Novo medicamento para cancro da mama mostra ser eficaz e seguro

Novo medicamento TTC-352 mostra, em ensaios clínicos, que é eficaz na interrupção da progressão do cancro da mama e que não apresenta efeitos secundários. É indicado para tratar o cancro quando este já não responde à terapia hormonal.

0
Novo medicamento para cancro da mama mostra ser eficaz e seguro
Novo medicamento para cancro da mama mostra ser eficaz e seguro. Na imagem Debra Tonetti e Gregory Thatcher. Foto: UIC:

Um novo tipo de medicamento para combater o cancro da mama desenvolvido por investigadores da Universidade de Illinois em Chicago (UIC), EUA, pode ajudar a interromper a progressão da doença. Resultados de ensaios clínicos de fase 1 mostram que o medicamento é eficaz e não apresenta toxidade.

Os resultados do ensaio do medicamento que é projetado especificamente para mulheres em que o cancro da mama deixou de responder à terapia hormonal já foram publicados na revista Breast Cancer Research and Treatment.

O cancro da mama afeta uma um número de mulheres e, embora existam muitos tipos de cancro da mama, cerca de 80% são classificados como positivos para recetor de estrogénio ou positivos para ER. Isso significa que as células cancerosas têm recetores – moléculas que podem receber sinais de substâncias químicas no corpo – que são sensíveis e reagem a hormona estrogénica.

No caso do cancro da mama ER-positivo, isso significa que o estrogénio alimenta o crescimento do cancro. Para tratar esse tipo de cancro da mama, os médicos prescrevem medicamentos para bloquear a produção de hormonas no corpo ou interferir no efeito das hormonas nas células cancerosas. Este tipo de tratamento é denominado terapia hormonal. No entanto, quase metade das mulheres tratadas com terapia hormonal tornam-se resistentes, deixando a quimioterapia tradicional e seus efeitos colaterais como a única opção de tratamento.

“Embora existam muitos tratamentos para o cancro da mama, cerca de metade das mulheres com cancro ER-positivo tornam-se resistentes à terapia hormonal, deixando-as com poucos tratamentos além da quimioterapia, com seus conhecidos efeitos colaterais tóxicos”, referiu Debra Tonetti, professora de farmacologia da UIC College of Pharmacy e autora do artigo.

Debra Tonetti em conjunto com Gregory Thatcher, Presidente Hans W. Vahlteich de química medicinal da UIC e coautor do artigo, desenvolveram o novo medicamento, denominado TTC-352. Estudos pré-clínicos mostraram que o TTC-352, que é um agonista parcial do recetor de estrogénio humano seletivo, causa regressão tumoral completa, mas, ao contrário do tamoxifeno, pode representar um risco reduzido de desenvolvimento de cancro uterino.

No ensaio clínico de fase 1, foram inscritas 15 mulheres com cancro da mama metastático e anteriormente tratadas com várias ciclos de terapia hormonal e, em alguns casos, quimioterapia incluindo um inibidor de CDK4 / 6. Os investigadores descobriram que não houve efeitos colaterais tóxicos, mesmo nas doses mais altas.

No total, seis pacientes apresentaram doença estável com ausência de progressão da doença: dois por 6 meses e quatro por 3 meses.

“Isso é muito encorajador porque esses participantes estavam num estágio avançado da doença e vimos que os cancros pararam de crescer durante um período significativo de tempo”, referiu Debra Tonetti, que também é membro do University of Illinois Cancer Center.

As doses dadas aos participantes estavam de acordo com o que os investigadores ser níveis terapêuticos – em outras palavras, os participantes receberam doses equivalentes às que os pacientes receberiam para tratar a doença.

“Os resultados do estudo de fase 1 indicam que o TTC-352 é uma alternativa segura e tolerável à quimioterapia – portanto, sem os efeitos colaterais da quimioterapia – para pacientes que já foram tratados com terapia hormonal”, referiu Gregory Thatcher.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!