Medicamentos para asma reduzem a metade o risco de doença de Parkinson

Investigadores noruegueses em colaboração com colegas da Universidade de Harvard descobriram que medicamentos para a asma reduzem em 50% os riscos de doença de Parkinson. A descoberta pode dar início a um novo tratamento da doença.

0
4
Partilhas
Trond Riise
Trond Riise. Foto: Kim E. Andreassen, University of Bergen.

Investigadores do Departamento de Saúde Pública Global e Cuidados Primários (IGS) da Universidade de Bergen em colaboração com investigadores da Universidade de Harvard concluíram um estudo de grande escala que envolveu a análise da Base de Dados de Prescrição Médica da Noruega.

Os investigadores analisaram os dados de 100 milhões de prescrições médicas norueguesas, registadas desde 2004, e ao estudar o efeito de mil medicamentos descobriram que os medicamentos para a asma e para a pressão arterial estão ligados ao risco de ser contraída a doença de Parkinson.

O estudo conclui que os medicamentos para a asma podem diminuir para metade o risco de desenvolver doença de Parkinson, e um tipo de medicamento contra a alta pressão arterial duplica o risco.

A doença de Parkinson é uma doença crónica de causas ainda desconhecidas. A doença destrói as células cerebrais que controlam os movimentos do corpo. Tremer, braços e pernas rígidos e uma coordenação fraca são sintomas típicos de Parkinson. Os sintomas podem desenvolver-se lentamente, bem como levar muitas tempo até se ter um diagnóstico correto.

Trond Riise, do IGS, e líder do estudo, referiu: “A nossa análise de dados da população norueguesa foi decisiva para a conclusão neste estudo”. O estudo foi desenvolvido depois de investigadores da Universidade de Harvard terem encontrado efeitos de medicamentos em testes em animais e em experiências em laboratório com células cerebrais. Os resultados mostraram que diferentes medicamentos têm efeitos opostos sobre o risco de Parkinson.

Para descobrir se esses medicamentos tiveram o mesmo efeito sobre os seres humanos, os investigadores da Universidade de Harvard começaram a colaboraram com a equipa de investigação norueguesa na análise da base de dados onde estão registadas todas as prescrições médicas norueguesas.

“Analisamos toda a população norueguesa e verificamos os mesmos resultados que os testes em animais na Universidade de Harvard. Esses medicamentos nunca foram estudados em relação à doença de Parkinson”, referiu Trond Riise, e acrescentou: “As descobertas podem ser o início de um possível tratamento totalmente novo para esta doença grave. Esperamos que os estudos clínicos acompanhem estas descobertas.”

Deixe um comentário

Seja o primeiro a comentar!

wpDiscuz