Novas imagens de Saturno e Marte, do Hubble, quando estão próximos da Terra

Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA está a captar imagens dos planetas Marte e Saturno no momento em que estão em oposição à Terra, isto é mais próximos da Terra. Saturno esteve em oposição a 6 de junho e Marte a 27 de julho. As imagens apresentam elevado detalhe.

0
Novas imagens de Saturno e Marte, do Hubble, quando estão próximos da Terra
Novas imagens de Saturno e Marte, do Hubble, quando estão próximos da Terra. Imagem: Saturn: NASA, ESA, A. Simon (GSFC) and the OPAL Team, and J. DePasquale (STScI); Mars: NASA, ESA, and STScI

Em junho e em julho de 2018, os planetas Marte e Saturno estão, um após o outro, em oposição à Terra. Durante este evento, os planetas estão relativamente próximos da Terra, permitindo aos astrónomos observá-los em maior detalhe. O Hubble aproveitou essa configuração fez uma observação como já vem fazendo há muitos anos dos planetas do Sistema Solar.

Desde o lançamento do Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA, o objetivo sempre foi estudar não só objetos astronómicos distantes, mas também os planetas dentro do nosso Sistema Solar. As imagens de alta resolução do Hubble de nossos planetas vizinhos só podem ser superadas por fotos tiradas por sondas espaciais que visitam esses corpos. No entanto, o Hubble tem uma vantagem sobre as sondas espaciais pois pode observar esses objetos periodicamente e observá-los por períodos muito mais longos do que qualquer sonda de passagem poderia.

Planetas Marte e Saturno em oposição à Terra

Saturno esteve em oposição à Terra em 27 de junho e Marte em 27 de julho. Uma oposição ocorre quando o Sol, a Terra e um planeta exterior estão alinhados, com a Terra entre o Sol e o planeta exterior. Durante uma oposição, um planeta é totalmente iluminado pelo Sol a partir de uma observação em Terra, e também é o momento em o planeta está mais próximo da Terra, permitindo aos astrónomos ver detalhes da superfície do planeta em maior detalhe.

Um mês antes da oposição de Saturno, em 6 de junho, o Hubble observou o planeta e nesse momento estava a aproximadamente 1,4 mil milhões de quilómetros da Terra. As imagens captadas mostram o magnífico sistema de anéis de Saturno perto de sua inclinação máxima em direção à Terra, permitindo uma visão espetacular dos anéis e das lacunas entre eles. Embora todos os gigantes gasosos possuam anéis, os de Saturno são os maiores e mais espetaculares, estendendo-se até oito vezes o raio do planeta.

Para além do sistema de anéis, a nova imagem captada pelo Hubble revela um padrão hexagonal ao redor do Pólo Norte, um recurso de vento estável e persistente descoberto durante o sobrevoo da sonda espacial Voyager 1 em 1981. Ao sul desta característica, é visível uma fileira de nuvens brilhantes, que os astrónomos indicam ser restos de uma tempestade em desintegração.

Enquanto observava o planeta, o Hubble também conseguiu captar imagens de seis das 62 luas atualmente conhecidas de Saturno: Dione, Enceladus, Tethys, Janus, Epimetheus e Mimas. Cientistas supõem que uma pequena lua rebelde como uma destas se desintegrou há 200 milhões de anos para formar o sistema de anéis de Saturno.

Hubble também captou o segundo retrato, do planeta Marte, em 18 de julho, apenas 13 dias antes de Marte atingir a posição mais aproxima da Terra. Marte vai estar a 30 de julho a 57,6 milhões de quilómetros da Terra. Uma distância que é a mais curta desde 2003, quando o planeta vermelho chegou mais perto de nós do que em qualquer outra época em quase 60 mil anos.

Enquanto as imagens anteriores mostraram características detalhadas da superfície do planeta, esta nova imagem é dominada por uma gigantesca tempestade de areia que envolve todo o planeta. Ainda são visíveis as calotas polares brancas, Terra Meridiani, a Cratera Schiaparelli e a Bacia Hellas, mas todas essas características são levemente borradas pela poeira da atmosfera.

Comparando as novas imagens de Marte e de Saturno com dados mais antigos recolhidos pelo Hubble, e por outros telescópios e até mesmo por sondas espaciais permitem aos astrónomos estudar como os padrões de nuvens e estruturas em grande escala noutros planetas do nosso Sistema Solar mudam com o tempo.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!