Novo tratamento para artrite reumatoide suprime inflamação e reduz dor

Tratamento da artrite reumatoide com otilimabe permite suprimir a inflamação e diminuir a dor. O ensaio clinico com o anticorpo monoclonal mostrou uma melhoria rápida nas articulações que estavam inchadas e melhorias nos níveis de dor.

0
Novo tratamento para artrite reumatoide suprime inflamação e reduz dor
Novo tratamento para artrite reumatoide suprime inflamação e reduz dor

Os pacientes com artrite reumatoide podem beneficiar em breve de um novo tratamento que suprime a inflamação e também reduz significativamente os níveis de dor. O otilimab é um anticorpo monoclonal. Um medicamento biológico que tem como alvo e suprime a citocina inflamatória GM-CSF.

Num estudo multicêntrico de variação de dose, liderado pelo investigador Chris Buckley nas Universidades de Oxford e Birmingham, e patrocinado pela empresa farmacêutica GSK, os investigadores exploraram os efeitos clínicos do otilimabe na prevenção da inflamação, danos nos tecidos e a dor em pessoas com artrite reumatoide.

O estudo avaliou os efeitos de cinco doses de otilimabe – 22,5 mg, 45 mg, 90 mg, 135 mg ou 180 mg – versus um placebo. Neste estudo 222 pacientes com artrite reumatoide ativa receberam injeções subcutâneas semanais durante 5 semanas, que foram sendo reduzidas por semanas alternadas durante um ano. Os resultados relatados pelo paciente foram medidos.

Os investigadores verificaram que o tratamento com otilimabe levou a uma melhoria rápida nas articulações que estavam inchadas, bem como melhorias muito significativas nos níveis de dor.

Chris Buckley referiu: “A suposição sempre foi de que se os medicamentos suprimem a inflamação, então também ajudarão a suprimir a dor, mas nem sempre foi esse o caso. Agora, pela primeira vez estamos vendo uma terapia biológica, a primeira no espaço reumatoide, que oferece dois benefícios. Suprime a inflamação, mas também ajuda a diminuir a dor, e isso é muito importante para o paciente”.

Os estudos que envolvem o recurso a placebos dificultam a adesão dos doentes dado que os pacientes que recebem o placebo não vêm reduzida a atividade da doença, comentou Chris Buckley. “Neste teste, se um paciente não observasse melhorias após 12 semanas, ele era automaticamente transferido para a dose mais alta de otilimabe de 180 mg e então pudemos ver as melhorias”.

O estudo ajudou a estabelecer a base de infraestrutura para o CATALYST Trial, também uma colaboração entre Oxford e Birmingham, que está a medir a eficácia do GM-CSF e de outro medicamento anti-inflamatório no tratamento da COVID-19.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!