Novo medidor contínuo de glicose para diabéticos é indolor e preciso

Sistema de microagulha 50 vezes menor que a usada nos sistemas atuais permite monitorar em contínuo os níveis de glicose e fazer medidas precisas sem provocar qualquer dor. Investigadores estão a desenvolver o sistema para testes clínicos.

0
Novo medidor contínuo de glicose para diabéticos é indolor e preciso
Novo medidor contínuo de glicose para diabéticos é indolor e preciso. Imagem: cortesia da KTH

Um sistema para monitorar a glicose no sangue mais confortável e confiável está a ser projetado por investigadores na Suécia para pessoas com diabetes. Depois de testar com sucesso um protótipo de microagulha num ser humano o sistema está em desenvolvimento para entrar em testes clínicos.

O monitoramento contínuo é uma forma segura e confiável para reduzir a glicose no sangue – dando ao utilizador uma imagem completa de seus níveis de glicose ao longo do dia e assim ajudando-o a evitar a hipoglicemia grave. Mas os atuais sistemas contínuos de monitoramento de glicose (conhecidos como CGMS) têm duas desvantagens principais: são desconfortáveis, pois requerem uma agulha mínima de 7 mm que é inserida na pele; e, por causa desse tamanho, fazem medições no tecido adiposo – e não na localização mais ideal.

Investigadores do KTH Royal Institute of Technology, em Estocolmo, desenvolveram uma alternativa promissora: um patch de microagulha 50 vezes menor que as agulhas usadas nos sistemas CGM atuais. A combinação do adesivo com um sensor enzimático de três elétrodos extremamente miniaturizado mostrou, num estudo recente, ser capaz de rastrear corretamente e dinamicamente os níveis de glicose no sangue ao longo do tempo, com um atraso de cerca de 10 minutos, quando aplicado ao antebraço do paciente.

Um dos investigadores, Federico Ribet, referiu que os próximos passos são desenvolver um patch adesivo transferível, juntamente com algoritmos e sistemas eletrónicos para um sistema a ser usado em teste clínico.

“Nossa solução é indolor para o utilizador”, referiu o investigador. “Nós medimos diretamente na pele, e aí não há recetores nervosos que detetem a dor – apenas uma fina rede de vasos sanguíneos.”

“Uma distinção importante é que, ao contrário do CGMS comercialmente disponível, que mede o tecido adiposo subcutâneo, o nosso mede dentro da pele com menos de 1 mm de profundidade, onde o fluido intersticial segue mais perto e são mais homogéneas as oscilações de glicose no sangue”, referiu Federico Ribet.

Isso oferece uma alternativa ao para picar os dedos várias vezes ao dia para fazer um exame de sangue, embora um utilizador ainda ocasionalmente o tivesse de o fazer – como faz com o CGMS comercial – para recalibrar o sensor e obter informações mais precisas e leituras imediatas.

Com este novo sistema, isso pode mudar um dia. Federico Ribet salientou que o dispositivo CGM mais avançado atualmente no mercado é calibrado de fábrica e reduz a frequência de ter que realizar um exame de sangue do dedo. Ele diz que a equipe de pesquisa do KTH acredita que poderia, no final das contas, igualar ou até superar esse nível de qualidade.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!