Medicamentos Lopinavir-Ritonavir e Arbidol não são eficazes no tratamento da COVID-19

Antiviral Lopinavir-Ritonavir, para o HIV-1, e o antiviral Arbidol para a gripe, não são eficazes no tratamento da COVID-19. As conclusões são de um ensaio clínico realizado na China, no Hospital de Guangzhou, e agora divulgado.

0
Medicamentos Lopinavir-Ritonavir e Arbidol não são eficazes no tratamento da COVID-19
Medicamentos Lopinavir-Ritonavir e Arbidol não são eficazes no tratamento da COVID-19

Um estudo exploratório, randomizado e controlado sobre a segurança e eficácia dos medicamentos lopinavir-ritonavir (LPV / r) e Arbidol, em tratamentos da COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, mostrou que e nenhum dos medicamentos melhora o resultado clínico dos pacientes hospitalizados com casos leves a moderados da doença em relação aos cuidados de suporte.

Linghua Li, vice-diretor do Centro de Doenças Infeciosas do Hospital de Guangzhou, na China, referiu que os resultados do estudo indicam que o antiviral usado ​​em alguns países contra o HIV-1, o lopinavir / ritonavi, e o antiviral Arbidol usado no tratamento da gripe, não beneficiam “os resultados clínicos dos pacientes e que podem trazer alguns efeitos colaterais”.

Os investigadores optaram por estudar o LPV / r e o Arbidol porque os antivirais foram selecionados como candidatos ao tratamento da COVID-19 numa orientação emitida em 19 de fevereiro de 2020 pela Comissão Nacional de Saúde da China, com base em testes celulares in vitro e testes clínicos anteriores de SARS e MERS. Outros investigadores também descobriram que o LPV / r não melhorou os resultados de pacientes com COVID-19 grave.

O estudo avaliou 86 pacientes com COVID-19 leve a moderado, com 34 designados aleatoriamente para receber LPV / r, 35 para Arbidol e 17 sem medicação antiviral como controlo. Todos os três grupos apresentaram resultados semelhantes aos 7 e 14 dias, sem diferenças entre os grupos nas taxas de redução da febre, alívio da tosse ou melhora da tomografia computadorizada do tórax. Os pacientes de ambos os grupos experimentaram eventos adversos, como diarreia, náusea e perda de apetite durante o período de acompanhamento, enquanto nenhum evento adverso aparente ocorreu no grupo controlo.

“As nossas descobertas sugerem que precisamos agir de forma cautelosa antes de usar estes medicamentos”, referiu Linghua Li. “Os investigadores precisam continuar trabalhar para encontrar um regime antiviral realmente eficaz contra a COVID-19, mas, enquanto isso, quaisquer conclusões sobre regimes antivirais precisam de ensaios clínicos científicos rigorosos e cautela adequada”.

Mas o investigador indica que o público em geral não deve entrar em pânico apenas porque atualmente há nenhum medicamento antiviral específico para o tratamento da COVID-19. “A quarentena e uma boa proteção pessoal podem ajudar a impedir um infeção de COVID-19 e, mesmo em caso de infeção, o atual tratamento abrangente ainda pode permitir que a grande maioria dos pacientes recupere saúde “.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!