OMS: Os povos indígenas estão vulneráveis à COVID-19

Organização Mundial da Saúde está preocupada com o impacto do coronavírus nos povos indígenas das Américas. “Não se deve esperar por uma vacina. É preciso salvar vidas agora”. O rastreio de contactos é uma das ferramentas para saber onde anda o coronavírus.

0
OMS: Os povos indígenas estão vulneráveis à COVID-19
OMS: Os povos indígenas estão vulneráveis à COVID-19. Diretor-Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus. Foto: OMS

Existem cerca de 500 milhões de povos indígenas em todo o mundo, em mais de 90 países. Povos indígenas que têm culturas e línguas únicas e relações profundas com o meio ambiente. E como outros grupos vulneráveis, os povos indígenas enfrentam atualmente muitos desafios, referiu o Diretor-Geral da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Os povos indígenas para além de falta de representação política, marginalização económica e falta de acesso à saúde, educação e serviços sociais, costumam ter um alto nível de pobreza, desemprego, desnutrição e doenças transmissíveis e não transmissíveis, tornando-os mais vulneráveis ​​à COVID-19 e aos graves resultados desta doença, frisou o responsável pela OMS.

Tedros Adhanom Ghebreyesus indicou que “embora o COVID-19 seja um risco para todos os povos indígenas, em todo o mundo, a OMS está profundamente preocupada com o impacto do vírus nos povos indígenas das Américas, que continuam a ser o epicentro atual da pandemia”.

“Uma das principais ferramentas para suprimir a transmissão nas comunidades indígenas – e em todas as comunidades – é o rastreamento de contactos”, lembrou o Diretor-Geral da OMS. “Nenhum país pode controlar sua epidemia se não souber onde está o vírus” e por isso “as chamadas medidas de confinamento podem ajudar a reduzir a transmissão, mas não podem impedi-la completamente. O rastreio de contactos é essencial para localizar e isolar casos e identificar e colocar em quarentena os contactos”.

Mas “obviamente, o rastreio de contactos não é a única ferramenta – este deve fazer parte de um pacote mais abrangente. Mas é um dos mais importantes”, como tem sido “a base da resposta a surtos, da varíola à poliomielite, ao Ébola e à COVID-19”.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!