Novo tratamento do cancro do pâncreas apresenta-se promissor

Nova abordagem teranóstica para o tratamento de pacientes com cancro do pâncreas apresenta-se muito promissora. O estudo é de investigadores alemães que já fizerem testes em pacientes com cancro muito avançado, dando evidências de sucesso.

0
(A) 18FDG PET antes da terapia com 177Lu-3BP-227. Oval vermelho: tumor primário; setas: metástases hepáticas. (B, painel superior) Seção Axial CT; tumor primário (oval azul) antes da terapia com 177Lu-3BP-227. (B, painel inferior) Seção Axial CT; tumor primário (oval azul) após 3 ciclos de terapia com 177Lu-3BP-227. (C) 18FDG PET após 3 ciclos de terapia com 177Lu-3BP-227.
(A) 18FDG PET antes da terapia com 177Lu-3BP-227. Oval vermelho: tumor primário; setas: metástases hepáticas. (B, painel superior) Seção Axial CT; tumor primário (oval azul) antes da terapia com 177Lu-3BP-227. (B, painel inferior) Seção Axial CT; tumor primário (oval azul) após 3 ciclos de terapia com 177Lu-3BP-227. (C) 18FDG PET após 3 ciclos de terapia com 177Lu-3BP-227. Foto: © RP Baum, A Singh et al., THERANOSTICS Center for Molecular Radiotherapy and Molecular Imaging, Zentralklinik Bad Berka, Bad Berka, Germany

Investigadores alemães desenvolveram um novo procedimento de diagnóstico e terapêutico (teranóstico) para pacientes com adenocarcinoma pancreático ductal, um cancro mortal com um prognóstico extremamente mau, ou seja, com taxa de sobrevivência, em cinco anos, inferior 5%, e opções limitadas de tratamento.

Nos primeiros estudos pré-clínicos em modelos animais, o novo procedimento inibiu significativamente o crescimento do tumor. Concentrando-se no recetor de neurotensina 1 (NTR1), uma proteína que é superexpressa no adenocarcinoma pancreático ductal.

No estudo já publicado na edição de maio do ‘The Journal of Nuclear Medicine’, os investigadores descrevem que desenvolveram um antagonista de NTR1 conjugado com DOTA 3BP-227 marcado com o radioisótopo lutécio-177 (177Lu) para tratar e monitorar a terapia.

No estudo, os investigadores indicaram que 6 pacientes com adenocarcinoma pancreático ductal metastático confirmado, que já tinham esgotado todas as opções de tratamento disponíveis, receberam 177Lu-3BP-227, como terapia de resgate. Os investigadores utilizaram cintilografia e tomografia computadorizada por emissão de fóton único com tomografia computadorizada (SPECT / CT) para determinar a captação do tumor e a elegibilidade do paciente para o tratamento.

Quando a condição do paciente permitiu, a tomografia por emissão de positrões com 18F-FDG (PET) / tomografia computadorizada foi realizada 8-12 semanas após a terapia para determinar a eficácia do tratamento.

Os investigadores indicaram que o 177Lu-3BP-227 foi bem tolerado por todos os pacientes, com a reação adversa mais grave, anemia grau 2 reversível. Um paciente apresentou melhora significativa dos sintomas e da qualidade de vida, sobrevivendo 13 meses após o diagnóstico e 11 meses após o início da terapia com 177Lu-3BP-227.

O este estudo forneceu a primeira evidência clínica da viabilidade do tratamento do adenocarcinoma pancreático ductal usando 177Lu-3BP-227.

Christiane Smerling, chefe de Medicina Nuclear e Imagem na 3B Pharmaceuticals GmbH, em Berlim, Alemanha referiu: “O estudo apresentado justifica o desenvolvimento de 177Lu-3BP-227, a fim de proporcionar aos pacientes um tratamento mais eficaz e com menos efeitos colaterais do que a quimioterapia citotóxica.”

A investigadora esclareceu: “Explorando um recetor até então inexplorado, estas descobertas ampliam o escopo do tratamento da medicina nuclear para o adenocarcinoma pancreático e potencialmente para outras indicações que expressam recetores de neurotensina, como o sarcoma de Ewing. Uma abordagem de uso de imagem molecular para identificar potenciais respondedores permitirá tratamento de uma população de pacientes altamente carente”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!