Número de infetados com coronavírus de Wuhan pode ser muito maior

Investigadores da Universidade de Hong Kong indicam que o número de pessoas infetadas com o novo coronavírus, só em Wuhan, até 25 de janeiro, pode ser superior a 75.800. Os investigadores recomendam reforço de medidas em todo o mundo.

0
Número de infetados com coronavírus de Wuhan pode ser muito maior
Número de infetados com coronavírus de Wuhan pode ser muito maior

Um novo estudo de investigação da Universidade de Hong Kong estima que podem ter sido infetados com o novo coronavírus, o 2019-nCoV, até 25 de janeiro de 2020, mais de 75.800 pessoas, só na cidade chinesa de Wuhan.

Gabriel Leung, da Universidade de Hong Kong e autor sénior do estudo, referiu: “Nem todas as pessoas infetadas com o 2019-nCoV exigiu ou procurou atendimento médico. Durante os pedidos urgentes numa epidemia em rápida expansão, de um vírus completamente novo, especialmente quando a capacidade do sistema é reduzida alguns dos infetados podem ser subcontabilizados no registo oficial”.

O investigador explicou que a aparente discrepância entre as estimativas do estudo de modelação das infeções por 2019-nCoV e o número de casos confirmados em Wuhan também pode ser devida a vários outros fatores, incluindo: o intervalo de tempo entre a infeção e o início dos sintomas; atrasos na pessoas infetadas a procurar apoio médico e o tempo para a confirmação por testes de laboratório.

O estudo, já publicado na revista “The lancet”, também sugere que algumas grandes cidades chinesas já podem ter importado dezenas de casos de infeção por 2019-nCoV, em número suficiente para iniciar epidemias locais.

Medidas urgentes

Para os investigadores é necessário um aumento rápido e imediato de medidas substanciais de controlo da saúde pública para evitar grandes epidemias em áreas fora de Wuhan. Análises adicionais indicam que, se a transmissibilidade de 2019-nCoV puder ser reduzida, a taxa de crescimento e o tamanho das epidemias locais em todas as cidades da China poderão ser reduzidas.

Uma das conclusões do estudo indica para a necessidade de Identificar e eliminar a fonte zoonótica para evitar novos eventos de fontes de transmissão de animais para os humanos

Se a transmissão do 2019-nCoV for igual em toda a China ao longo do tempo é possível que as epidemias já estejam crescer em várias grandes cidades chinesas, com um atraso de uma a duas semanas após o surto de Wuhan”, referiu Joseph Wu da Universidade de Hong Kong e principal autor do estudo.

O investigador acrescentou: “Grandes cidades no exterior, com estreitas ligações de transporte para a China, também podem tornar-se epicentros de surtos por causa da disseminação substancial de casos pré-sintomáticos, a menos que intervenções substanciais de saúde pública sejam implementadas imediatamente”.

Gabriel Leung referiu: “Com base nas nossas estimativas, instaríamos fortemente as autoridades em todo o mundo a ter planos de preparação e intervenções de mitigação para implantação rápida, incluindo reagentes para testes, medicamentos, equipamentos de proteção individual, meios de consumo hospitalares e, acima de tudo, recursos humanos, especialmente em cidades com laços estreitos com Wuhan e outras grandes cidades chinesas”.

Estudo de modelação da disseminação

No estudo, os investigadores usaram modelagem matemática para estimar a dimensão da epidemia com base em dados de casos oficialmente relatados de 2019-nCoV e dados de viagens nacionais e internacionais por comboio, aéreas e por estrada.

Os investigadores recorreram a dados da evolução da síndrome respiratória aguda grave (SARS) e também modelaram a potencial propagação futura de 2019-nCoV na China e internacionalmente, e tendo em conta o potencial impacto das várias intervenções de saúde pública que foram implementadas em janeiro de 2020, incluindo o uso de máscaras faciais e aumento da higiene pessoal e as medidas de quarentena introduzidas em Wuhan, em 23 de janeiro.

No estudo os pesquisadores estimam que, nos estágios iniciais do surto de Wuhan, de 1 de dezembro de 2019 a 25 de janeiro de 2020, cada pessoa infetada com 2019-nCoV poderá ter infetado, em média, até 2 a 3 outros indivíduos, e que a epidemia duplicou em dimensão a cada 6,4 dias. Durante esse período, até 75.815 indivíduos poderiam ter sido infetados em Wuhan.

Além disso, as estimativas sugerem que os casos de infeção por 2019-nCoV podem ter-se espalhado de Wuhan para várias outras grandes cidades chinesas, incluindo Guangzhou, com 111 casos, Pequim com 113, Xangai, com 98 e Shenzhen com 80. Estas cidades representam mais da metade de todas as viagens aéreas internacionais de saída da China.

Impacto das medidas

Embora as estimativas sugiram que a quarentena em Wuhan possa não ter o efeito pretendido de interromper completamente a epidemia, outras análises sugerem que se a transmissibilidade do 2019-nCoV puder ser reduzida em 25% em todas as cidades do país com maiores esforços de controlo, a taxa de crescimento e o tamanho das epidemias locais pode ser substancialmente reduzido. Além disso, uma redução de 50% na transmissibilidade pode mudar a atual epidemia de 2019-nCoV de uma situação de disseminação rápida para uma situação de disseminação lenta.

Kathy Leung, da Universidade de Hong Kong e coautora do estudo, referiu: “Pode ser possível reduzir a transmissibilidade local e conter epidemias locais se forem consideradas imediatamente medidas substanciais, mesmo draconianas, que limitem a mobilidade da população em todas as áreas afetadas”.

A investigadora acrescentou: “Além disso, devem ser usadas estratégias para reduzir drasticamente o contacto entre a população cancelando grandes reuniões de pessoas, fechamento escolas e introduzindo métodos para trabalho em casa”. Medidas que “podem conter a disseminação da infeção, de modo que os primeiros casos importados, ou mesmo a transmissão local precoce, não resulte em grandes epidemias fora de Wuhan”.

Os autores apontam para várias limitações do seu estudo, incluindo que a precisão de suas estimativas depende da suposição sobre a fonte zoonótica da infeção em Wuhan, bem como os dados de mobilidade adotados entre cidades serem de 2019 e estes poderem não refletir os padrões de mobilidade em 2020, particularmente à luz da ameaça à saúde representada por 2019-nCoV, mas também indicam que é possível que casos mais leves não sejam detetados, e isso pode subestimar o tamanho do surto.

 

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!