Paracetamol na infância pode aumentar risco de asma em adolescente

Investigação agora divulgada permitiu concluir haver uma ligação entre o uso de paracetamol em crianças e um aumento de risco de asma em adolescentes. Variantes específicas nos genes GST são indicadas por aumentarem suscetibilidade a problemas pulmonares.

0
Medicamentos
Medicamentos. Foto: DR

As crianças que tomam paracetamol durante os primeiros dois anos de vida podem ter um maior risco de desenvolver asma até os 18 anos, especialmente se tiverem uma composição genética específica, concluiu estudo agora apresentado no Congresso Internacional da Sociedade Europeia Respiratória.

No estudo os investigadores verificaram que a ligação entre o uso de paracetamol e asma parecia mais forte nos jovens que tinham uma variante particular do gene da glutationa S-transferase (GST), o GSTP1, indicou no congresso a investigadora Xin (Daisy) Dai.

No entanto, Xin (Daisy) Dai alertou que a investigação mostrou apenas que havia uma associação entre paracetamol e a asma, e não que o paracetamol cause a doença, pelo que são necessários mais estudos para um melhor esclarecimento das implicações do paracetamol.

A investigação veio também mostrar que outra variante do gene GST, o GSTM1, estava ligada à função pulmonar reduzida.

Os genes da GST contêm as instruções para produzir enzimas que usam um antioxidante chamado glutationa para eliminar os efeitos da exposição a toxinas no corpo e nos pulmões. Este mecanismo ajuda a prevenir danos nas células e inflamação. “O paracetamol, por outro lado, consome glutationa, reduzindo a capacidade do corpo para lidar com a exposição tóxica”, explicou Xin (Daisy) Dai.

“A nossa hipótese é que pessoas que não têm atividade enzimática completa de GST, por causa de variações genéticas comuns ou deleções podem ser mais suscetíveis a efeitos adversos nos pulmões com o uso de paracetamol”, esclareceu a investigadora.

A investigadora Xin (Daisy) Dai da Unidade de Saúde Alimentar e Pulmonar da Universidade de Melbourne, Austrália, e outros colegas estudaram a hipótese de ligação entre paracetamol e asma em 620 crianças, que foram acompanhadas desde o nascimento até os 18 anos de idade.

As crianças foram recrutadas para o estudo ainda antes de nascerem, por poderem ser consideradas potencialmente em alto risco de desenvolver uma doença relacionada à alergia. Dado terem pelo menos um membro da família (mãe, pai ou irmão) com uma doença alérgica, como asma, eczema, febre do feno ou uma grave alergia alimentar.

Após o nascimento, os investigadores acompanharam as crianças para anotar se as mesmas tomavam e em que quantidade paracetamol e aos 18 anos foi feito o teste para variantes dos genes GST: GSTT1, GSTM1 e GSTP1. Os jovens também foram avaliados sobre asma, e submetidos a um teste de espirometria para medir a quantidade de ar inalado e exalado ao respirar através de um bocal.

Os investigadores verificaram que uma variante do gene GSTP1, GSTP1 Ile / Ile (em que o aminoácido Isoleucina (Ile) é herdado de ambos os pais), estar associada a um maior risco de desenvolver asma.

“Descobrimos que as crianças com a variante Ile / Ile GSTP1 tinham 1,8 vezes maior risco de desenvolver asma até os 18 anos de idade para cada duplicação dos dias de exposição ao paracetamol quando comparados com crianças que estavam menos expostas”, referiu a investigadora. “Em contraste, o aumento da exposição ao paracetamol em crianças que tinham outros tipos de GSTP1 não alterou o risco de asma.

A investigadora acrescentou: “Também encontramos efeitos em crianças que tinham uma variante de GSTM1 em que uma parte não está a funcionar. Nestas crianças, o aumento do uso de paracetamol foi associado com pequena, mas significativa redução na quantidade de ar que poderiam expirar num segundo, aos 18 anos. Não se sabe se a relação que encontramos entre o uso de paracetamol e a função pulmonar é clinicamente importante. Além disso, encontramos algumas evidências, mas fracas, de que o uso de paracetamol nos dois primeiros anos de vida pode estar associado à redução da função pulmonar na adolescência, nas crianças com variantes dos genes GST”.

Xin (Daisy) Dai concluiu: “As nossas descobertas fornecem mais evidências de que o uso de paracetamol na infância pode ter um efeito adverso na saúde respiratória de crianças com perfis genéticos particulares e podem levar a uma possível causa de asma. No entanto, estas descobertas precisam ser confirmadas por outros estudos e o grau de efeito adverso melhor compreendido antes que essa evidência possa ser usada para influenciar a prática, e antes que as orientações sobre o uso de paracetamol sejam alteradas.”

“Há evidências crescentes de que a superfamília GST de genes, incluindo três classes principais – GSTM1, GSTT1 e GSTP1 – estão associadas a várias doenças, incluindo cancros, asma, aterosclerose, alergias, mal de Alzheimer e Parkinson”, e o estudo agora apresentado concluiu no mesmo sentido.

Guy Brusselle, professor da Universidade de Ghent, na Bélgica, e presidente do Conselho Científico da Sociedade Respiratória Europeia, referiu: “À medida que aprendemos mais sobre os genes envolvidos na asma e como eles interagem com o ambiente e os medicamentos que usamos, esperamos aprender mais sobre o que é melhor para cada um dos pacientes individualmente. Este estudo sugere que algumas pessoas com variantes específicas dos genes GST podem ser mais suscetíveis a efeitos adversos nos pulmões devido ao uso de paracetamol na infância, o que é intrigante e precisa ser mais investigado.”

“A importante, a associação observada entre o uso de paracetamol na infância e o aumento do risco de asma em adolescentes, especialmente em indivíduos com variantes genéticas disfuncionais de GST, não fornece prova de uma relação causal. De fato, a associação pode ser devido a fatores de confusão, como como infeções do trato respiratório inferior causadas por vírus na infância, que são tratadas com paracetamol e foram associadas à asma”, alertou o professor de Ghent.

Para enviar uma sugestão, por favor faça ou .

Deixe um comentário

Ainda sem comentários!