Novo medicamento para a leucemia é mais eficaz e fácil de usar

Medicamento ibrutinib é mais eficaz e mais fácil de usar do que a terapêutica padrão. A conclusão é de um estudo em que participou o Centro Médico da Universidade Loyola.

0
Medicamentos
Medicamentos. Foto: DR

Um estudo de referência em que participou o Centro Médico da Universidade Loyola descobriu que um novo medicamento direcionado é significativamente mais eficaz do que a terapia padrão para o tratamento de pacientes idosos com leucemia linfoide crónica (LLC).

O medicamento ibrutinib ataca as células cancerígenas sem danificar as células normais, causando menos efeitos colaterais. O medicamento é tomado como uma pílula, uma vez por dia, o que é muito mais conveniente do que o tratamento padrão.

“O Ibrutinib deve tornar-se o novo tratamento padrão”, referiu Scott Smith, oncologista da Universidade Loyola, e responsável pela execução do estudo e um dos autores principais do estudo, publicado no ‘New England Journal of Medicine’, a 27 de dezembro de 2018, com o intitulo “Regimes de Ibrutinib versus Quimioimunoterapia em Pacientes Idosos com LLC não tratada”. O primeiro autor é Jennifer Woyach, da Universidade Pública de Ohio.

A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou o ibrutinib (nome comercial Imbruvica) para o tratamento da LLC. O medicamento encontra-se também aprovado pela Agência Europeia do Medicamento.

A LLC é uma doença do sistema imunológico e é a forma mais comum de leucemia em adultos. E acontece principalmente idosos, com idade média de diagnóstico em torno de 70 anos. O risco é maior nos homens.

Até agora, o tratamento padrão tem sido uma combinação de um medicamento quimioterápico (bendamustina) que mata células cancerígenas e um medicamento de imunoterapia (rituximab) que suprime o sistema imunológico.

O estudo envolveu 547 pacientes com LLC (67 por cento do sexo masculino) em 219 centros nos Estados Unidos e no Canadá. Todos tinham mais de 65 anos, com uma média de idade nos 71 anos. Os investigadores designaram aleatoriamente pacientes para receber um dos três regimes: o tratamento padrão de bendamustina mais rituximabe; ibrutinib sozinho; ou ibrutinib mais rituximab.

Após dois anos de tratamento, os investigadores verificaram que 87 por cento dos pacientes que receberam apenas ibrutinib estavam vivos sem qualquer progressão da doença, em comparação com 74 por cento dos pacientes que receberam bendamustina mais rituximab. Não houve diferença significativa entre os pacientes que receberam apenas ibrutinib e aqueles que receberam ibrutinib mais rituximab.

Cerca de 17 por cento dos pacientes que receberam apenas ibrutinib experimentaram um batimento cardíaco irregular chamado fibrilação atrial. Mas no geral, o medicamento causou menos efeitos colaterais do que o tratamento padrão, referiu Scott Smith.

O oncologista acrescentou que estão em curso mais estudos em pacientes com LLC com idade inferior a 65 anos.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!