O que é inflamação? A importância do conhecimento

Inflamação, como reação do corpo a infeções ou agressões, tem características ainda não totalmente desvendadas. Mas o papel da inflamação em muitas doenças crónicas não é conhecido, O Van Andel Institute descreve uma visão sobre o problema.

0
Laboratório
Laboratório. Foto: DR

A inflamação é a reação do corpo a um estímulo nocivo, como é o caso da infeção por um vírus da gripe, uma lesão por corte ou arranhão ou devido a condições de saúde crónicas, como a doença de Crohn, descreve o Van Andel Institute, EUA.

A inflamação é uma condição normal e importante das defesas do nosso sistema imunológico, mas quando se mantem muito tempo, para além do tempo necessário da sua função, então pode ser problemática.

O que causa inflamação?

A inflamação pode ser causada por uma série de situações, que podem ir de um pequeno a maior arranhão num membro, como no joelho, até a situações mais graves, como uma infeção. De entre as várias situações encontram-se:

Feridas
Infeções virais
Infeções bacterianas (como a bactéria Helicobacter pylori)
Infeções parasitárias
Doenças como a de Crohn, colite ulcerativa, lúpus e esclerose múltipla
Exposição a determinado ambiente, como a inalação de muita poeira em um dia ventoso
Exposição a certos químicos, como ácidos.

Após um ferimento, infeção ou outras exposições não saudáveis, o corpo libera uma cascata de glóbulos brancos, que produzem substâncias químicas que vão tentar remover a causa do problema e iniciar o processo de cura.

Os resultados do guerreiros glóbulos brancos, embora preparados para nos ajudar, nem sempre são agradáveis, pois levam ao aumento do fluxo sanguíneo, e neste caso ao vermelhidão e aumento de calor. O fluido que corre para a área afetada, causa inchaço e dor, o resultado é de uma inundação de substâncias químicas para estimular os nervos.

Normalmente quando os glóbulos brancos terminam o trabalho, as células deixam de bombear esses produtos químicos e os sintomas da inflamação desaparecem. Mas em alguns casos isso nem sempre acontece.

Por que a inflamação é importante?

Algumas vezes o corpo produz produtos químicos inflamatórios em excesso ou continua a produzi-los muito depois de ter parado a ameaça. Se não for controlada a produção dos químicos em excesso, isso coloca em causa a capacidade do corpo de funcionar normalmente e levar a vários problemas de saúde.

De entre as situações de funcionamento não normal da produção de químicos encontram-se as seguintes doenças:

Artrite: Uma doença comum, marcada por dor e inchaço das articulações, que ocorre quando o sistema imunológico do corpo entra em ação, sem que haja invasores para combater ou para curar. O resultado é a destruição de tecidos do próprio corpo.

Cancros: A exposição prolongada a substâncias inflamatórias liberadas pelo corpo pode danificar o DNA, resultando em células cancerígenas anormais que proliferam e se espalham. São exemplos as pessoas com doença de Crohn, um distúrbio desafiador e doloroso causado pela inflamação do trato digestivo, que leva a um risco maior de desenvolver cancro do cólon devido a danos no DNA que resultam de inflamação persistente. O mesmo acontece para pessoas com hepatite B ou C, que têm um risco maior de desenvolver cancro do fígado.

Além disso, aproximadamente 15% dos cancros estão relacionados com a inflamação causada por infeção crónica. Isso inclui cancros gástricos relacionados à H. pylori, uma bactéria que infeta cerca de metade da população mundial e está intimamente ligada à água contaminada.

Depressão e suicídio: Num estudo de 2016, uma equipa de investigadores do Van Andel Institute, liderada pela cientista Lena Brundin, descobriu que os níveis de uma enzima chamada ACMSD variavam entre pessoas que tinham histórico de tentativas de suicídio e aquelas que não tinham. Dado o seu papel como regulador metabólico que pode influenciar a inflamação, o ACMSD pode ser um alvo importante para tratamentos futuros, bem como um indicador potencial de risco de suicídio.

Doença de Parkinson: Estão a aumentar as evidências de que a inflamação pode desempenhar um papel nos estágios iniciais da doença de Parkinson. Numa revisão cientifica publicada em 2017, Os investigadores Viviane Labrie e Patrik Brundin teorizaram que a ACMSD pode impulsionar a propagação do Parkinson através do cérebro, interrompendo os sistemas críticos necessários para manter as células saudáveis ​​e funcionamento. Encontrar maneiras de atingir a ACMSD pode levar a novos tratamentos da doença de Parkinson.

Como é que a investigação pode ajudar?

A inflamação desempenha um papel em vários distúrbios ou doenças, pelo que descobrir maneiras de reduzir a inflamação de maneira segura e eficaz é um dos principais focos no desenvolvimento de novas terapias e novas estratégias de tratamento.

Nesta área os cientistas desenvolvem trabalhos para:

Determine o básico: Entender como a inflamação funciona para combater as agressões ao corpo e também como pode contribuir para a doença é um alicerce fundamental para se poderem criar novos tratamentos.

Identificar as doenças nas quais a inflamação é a causa e nela desempenha um papel: Evidências crescentes sugerem que a inflamação pode ser a causa ou pelo menos uma das principais contribuintes numa série de condições, como as recentes descobertas sobre a doença de Parkinson são um excelente.

Desenvolver melhores estratégias terapêuticas: Melhor compreensão dos fundamentos da inflamação e como é que esta dá origem à doença vai ajudar no desenho de estratégias de tratamento mais eficazes, que aproveitem novos medicamentos, bem como os medicamentos anti-inflamatórios já existentes.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!