Novo diagnóstico de cancro complexo pode levar ao melhor tratamento

Cancros complexos exigem o uso de nova ferramenta de diagnóstico para um melhor reconhecimento do tipo de cancro. Uma nova ferramenta de diagnóstico desenvolvida por investigadores na Suécia pode levar a melhor tratamento.

0
Novo diagnóstico de cancros complexos pode levar ao melhor tratamento
Novo diagnóstico de cancros complexos pode levar ao melhor tratamento. Jonas Nilsson investigador. Foto: DR

Uma ferramenta de diagnóstico de cancro desenvolvida por investigadores de cancro da Academia Sahlgrenska e por médicos do Hospital Universitário Sahlgrenska, na Suécia, pode levar a um melhor tratamento dos cancros de difícil diagnóstico.

Jonas Nilsson, professor de cirurgia experimental do cancro e diretor do Centro de Cancro de Sahlgrenska, referiu:”Acreditamos que os métodos analíticos descritos têm implicações bastante diretas que podem ajudar os pacientes que não têm um diagnóstico correto de cancro.”

O estudo que envolveu um paciente e já foi publicado no JCO Precision Oncology, descreve que o paciente chegou ao Hospital Universitário Sahlgrenska com um cancro do pulmão que havia reaparecido várias vezes, apesar dos vários tratamentos no hospital. A doença mostrou-se fatal, mas o paciente contribuiu com várias biópsias para investigação antes de morrer.

A chave para um diagnóstico correto neste caso acabou por determinar e definir detalhadamente o caráter e a origem do tumor, que não se correlacionou com o quadro clínico. Para isso, foi necessário um grande número de análises antes e depois da morte do paciente.

Resultados surpreendentes

O extenso trabalho analítico ofereceu muitas surpresas. Uma foi o rápido crescimento do tumor quando uma biópsia foi introduzida sob a pele de ratos.

Outra análise mostrou que não se tratava de um tipo tradicional de cancro do pulmão, mas sim de um cancro neuroendócrino (produtor de hormonas). O tumor também provou ter uma mutação inesperada num gene específico do cancro, chamado BRAF.

“O que é mais notável sobre esta descoberta foi que isso significava que o paciente poderia ser tratado com o que são chamados inibidores de BRAF, que foram eficazes e também levaram a uma redução do tumor do paciente”, referiu Jonas Nilsson. “O tumor do paciente no rato também cresceu mais lentamente quando o rato foi tratado com inibidores do BRAF. Mas infelizmente o tumor voltou depois de meio ano e o paciente morreu”.

Um novo método designado por análise de assinatura de mutação mostrou que o tumor provavelmente teve origem na pele do paciente.

Joakim Karlsson, estudante de doutorado em bioinformática e um dos três principais autores explicou: “Quando os raios ultravioletas do sol atingem as células da pele, ocorre um padrão mutacional muito característico com o reparação do dano ao DNA, induzido pelos raios ultravioletas. Todas as biópsias do paciente que analisamos tinham esse padrão ”.

Diagnóstico pode levar a outro tratamento

Uma comparação com os dados de sequenciamento de RNA de 9.000 tumores no banco de dados do Atlas do Genoma do cancro (TCGA) mostrou que as biópsias do cancro do pulmão tinham uma correlação com o melanoma maligno de mais de 90%. Portanto, este tumor não era um cancro do pulmão, mas uma metástase de melanoma que residia no pulmão.

Os investigadores do estudo que envolveu também Roger Olofsson Bagge, cirurgião, e Akif Demir, patologista do Hospital Universitário Sahlgrenska, indicaram que a aplicação de muitas análises avançadas e modernas a tumores mais complicados pode fornecer um tratamento adequado.

Muitos tratamentos são aprovados pela Agência de Produtos Médicos da Suécia para um determinado diagnóstico, mas não para outros. A correção de um diagnóstico pode, portanto, resultar num tratamento diferente e mais apropriado para o paciente com cancro complexo.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!