pacientes com cancro da próstata avançado. Os resultados podem permitir a seleção de diferentes terapias sistémicas para pacientes portadores de certas alterações genéticas no gene HSD3B1” indicou Howard Soule, vice-presidente executivo e diretor científico da Fundação do Cancro da Próstata.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!